Seguranças pegam criança pelo braço e a expulsam de shopping no DF;

Publicitária filmou ação; criança teria mexido em comida de clientes.
Shopping disse que apura o caso e tomará medidas, caso necessário.

Por> Mateus Rodrigues Do: G1

Imagens feitas por uma cliente do shopping Conjunto Nacional, em Brasília, mostram o momento em que dois seguranças levam um garoto pelos braços para fora do prédio. O menino chora e diz que os agentes o estão machucando. Um terceiro segurança acompanha a ação e tenta barrar a filmagem, mas o grupo segue caminho até a saída do shopping. Já depois da catraca do estacionamento, a criança é liberada e sai correndo em direção à área externa.

Fiquei chocada. É uma criança, provavelmente estava morrendo de fome. Poderiam repreender, mas não precisavam da violência. Foi um abuso enorme”

O caso aconteceu na tarde de sexta-feira (7). A filmagem foi feita pela publicitária Malu Rodrigues, de 29 anos. Segundo ela, a vítima era moradora de rua. Quando perguntou aos seguranças sobre o motivo da ação, eles disseram que o menino colocou a mão no prato de clientes na praça de alimentação, afirmou.

“Fiquei chocada. É uma criança, provavelmente estava morrendo de fome. Poderiam repreender, mas não precisavam da violência. Foi um abuso enorme”, diz.

Em nota, o Conjunto Nacional afirma que “tomou conhecimento do ocorrido e que está apurando as informações. O empreendimento abrirá processo interno e tomará as medidas cabíveis caso seja necessário.”

Malu conta que foi ao shopping com uma amiga e ouviu os gritos da criança assim que chegou à praça de alimentação. “Ainda nem tinha feito o pedido. Ouvi alguém gritando ‘me larga, me larga, estão me machucando’ e de repente apareceram três seguranças com esse menino, que deve ter uns 8, 9 anos”, diz Malu. Quando eles se afastaram um pouco, ela diz que pegou o celular por impulso e correu para filmar.

A ação da cliente teria incomodado os seguranças. “Eles foram pela escada de serviço, onde ninguém passa. Acho que não queriam dar na vista. Quando um dos caras me viu, ficou extremamente irritado, tentou barrar minha passagem. Fiquei com medo porque não sabia para onde estavam levando”, diz.

Malu diz ainda que, ao desligar o celular, foi intimidada pelos seguranças. “Eles vieram para cima de mim, falaram ‘se acontecesse com você, você ia chamar a gente’, mas continuei argumentando que nada justificava aquela agressão”.

 

 

+ sobre o tema

para lembrar

Aldo, o menino negro da escola

Na minha escola, havia o Aldo. Era ele o...

Ana Flavia Cavalcanti: “Não falta negro no audiovisual, falta a vontade de pessoas brancas”

Diretora, roteirista, produtora e atriz tanto de filmes e...

Ufopa lança guia para enfrentamento de racismo institucional

Para combater todas as formas de discriminação e preconceito no...

Turista racista disse o Brasil era ‘terra de macaco’ e começou a imitar o animal

Um turista racista europeu, natural da Suécia, está sendo...
spot_imgspot_img

Professora denuncia aluno por injúria racial após estudante escrever ‘preto não é gente’ em folha de papel

Uma professora denunciou um estudante de 14 anos à polícia após ele escrever "preto não é gente" em uma folha de papel, em uma...

5 por dia: Bahia lidera ranking de mortes em ações policiais no primeiro quadrimestre

Enquanto a localização de lideranças criminosas aumentou na Bahia no início de 2024, a letalidade das ações policiais também registrou crescimento. De acordo com o Ministério...

STF prorroga validade das cotas raciais para concursos públicos

O Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou a prorrogação das cotas raciais para o serviço público – ação afirmativa que expiraria no próximo dia 10. A Corte...
-+=