Secretário da Juventude de Temer é acusado de assédio sexual e agressão

O novo secretário nacional de Juventude, Bruno Moreira Santos, do governo interino de Michel Temer, foi acusado de agressão, ameaça e assédio sexual por duas mulheres; aos 24 anos, ele é presidente da Juventude Nacional do PMDB e filho do deputado estadual de Minas Gerais Cabo Júlio, do mesmo partido; em um dos boletins, sua ex-companheira Vitoria Abreu Alves da Costa diz que ele a agrediu com “socos, tapas, chutes e puxões de cabelo, além de ameaçá-la com uma faca”; no outro boletim, uma mulher que à época era subordinada a Bruno em uma agência do governo de Minas Gerais relata ter sofrido assédio sexual por parte dele

Do Brasil247

O novo secretário nacional de Juventude, Bruno Moreira Santos, do governo interino de Michel Temer, foi acusado de agressão, ameaça e assédio sexual por duas mulheres. Aos 24 anos, ele é presidente da Juventude Nacional do PMDB e filho do deputado estadual de Minas Gerais Cabo Júlio, do mesmo partido.

A indicação de Bruno foi publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (20). O salário do cargo é de R$ 13.974,20.

Em um dos boletins de ocorrência registrados contra Bruno, sua ex-companheira Vitoria Abreu Alves da Costa diz que ele a agrediu com “socos, tapas, chutes e puxões de cabelo, além de ameaçá-la com uma faca”. No Boletim de Ocorrência de Vitoria, ela diz que foi vítima de violência porque Bruno não aceitou o término do relacionamento.

No outro boletim registrado contra Bruno, de setembro de 2015, uma mulher que à época era subordinada a Bruno em uma agência do governo de Minas Gerais relata ter sofrido assédio sexual por parte dele. Ela disse que Bruno lhe fazia “insistentes propostas de relacionamento, elogiando-a acintosamente, convidando-a para lhe acompanhar em viagens, além de usar termos mais ousados, sempre manifestando o interesse em manter algo mais íntimo com a solicitante”. No boletim, a funcionária afirma ainda que as investidas, após as recusas, passaram a vir acompanhadas de ameaças de demissão.

Por último, a funcionária declarou colocar à disposição da polícia seu aparelho celular em que há trocas de mensagens com os “convites, elogios e ameaças” feitos por Bruno.

Ele negou as agressões e o assédio.

+ sobre o tema

Crise no Rio de Janeiro sucateia rede de atendimento a mulheres

Espaços que prestavam atendimento social e jurídico às vitimas...

Decisão de afastar José Mayer inclui pressão de funcionários da Globo

Anunciada na noite de segunda-feira (03), a decisão de...

Justiça usa educação para reduzir machismo e violência doméstica

Juízes e promotores já não esperam reduzir a violência...

para lembrar

spot_imgspot_img

Violência sexual em espaços noturnos e responsabilização de agressores

As recentes notícias de que duas mulheres teriam sido vítimas de estupro coletivo em uma mesma casa noturna na Lapa, no Rio de Janeiro ,...

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...
-+=