Douglas Belchior: “Segurança pública no Brasil é genocida”

Para coordenador da UNEafro Brasil, o sistema atual favorece a seletividade e racismo das polícias; ele é um dos participantes do seminário sobre cultura periférica organizado pela Fórum na sexta-feira (14)

Foto: Gabriel Brito/Correio da Cidadania

Por Guilherme Franco no, Revista Fórum 

A violência policial que vitima as periferias brasileiras aumenta a importância do debate acerca da revisão do modelo de segurança pública brasileiro. Além da repressão em série, o despreparo das polícias será tema da segunda mesa do seminário “A Periferia no Centro: cultura, narrativas e disputas”, realizado pela Revista Fórum, na próxima sexta-feira (14), no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM).

O padrão de segurança pública implementado atualmente é “militarizado e genocida”, segundo Douglas Belchior, professor, cordenador da UNEafro Brasil e debatedor no seminário. Para ele, a tendência de armar as guardas municipais impede o respeito aos direitos humanos. “Há uma ação planejada em todas as esferas que acaba naturalizando uma política de repressão que tem como alvo os pobres e os negros”, explica.

Belchior acredita que a revisão na segurança pública é a única forma de acabar com essa situação alarmante e revelada por diversos estudos. Levantamento divulgado pela Universidade Federal de São Carlos (UFScar) aponta que a PM assassinou, em 2011, três vezes mais negros do que brancos, sendo em sua maioria jovens entre 24 e 30 anos e moradores de periferias.

Durante as manifestações de junho, a bandeira pela “desmilitarização” uniu diversos movimentos sociais. De acordo com Belchior, esta é apenas uma pauta a ser discutida no setor da segurança pública. “Uma polícia desmilitarizada não necessariamente deixa de ser uma polícia injusta, racista. Neste sentido, a demanda eleitoral não deu conta de botar na mesa de debate a questão da segurança pública como um todo”, garante. “A discussão sobre o tema será ainda mais difícil tanto no Parlamento, que parece que será ainda mais conservador, mas também do ponto de vista do Executivo”, completa o professor, que foi candidato a deputado federal  pelo PSOL de São Paulo nas últimas eleições.

Belchior destaca ainda a importância em debater a cultura de periferia. “A cultura da periferia é fruto da sua própria resistência. Quanto mais valorizarmos essas organizações culturais, mais fortaleceremos a nossa luta”, finaliza.

O seminário “A Periferia no Centro: cultura, narrativas e disputas” terá entrada gratuita. Para participar, basta se inscrever em: www.revistaforum.com.br/periferia.

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

The New York Times: A aceitação do horror em mortes cometidas pela polícia do Brasil

Por Simon Romero e Taylor Barnes No Negro Belchior Tradução de...

Segura o B.O. com Douglas Belchior

No Segura o B.O. de hoje recebemos o Douglas...

Carol Conká, a Karabá do BBB

A atuação daquela eleita vilã de reality que, em...

‘Ela só queria nos humilhar’ conta estudantes africanos sobre racismo da polícia em Porto Alegre

Samir Oliveira Quando vieram ao Brasil em busca de aperfeiçoamento...
spot_imgspot_img

Após vítima de agressão ser detida, motoboys fazem ato contra o racismo no RS

Após um homem negro ser ferido com uma faca e preso por policiais, o Sindicato dos Motoboys de Porto Alegre, no Rio Grande do...

Abordagem a homem negro no RS: o que se sabe sobre motoboy preso após ser ferido com faca, em Porto Alegre

Uma abordagem policial acabou com um homem negro detido, neste sábado, após denunciar ter sido ferido com faca por um idoso de pele branca, em...

Valores de sociedades tradicionais africanas são imprescindíveis para educar e humanizar

"Coube ao Ocidente avançar na militarização e na tecnologia, mas caberá à África humanizar o mundo." Pode-se dizer que a frase de Nelson Mandela, registrada...
-+=