Segurança homófobo expulsa casal gay do cinema

Casal registrou queixa na Coordenadoria Especial de Diversidade Sexual.
Rede de cinema lamenta o ocorrido e demite segurança terceirizado.

O bailarino João Batista Júnior, de 25 anos, e o sociólogo Thiago Soliva, 26, registraram queixa, nesta sexta-feira (18), na Coordenadoria Especial de Diversidade Sexual, da Prefeitura do Rio, contra um segurança do cinema Roxy, em Copacabana, na Zona Sul da cidade. De acordo com o bailarino, ele e o companheiro foram convidados a se retirar do cinema pelo agente, após se beijarem na sala.

O grupo Severiano Ribeiro, que administra o cinema Roxy, informou que “lamenta profundamente este episódio”. Segundo a rede, “a conduta adotada pelo segurança não seguiu, em nenhum momento, as diretrizes da empresa, que zela em primeiro lugar pelo bem-estar, liberdade, conforto e respeito a todos os seus clientes”. O grupo informa ainda que “o segurança, prestador de uma empresa terceirizada, foi afastado imediatamente e não presta mais serviços para a empresa”.

Discussão com segurança
João Batista explica que o segurança passou a olhá-los de maneira estranha, desde quando eles entraram no cinema de mãos dadas.

“Nos comportamos como qualquer casal. Entramos na sala, nos abraçamos, e nos beijamos. Quando o segurança viu, ele disse que não podíamos continuar ali daquela maneira. Aí eu perguntei: ‘como?’. E ele disse ‘se beijando’. O indaguei que se ele estivesse com a mulher dele, se ele gostaria de ser retirado da sala por beijá-la, e ele argumentou que homem e mulher é normal se beijarem, e com a gente não”, lamentou o bailarino.

Ida à delegacia
O bailarino diz ainda que após a discussão com o segurança, ele procurou a gerência do Roxy. Segundo ele, o gerente se desculpou pelo fato e ofereceu dois vale-ingressos ou a devolução do dinheiro para o casal. Insatisfeitos, João e Thiago foram até a 13ª DP (Ipanema) registrar queixa contra o segurança.

Ao chegarem à delegacia, o casal foi atendido por um inspetor que lhes informou que, antes de registrar a ocorrência, era preciso ligar para o 190 e estar em posse dos documentos de identificação do segurança. Thiago e João retornaram ao cinema em busca dos dados, conversaram novamente com o gerente, e ligaram para a polícia.

De acordo com João, assim que a polícia chegou ao estabelecimento, o gerente disse aos agentes que o segurança já tinha ido embora e que não trabalhava mais na equipe. Ainda inconformados com a situação, o casal voltou à delegacia no dia seguinte.

Falta de lei para enquadrar segurança
Mas, segundo João, o delegado da 13ª DP (Ipanema) explicou que não era possível registrar queixa, já que não houve agressão, e que não havia uma lei para enquadrar o segurança pelo crime de homofobia.

“O delegado fez um documento para atestar que estivemos na delegacia. Ele nos disse que poderíamos utilizá-lo, caso a gente queira entrar com um processo contra o cinema na esfera cível. Volto a dizer que o constrangimento que passamos foi inadmissível e foi muito ruim ver que nada aconteceu. Se ninguém tomar providências, as pessoas vão se achar no direito de matar, cuspir, enfim, fazer qualquer coisa com os gays”, desabafou João.

No sábado (19), o casal, em companhia de amigos, promete distribuir folhetos explicando o episódio pelo qual passaram, na porta do Cinema Roxy.

A Prefeitura do Rio, a quem pertence a Coordenadoria Especial de Diversidade Sexual, informou que na segunda-feira (21) vai enviar um ofício aos responsáveis pelo cinema para apurar e advertir sobre o ocorrido.

Fonte: Globo.com

+ sobre o tema

Governo alemão abre processo contra Samuel Kunz, ex-nazista acusado de matar 430 mil judeus

O governo alemão informou nesta quarta-feira que abriu um...

MPF/SE arquiva procedimento que pedia fim das cotas na UFS

O procurador Regional dos Direitos do Cidadão substituto Pablo...

Em 5 anos, polícia brasileira matou em média 6 pessoas por dia, diz estudo

Os policiais brasileiros mataram, entre 2009 e 2013, uma...

Esfinge que devora jovens negros

A Assembleia Geral, por meio de sua Resolução n....

para lembrar

Os índios, nossos mortos

Os índios, nossos mortos. O Brasil, país racista e...

Na luta antimanicomial, o que espanta a miséria é festa

A frase do cantor e compositor Beto Sem-Braço cabe...

Evangélica, Benedita defende estado laico e lamenta racismo: “Horrível”

“Mulher, negra e favelada”. Esse já foi o slogan...

Tom Cruise devolve troféus após escândalo de racismo no Globo de Ouro

Diante do escândalo de racismo envolvendo o Globo de Ouro,...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=