#SerMãeNegra: “Se você fosse branquinha, mais bonitinha, eles cuidariam melhor de você”

Sá Ollebar, criadora do blog “Preta Pariu”, fala sobre a violência obstétrica que sofreu em dois de seus três partos. A frase que dá nome à reportagem, ela ouviu de sua avó, que, infelizmente, sabia do que estava falando

Por Aline Melo com Vanessa Lima, da Revista Crescer

Sá Ollebar conta a história de dois partos nos quais foi violentada (Foto: Reprodução/Instagram)

Três partos. 30 anos. Negra. Sá Ollebar sentiu na pele, física e psicologicamente, o racismo ao dar à luz. Cesárea ou parto normal: a via de nascimento fez pouca diferença no tratamento, recebido no sistema de saúde pública. As más experiências nos dois primeiros partos não deixaram dúvidas de que não pisaria no hospital para ter seu terceiro bebê. A história da criadora do blog Preta Pariu você confere no especial #SerMãeNegra.

Sá considera seu primeiro parto mais tranquilo, por ter sido normal. Mas a palavra “tranquilo” talvez não combine nada com a classificação do acontecimento. “A questão de te cortarem e te rasgarem é uma violência em um grau totalmente físico”, diz. Na época, ela tinha 18 anos e só foi para o hospital quando estava quase parindo, seguindo um conselho da avó, que ela se emociona ao recordar. “Segura. Fica em casa até a bolsa estourar. Quando chegar no médico, você vai sofrer mais, vão te tratar mal, vão judiar de você. Se você fosse branquinha, mais bonitinha, eles iriam cuidar melhor de você”, dizia a avó. Infelizmente, ela sabia do que estava falando.

Continue lendo aqui

+ sobre o tema

Mulheres que atuam no agronegócio representam 40% do segmento

Recente pesquisa realizada pela ABAG (Associação Brasileira do Agronegócio)...

De novo a raça

Os novos resultados obtidos pelas pesquisas sobre as origens...

Autora de ‘Um Defeito de Cor’, Ana Maria Gonçalves fala de adaptação da obra para TV

A autora esteve no II Seminário Internacional Arte, Palavra...

para lembrar

SEPPIR pretende reverter suspensão dos editais do MinC feitos para negros

A SEPPIR-PR (Secretaria de Políticas de Promoção da...

Hub das Pretas promove encontro de mulheres jovens negras em Brasília

Sankofa é um símbolo Adinkra em formato de pássaro...

Como a morte de Marielle afeta as próximas eleições

“Nossa presença na política institucional é a única possibilidade...

A culpa não é dos filhos: é do marido

Uma nova pesquisa realizada na Harvard Business School revela...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=