Seminário debate em Curitiba saúde da população negra

A Secretaria de Estado da Saúde promove até este domingo (14), em Curitiba, o Seminário Teresa de Benguela, para discutir assuntos relacionados à saúde da população negra no Estado. O evento, destinado a gestores e profissionais de saúde de todo o Paraná, acontece no Hotel Estação Express, na Rua João Negrão, 780.

no Bem Paraná

“Somos o estado do Sul do País com o maior número de pretos e pardos. Queremos aumentar a visibilidade e ampliar as ações estratégicas específicas para dar o atendimento adequado a essa parcela da população”, afirma o superintendente de Atenção à Saúde, Juliano Gevaerd.

De acordo com o superintendente, encontros como esses são fundamentais para envolver diversas instâncias na discussão de novas estratégias visando efetivar a Política de Saúde Integral da População Negra, que representam 25,8% no Estado. Para isso, o evento conta com parcerias como a da Rede Mulheres Negras Paraná.

“Ter um espaço para discutir exclusivamente a saúde da população negra significa reconhecer que o racismo institucional existe. E ter o Estado como parceiro para falar sobre isso e unir o gestor com o cidadão é fundamental”, diz a coordenadora executiva da Rede, Solange Duarte.

TEMAS – A fundadora da Rede de Mulheres Negras, Alaerte Leandro Martins, também participa do seminário. Para ela, o principal ponto a ser discutido é o acesso à saúde. “Grande parte dessa população vive em periferias de grandes cidades, ou regiões pequenas com menor acesso à saúde, e isso deve receber atenção”, comenta.

Alaerte explica que a população negra tem condições genéticas diferenciadas que não podem ser ignoradas. Os negros têm maior prevalência de doenças, como diabetes e hipertensão, além de doenças menos comuns como a anemia falciforme (doença do sangue), deficiência de glucose-fostato de-sidrogenase (doença hereditária) e foliculite (que causa a inflamação dos pelos).

O Seminário também aborda temas como alcoolismo, drogadição, DST e Aids/HIV, mortalidade da juventude negra, entre outros. “Alguns assuntos são consequência da determinante social e que a maior parte dos negros está inserida e também devem ser levados em consideração”, complementa Alaerte.

MÃE PARANAENSE – No Brasil, dados apontam que o risco relativo de morte materna é maior entre as mulheres negras. A Rede Mãe Paranaense estabeleceu que gestantes negras e indígenas devem ser estratificadas com risco intermediário.

As futuras mães recebem atenção especial com o objetivo de reduzir as taxas de mortalidade materna e também infantil nesta população. Nos bebês, a vigilância começa com a triagem neonatal. Cerca de 6% a 10% dos bebês negros podem ter a doença falciforme, que é identificada com o teste do pezinho feito na primeira semana de vida do recém-nascido.

No Paraná, todos os recém-nascidos passam pelo teste que detecta, além dessa, outras irregularidades na saúde do bebê. O problema também pode ser verificado através do exame eletroforese de hemoglobina (teste da mãezinha), feito no durante o pré-natal da gestante.

+ sobre o tema

Outubro Rosa: desafios na luta contra o câncer de mama em mulheres idosas

No cenário da campanha Outubro Rosa, que tem como...

Estudo indica que DSTs atingem mais os homens negros no Brasil

Fonte: Diário de Pernambuco - O total de homens negros...

Dennis de Oliveira: O plebiscito, os médicos e a contradição entre Casa Grande e Senzala

A presidenta Dilma Rousseff buscou retomar a iniciativa política...

Promotoras Legais Populares do Geledés recebem netos de Nelson Mandela em atividade de prevenção a AIDS

   Por: Nilza Iraci Fotos: Renato Oliveira As Promotoras Legais Populares do...

para lembrar

Impacto do racismo na saúde mental

“Ninguém pode ser autenticamente humano enquanto impede que os outros...

Estudo indica que DSTs atingem mais os homens negros no Brasil

Fonte: Diário de Pernambuco - O total de homens negros...

Risco e escolha

A noção de risco em saúde orienta o processo...

Cerca de 100 especialistas em HIV estavam em avião da Malásia

Mortes de dezenas de destacados especialistas na área provocam...
spot_imgspot_img

Seminário promove debate sobre questões estruturais da população de rua em São Paulo, como moradia, trabalho e saúde

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

Mulheres pretas e pardas são as mais afetadas pela dengue no Brasil

Mulheres pretas e pardas são o grupo populacional com maior registro de casos prováveis de dengue em 2024 no Brasil. Os dados são do painel de...
-+=