Ser Mulher Negra: trabalho e esforço dobrado

Esse assunto começou como uma luz logo após gravar um vídeo com a Carol Sandler

por Barbara Hannelore no Finanças Femininas

Foto: Pixabay

Assim que terminamos de gravar veio a questão: a mulher negra precisa reivindicar seus direitos e ocupar o seu espaço, e por que a mulher negra ainda tem que fazer muito mais esforço para ser reconhecida?

Decidimos que esse seria o assunto deste mês na minha coluna. Para começar esse desbravamento do nosso mundo interno, observe se alguma dessas questões já aconteceu com você:

*Sobrecarga de trabalho por aceitar tudo que as pessoas te pedem, muitas vezes deixando suas prioridades de lado para não falar “não”;

*horas extras, muitas vezes sem registro, para poder superar as marcas do mês passado;

*jornada dupla, ou tripla, muitas vezes trabalhando em dois lugares, estudando e ainda cuidando dos filhos e da família;

*cuidados e preocupação com todos à sua volta – ao mesmo tempo que se deixa de lado;

*medo recorrente de perder o emprego, sem nenhum motivo aparente, mas esse medo permeia o seu inconsciente o tempo inteiro te fazendo trabalhar cada vez mais.

Eu poderia trazer mais alguns exemplos, mas a maioria das situações que vivenciamos em relação ao trabalho e ao esforço dobrados são escolhas baseadas na crença de que não somos boas o suficiente – e por isso precisamos sempre nos sobressair de alguma forma.

Eu sei o quanto sofri com isso me sobrecarregando de todas as formas, cursando duas faculdades ao mesmo tempo e ainda trabalhando de tarde para ter dinheiro para a gasolina da moto. Esse é só um exemplo.

É assim em casa, no trabalho, nos relacionamentos, e se não ficarmos atentas estaremos sempre fazendo mais e mais em busca de um pouquinho de reconhecimento externo por não nos enxergarmos como merecedoras.

E por que isso acontece? Desde a infância muitas de nós fomos criadas com as crenças de nossos pais e pessoas próximas, acreditando que deveríamos ser domésticas, faxineiras, e sempre servir aos patrões de alguma forma.

Temos em nosso DNA toda essa herança genética, e muito dessa herança ancestral está ligada ao sofrimento, ao abuso físico e sexual. Vou deixar esse assunto para outro momento porque ele necessita de um carinho especial para que possamos aceitar o nosso momento e nos curar, deixando essas dores para os nossos ancestrais e aprendendo a trazer e a honrar a força deles em nós.

Se acreditamos inconscientemente que o nosso lugar é o servir, mesmo quando conquistamos outro lugar através do nosso esforço, nos sentimos deslocadas. E mesmo que ocupemos cargos menos favorecidos, fazemos tudo com mais esforço e trabalho dobrado porque inconsciente alguma coisa ruim pode estar prestes a acontecer, ou simplesmente não reconhecemos tudo que fazemos, louco isso né?

Para começarmos a trabalhar internamente, vou deixar algumas dicas importantes para vocês:

1- Observe que tipos de pensamentos você tem a seu respeito. Aquilo que falamos escondido para nós mesmas vai se manifestar extremamente nas nossas relações, na forma como lidamos com o nosso trabalho, e certamente com aquilo que aceitamos que façam com a gente.

2- Como você tem se comportado consigo mesma ? Você tem um tempo de qualidade para investir em você mesma, ou acaba fazendo tudo para todo mundo e se coloca em último lugar? Se estiver assim, defina todos os dias uma ação que será em seu benefício exclusivo para começar a se valorizar.

3- Que tipos de emoções tem estado mais presentes na sua vida? Desgaste? Frustração? Sobrecarga? Cansaço? Inferioridade? Todos estes serão sinais para que você comece a se observar, e a tomar a decisão de mudar o que não está mais funcionando para você.

Você merece o melhor dessa vida, minha negra flor. E mesmo que ainda tenhamos que nos esforçar um pouco mais, precisamos aprender a reconhecer o nosso valor, porque do contrário vamos passar a vida inteira nos esforçando, mas sempre com um sentimento de que não é o suficiente.

Isso precisa mudar para que possamos ser felizes de verdade. Lá na Escola de Enfoderamento, você encontra conteúdos e sessões de coaching gratuitas que pode acessar para começar a traçar o rumo que você deseja e merece. E sempre conte com a gente para o que precisar! Qualquer dúvida fique à vontade para me escrever, vai ser um prazer te ajudar!

*Barbara é palestrante, especialista em desenvolvimento pessoal e co-autora do livro Empreendimento de Mulher. Criada na periferia de Belo Horizonte, Barbara enfrentou episódios de racismo em diversos momentos da vida e a perda de um dos filhos ainda bebê. Hoje, ela usa sua história como motivação e através do projeto Arrase Mulher, lidera inciativas em prol de um objetivo comum: Ajudar mais mulheres a descobrirem a versão fodástica que existe dentro delas. 

+ sobre o tema

‘Parem de nos matar’: a violência sexual contra meninas indígenas

O sono de Ana Beatriz, 5, foi interrompido quando...

Rihanna critica marcas que ‘exploram pessoas trans como ferramenta de marketing’

Rihanna criticou o que ela considera uma exploração conveniente de...

Thalma de Freitas se muda para os EUA e desiste de novelas

Quando estava prestes a completar 40 anos, em 2012,...

para lembrar

44% das candidatas negras sofreram violência racial em 2020

Uma pesquisa do Instituto Marielle Franco, que mapeou a violência...

Nasa envia pela primeira vez uma mulher negra americana para estação espacial

A Nasa está enviando pela primeira vez uma astronauta...

Mulheres ganham em média 20,5% menos que homens no Brasil

As mulheres ganham cerca de 20% menos do que...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=