Senado aprova licença-maternidade de seis meses

Aprovação, no entanto, ainda depende de análise da Câmara dos Deputados

Por: Gustavo Gantois

O Senado aprovou nesta terça-feira (3), em segundo turno, a obrigatoriedade da concessão de licença-maternidade de seis meses, inclusive na iniciativa privada. A proposta, no entanto, ainda precisa ser aprovada pela Câmara dos Deputados, o que deve ocorrer apenas no próximo ano, a julgar pelo recesso branco causado pelas eleições.

O projeto aprovado nesta terça, de autoria da senadora Rosalba Ciarlini (DEM-RN), obriga a iniciativa privada a oferecer o benefício às trabalhadoras. Uma lei aprovada em 2008, que criou o Programa Empresa Cidadã, já incentivava a licença-maternidade maior, oferecendo incentivos fiscais às empresas que dão o benefício de dois meses a mais de afastamento às funcionárias que se tornam mães. A diferença da atual proposta é que o novo período de licença passa a ser obrigatório para os contratantes.

A senadora Patricia Saboya (PDT-CE), que propôs o Programa Empresa Cidadã, explica que é fundamental para o crescimento da criança um contato maior com a mãe. Para ela, “a lei da licença-maternidade de seis meses é uma das grandes provas de que a sociedade brasileira está madura, pronta para avançar no caminho das transformações sociais necessárias”.

– Está na hora de o Brasil respeitar mais todas nós, mulheres. Afinal de contas, somos profissionais, sim, mas também somos mães e precisamos de tranquilidade para desempenharmos bem os diferentes papéis que temos na sociedade moderna. Além disso, o que são seis meses de ausência da mulher no trabalho diante da imensurável contribuição que esse estreitamento dos laços entre mãe e filho trará para a vida das nossas crianças? Tenho certeza de que os benefícios serão para toda a sociedade.

Aprovado em primeiro turno há cerca de um mês, antes do recesso parlamentar, o projeto acabou ganhando o voto favorável de 62 senadores. Para entrar em vigor, no entanto, a Câmara dos Deputados ainda precisa aprová-la em dois turnos. Lá, ele será analisado com outra proposta, de autoria da deputada Rita Camata (PSDB-ES). Se for aprovado também pelos deputados, todas as mulheres passarão a ter direito a seis meses de licença do trabalho depois de dar à luz, e não mais a quatro meses como prevê a lei atual.

O projeto, provavelmente, foi a última votação do Senado neste ano. Com as eleições se aproximando, os parlamentares estão concentrando os trabalhos em suas bases na tentativa de angariar votos.

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Violência contra a mulher

  As causas das variadas formas de violência contra a...

“Boca de Cachorro Louco” relato de uma mulher que conviveu com a dor travestida de amor

Escritora cearense lança livro sobre relacionamento abusivo   Um relato...

A etnia luo: o povo de Barack Obama em estilosa celebração

ENFIM, A CASA BRANCA CONTINUA PRETA E LAICA Por: Fátima...

para lembrar

Da inexistência do homossexual invisível

Eles são discretos, respeitáveis e não partilham de algumas...

No Rio, ONU Mulheres promove debates sobre gênero, racismo, maternidade e tecnologia

Ativistas, pesquisadoras, blogueiras, “youtubers” e artistas agitaram o Museu...

“Violência contra as mulheres é uma das grandes vergonhas da Austrália”

Governo australiano anuncia 70 milhões de dólares para combater...

Uma consulesa além dos brioches

A jornalista francesa Alexandra Baldeh Loras não isenta a...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=