‘Sense8’, série da Netflix, terá cenas gravadas em São Paulo durante a Parada do Orgulho LGBT

Os fãs paulistanos de Sense8 podem comemorar. Em breve a cidade será plano de fundo da produção original da Netflix.

no HuffPost Brasil

Nesta terça-feira (1º), a Prefeitura de São Paulo confirmou os boatos de que a segunda temporada da série terá cenas gravadas na cidade.

E gravações já têm data certa para acontecer: serão realizadas durante a próxima Parada do Orgulho LGBT, programada para o próximo dia 26 de maio.

A Prefeitura fez o anúncio compartilhando uma publicação da Spcine empresa de fomento ao audiovisual da capital paulista que foi responsável pela articulação do trabalho.

Não é notícia de primeiro de abril!Vai ter gravação de Sense8, da Netflix, aqui em São Paulo, na próxima Parada do Orgulho LGBT! *-*#Morri


Em reportagem no site da Spcine, Eduardo Raccah, coordenador internacional da Spcine, revela que São Paulo concorreu com outras cidades, como Madrid e Buenos Aires, para sediar as gravações:

“Apesar de ainda estarmos trabalhando em uma política de incentivo fiscal para produções estrangeiras, o profissionalismo dos paulistanos e a Avenida Paulista, que é o cenário da maior parada LGBT do mundo, foram decisivos para conquistar o Bill [Bowling, produtor da série].”

O cenário seguirá a ideia do primeiro episódio da série, que ocorreu durante a parada LGBT de São Francisco, nos EUA.

Criada pelas irmãs trans Lana e Lilly Wachowsky (trilogia Matrix), Sense8 destaca também a questão da diversidade sexual em seu trama, que acompanha oito pessoas de diferentes partes do mundo que descobrem estar mentalmente conectadas.

Os primeiros 12 episódios foram lançados em junho de 2015 e tiveram filmagens em sete cidades: Chicago, São Francisco (EUA), Londres (Inglaterra), Berlim (Alemanha), Seul (Coreia do Sul), Reykjavík (Islândia), Cidade do México (México), Nairobi (Quênia) e Mumbai (Índia).

A nova temporada da série ainda não tem previsão de estreia na Netflix.

+ sobre o tema

A “nega metida”: a construção de lugares e não lugares para as mulheres negras

Nessas incansáveis buscas por leituras e informações me deparei...

Reforma do Código Penal propõe descriminalização parcial do aborto

O projeto inclui os casos de anencefalia do feto...

No Dia dos Namorados, viúva escreve carta para Marielle Franco

A arquiteta Monica Benício fez uma homenagem para Marielle...

Thorning-Schmidt é nomeada primeira-ministra da Dinamarca

A líder dos social-democratas dinamarqueses, Helle Thorning-Schmidt, foi oficialmente...

para lembrar

“Eu não vejo cores” : Blogueira faz vídeo criativo para discutir preconceito racial

Jackie Aina faz vídeos sobre beleza há quase dez...

‘No Brasil de hoje, a trança é um símbolo de resistência’

Trancista Gabriela Azevedo perdeu a conta de quantas vezes...

Anacronismos de Mainha – Por Ísis Carvalho

"- você está louca! Vou te internar. Quem te pariu...

“Sou fruto de estupro e a favor do aborto ”

Claudia Salgado, 28 anos, gerente de varejo, fala de forma...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=