Senado aprova dois projetos que endurecem a Lei Maria da Penha

Um assegura prioridade nos processos de divórcio das vítimas, e o outro determina a apreensão imediata de armas de agressores

Da Jovem Pan

Foto da sala do senado durante uma votação
(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Nesta quarta-feira (7), dia em que a Lei Maria da Penha completa 13 anos, o Senado aprovou dois projetos relativos à proteção da mulher vítima de violência doméstica. O primeiro assegura prioridade nos processos judiciais de separação ou divórcio das vítimas, e o segundo determina a apreensão imediata de armas de fogo de acusados de agressão contra mulheres.

A proposta que trata dos processos de separação ou divórcio volta para análise da Câmara dos Deputados, já que o texto foi modificado pelos senadores.

O PL altera a Lei Maria da Penha para estabelecer que, quando for o caso, o juiz deve assegurar à mulher em situação de violência doméstica ou familiar encaminhamento à assistência judiciária, inclusive para eventual ajuizamento da ação de separação judicial, divórcio ou de dissolução de união estável.

O processo terá prioridade de tramitação, em qualquer juízo ou tribunal. Além disso, o relator Alessandro Vieira (Cidadania-SE) acrescentou a alteração do Código de Processo Civil, para permitir que a mulher ajuíze a ação no foro do seu domicílio ou de sua residência.

Ele incluiu ainda a previsão da intervenção obrigatória do Ministério Público nas ações de família em que figure como parte a vítima de violência doméstica e familiar.

Armas de fogo de agressores devem ser apreendidas imediatamente

Já o segundo projeto de lei será enviado ao Palácio do Planalto para sanção ou veto do presidente da República. O PL, que também altera trecho da Lei Maria da Penha, determina que, logo após o registro de ocorrências de violência contra a mulher, as autoridades policiais devem verificar se o agressor possui registro de porte ou posse de arma de fogo para anexar aos autos.

A proposta prevê ainda que, após ser informado que o agressor possui posse ou porte de arma de fogo, o juiz responsável pelo caso terá 48 horas para ordenar a apreensão do artefato. Além disso, o texto determina que a instituição que concedeu o registro ou emitiu o porte do armamento passe a ser notificada.

+ sobre o tema

Por que elas continuam com seus agressores?

O roteiro é recorrente: sempre que uma mulher é...

Luana Tolentino recebe medalha em Minas e diz “sou prova de um novo brasil”

Rodeada de amigos, familiares e admiradores querendo tirar um...

Feminismo negro: sobre minorias dentro da minoria

As necessidades das mulheres negras são muito peculiares e...

Feminismo para homens, um curso rápido em 26 lições, por Alex Castro

De homem para homem, algumas noções básicas e indispensáveis...

para lembrar

Candidatas, imprensa e a causa feminina

O que a imprensa tem mostrado, embora não discuta...

Renda das mulheres é 42,7% menor que a dos homens, diz Pnud

Apesar de as mulheres apresentarem melhor desempenho na educação...

Quem mandou matar Marielle e Anderson?

Amanhã (18) o Superior Tribunal de Justiça pode proferir...

O Geledès-Instituto da Mulher Negra forma a sua XII turma de Promotoras Legais Populares.

As festividades de encerramento do curso, que capacitou 62...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=