Sessão solene lança campanha de combate à violência contra a mulher nesta quarta

O Congresso Nacional fará nesta quarta-feira (19) sessão solene para celebrar o lançamento da campanha “16 Dias de Ativismo pelo fim da Violência Contra a Mulher”.  Lançada em 1991, por iniciativa do Centro de Liderança Global de Mulheres (Center for Women’s Global Leadership – CWGL), a campanha promove o debate e denuncia as várias formas de violência contra as mulheres no mundo.

da Redação do Senado

– A gente vê o ato de violência contra a mulher como uma coisa inconcebível, mas infelizmente existe ainda hoje, até por uma questão cultural, que não é fácil de remover do dia para a noite – afirmou o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR).

Para ele, todo cidadão, especialmente o homem público, tem a obrigação de participar do debate desse tipo de tema, e não ficar apenas numa posição de observação ou de elogio.

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) concorda.  Na visão da parlamentar, o Senado pode contribuir muito com a campanha.

– É fundamental que o Congresso Nacional, como um todo, se incorpore nessa campanha, que é mundial. É claro que uma casa legislativa com o peso, com a importância do Senado Federal não podia ficar de fora – disse.

Mobilização

O período escolhido para a mobilização se inicia em 25 de novembro – declarado Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra a Mulher – e termina em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos. Dessa forma, a campanha quer fazer uma vinculação entre a luta pela não violência contra as mulheres e a defesa dos direitos humanos. Hoje, cerca de 150 países participam da iniciativa.

A sessão está marcada para as 10h, no Plenário do Senado.

+ sobre o tema

Ato Solene de 25 De Novembro – Dia Internacional da Não Violência Contra Mulheres

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES A Ministra...

Até quando vai durar esse extermínio ao povo preto, favelado e pobre? – por Sheila Dias

"Não sou livre enquanto outra mulher for prisioneira, mesmo...

Quase 70 travestis e transexuais pediram nome social no Enem

Pela primeira vez, travestis e transexuais podem usar o...

para lembrar

O Feminismo do Futuro

O feminismo do futuro é retinto Tem a cor de...

Resistir ao racismo é resistir à tripla morte: Marielle, presente

Durante muito tempo, eu me neguei a falar publicamente...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=