Sidney Poitier destruiu estereótipos raciais com os papéis que assumiu

Maior astro negro de Hollywood, o ator deu dignidade a seus personagens e deixa agora um legado exemplar

O ícone de Hollywood Sidney Poitier morreu nesta sexta-feira em sua terra natal, as Bahamas. Tinha 94 anos. E se existe alguém na história de Hollywood —e do cinema mundial— responsável por quebrar as barreiras de cor e raça nas telas de cinema, esse alguém é o lendário ator, diretor e ativista Sidney Poitier.

Mas, para além disso, Poitier inaugurou também outro grande paradigma. Tornou-se um dos maiores chamarizes de bilheteria dos anos 1960, estrelando alguns dos vários clássicos do cinema produzidos naquela década.

Com isso, criou um legado cinematográfico distinto ao protagonizar, por exemplo, três filmes icônicos no mesmo ano. No caso, o ano era 1967. A segregação racial ainda prevalecia e o regime do apartheid ainda era institucionalizado em grande parte do território sul-africano. Ainda assim foi ele o maior astro do cinema daquele fatídico ano.

Poitier deu o nome no drama “Adivinhe Quem Vem para Jantar”, em que interpretou um homem negro com uma noiva branca. Em “No Calor da Noite”, ele era Virgil Tibbs, um policial negro que enfrenta o racismo durante uma investigação de assassinato. E, por fim, naquele mesmo ano, ele também interpretou o desafio de ser um professor negro que conquista os corações dos alunos brancos de uma difícil escola de Londres no clássico “Ao Mestre, com Carinho”.

Com isso, Sidney Poitier se tornou, indiscutivelmente, a primeira estrela negra de imensa magnitude a brilhar no firmamento de uma Hollywood ainda nada diversa e, por que não dizer, estruturalmente racista. E, justamente por esse motivo, ele também representou a luta pelos direitos civis. Mas seu legado não para por aí.

Durante plena ebulição da luta pelos direitos civis dos cidadãos afro-americanos nos Estados Unidos, Poitier foi o primeiro ator negro a competir e ganhar um Globo de Ouro, seguido de um Oscar na categoria de ator principal, no ano de 1964, por sua memorável performance no drama “Uma Voz nas Sombras”. Na trama, assumiu o papel de um faz-tudo que ajuda freiras alemãs a construir uma capela no deserto.

Cinco anos antes, Poitier já havia se tornado o primeiro ator negro indicado ao Oscar de ator principal, por seu trabalho em “Acorrentados”. Em 2002, o astro das Bahamas retornaria à cerimônia do Oscar para receber a sua segunda estatueta em vida, dessa vez honorária, por seu legado artístico na indústria cinematográfica. Um legado exemplar que, sem dúvidas, atravessará ainda muitas e muitas gerações.

Poitier era alto e bonitão, com um tom de voz grave, porém sedutoramente suave, e dono de um porte nobre, quase principesco. O ator projetou um ar de dignidade silenciosa em papéis que destruíram os estereótipos raciais, isso há mais de 60 anos.

Não era nem a caricatura do negro engraçado com pouca —ou nenhuma— erudição e tampouco a figura cabisbaixa e subserviente que entrava e saía calada nos cenários de hotéis de luxo vestindo uniforme e carregando as malas dos protagonistas brancos.

Poitier foi a personificação do homem negro culto, bem-sucedido, de classe média. Uma nova visão no ecrã das salas de cinema do mundo que inspirou e motivou não somente afro-americanos, como todos os jovens não brancos do mundo.

Se hoje temos astros negros internacionais de primeiríssima grandeza, do porte de Will Smith, Omar Sy, Idris Elba ou Denzel Washington, isso se deve a Sidney Poitier, o pioneiro de todos eles. Foi ele o responsável por pavimentar o árduo e solitário caminho por onde esses astros hoje caminham com graça e muito mais leveza.

Seus outros filmes clássicos da época incluem “Quando Só o Coração Vê”, de 1965, no qual seu personagem faz amizade com uma garota cega e branca; “Sementes de Violência”, de 1955, e “O Sol Tornará a Brilhar”, de 1961, trama que Poitier também apresentou posteriormente nos palcos da Broadway.

Nascido em Miami em 20 de fevereiro de 1927, Poitier foi criado em uma fazenda de tomates nas Bahamas e teve apenas um ano de estudos formais. Ele lutou contra a pobreza, o analfabetismo e o preconceito para se tornar um dos primeiros atores negros a ser conhecido e aceito em papéis importantes e de protagonismo pelo público.

Poitier escolheu seus papéis com cuidado, negando várias ofertas e enterrando a velha ideia de Hollywood de que atores negros só podiam aparecer em contextos degradantes, como engraxates, maquinistas ou empregadas domésticas. “Eu te amo, eu te respeito, eu te imito”, Denzel Washington, outro vencedor do Oscar, disse certa vez a Poitier em uma cerimônia pública.

Evoé ao mestre. Com carinho. Digo eu.

+ sobre o tema

Chael Sonnen lutou dopado contra Anderson Silva

Foto UFC O americano versado...

Hamilton é advertido por incidente com Bruno Senna nos boxes

Mais rápido do primeiro dia de treinos para...

Seminário aborda discriminação

A UEFA junta-se às federações holandesa e inglesa...

Provei que não sou marginal, desabafa Felipe após título carioca

Mesmo sem defender pênalti, goleiro do Flamengo se sentiu...

para lembrar

Mostra destaca a contribuição de Zózimo Bulbul para a cultura negra

O ator e cineasta Zózimo Bulbul, que morreu em...

Compositora e agora roteirista: Beyoncé vai escrever e protagonizar filme sobre escravidão

Beyoncé já estrelou uma série de longa-metragens no passado – Dreamgirls, Obsessiva –...

Mundo Deserto de Almas Negras – Trailer oficial

Mundo Deserto de Almas Negras - Trailer oficial Em uma...
spot_imgspot_img

Profissionais negros reinventam suas carreiras na TV e avaliam a importância da discussão racial

No Dia da Consciência Negra, o gshow conversou com artistas que compartilham a jornada que é ser um profissional preto na teledramaturgia. Entre eles, atores, atrizes e...

Michael Jordan escolheu Viola Davis para interpretar sua mãe em ‘Air: a história por trás do logo’

"Air: a história por trás do logo" chega hoje aos cinemas contando a história da parceria entre Nike e Michael Jordan que resultou na...

Em novo livro, ator e escritor Lázaro Ramos fala sobre a conexão do afeto

Lázaro Ramos não sabia ao certo para quem estava escrevendo quando começou a narrar as peripécias de Carrinho em Você não é invisível. A filha...
-+=