Senado torna violência contra a mulher crime de tortura

Outros três projetos foram votados, entre eles, o que estabelece o feminicídio como agravante de homicídio e o atendimento especializado no SUS.

A CPI Mista da Violência contra a Mulher foi aprovada por unanimidade pelo Senado nessa quinta-feira (29). Quatro projetos foram votados, entre eles, o que classifica a violência doméstica como crime de tortura. Agora, eles serão submetidos à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara de Deputados (CCJ) antes de seguirem para o Plenário da Câmara.

O crime de tortura contra a mulher será caracterizado quando alguém, em qualquer relação familiar ou afetiva, vivendo ou não sob o mesmo teto, submeter alguém a intenso sofrimento físico ou mental como forma de exercer domínio, “com emprego de violência ou grave ameaça”.

Outro projeto que o Senado aprovou é o atendimento especializado no Sistema Único de Saúde (SUS) às mulheres vítimas de violência. Essa aprovação garante a elas benefício temporário da Previdência e também a exigência de rapidez na análise do pedido de prisão preventiva aos agressores.

Mais três projetos propostos pela CPI foram encaminhados à Comissão de Constituição e Justiça. Entre eles, o que estabelece o feminicídio como agravante de homicídio. O outro cria o Fundo Nacional de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres e destina parte dos recursos do Fundo Penitenciário Nacional à manutenção de casas de abrigo que acolham vítimas de violência doméstica.

Durante um ano e meio, a CPI da Violência contra a Mulher pesquisou e verificou que a ausência do Estado é um dos fatores que causam a violência doméstica.

 

Fonte: Brasil de Fato

+ sobre o tema

Terceira vítima de estupro em van no RJ diz que queria ‘dormir e esquecer’

"Negros estupradores, vergonha a ser execrada e punida com...

Em meio à crise, o protagonismo das mulheres das favelas

O trabalho das artesãs do Projeto Mulheres em Rede...

Coronel Helena dos Santos Reis: a PM que ela quer

A coronel Helena dos Santos Reis, 45 anos, toma...

Mulheres compram mais carros, mas Salão ainda é pensado para homens

Um grupo de homens se aglomerava em frente a...

para lembrar

Elas são a prova: a Campus Party é lugar de mulher, sim!

Muita gente ainda acha que Campus Party é um...

Câmara aprova Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania...

A nova propaganda machista e manipuladora da Avon – Por Jarid Arraes

Muito se fala sobre como as propagandas manipulam a...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=