“Sim, nós podemos”: o maior legado dos oito anos de Obama. Por Marcos Sacramento

Faltam poucos dias para o fim da era Obama. Lembro o quanto fiquei empolgado ao conhecer o então senador em 2007, por meio de um vídeo da convenção Democrata daquele ano postado no Youtube.

Para mim, ver um negro com possibilidades concretas de comandar a maior potência mundial foi um alento no cenário onde os espaços privilegiados eram dominados por brancos. Embora naquele tempo eu fosse leigo em questões raciais, me incomodava a escassa presença negra em postos de destaque que não fossem no esporte ou na cultura pop.

A eleição de Obama, no ano seguinte, deu o seguinte recado ao negros e negras dos Estados Unidos e de países como o Brasil, onde somos uma minoria apesar sermos a maior parcela da população: “Sim, nós podemos”.

Este simbolismo inquestionável não poupou os dois mandatos de Obama das críticas de parte da comunidade negra. Muitos acusam os poucos avanços no sentido de diminuir a ainda persistente discriminação racial nos EUA e a excessiva suavidade discursiva ao se manifestar a respeito da epidemia de assassinatos de jovens negros pela polícia.

Fora do âmbito racial, a conduta política do Nobel da Paz de 2009 também foi alvo de questionamentos, mesmo com a inclusão de 20 milhões de pessoas a serviços de saúde por meio do Obamacare.

As atividades de espionagem da NSA, inclusive no Brasil, as vítimas civis dos ataques de drones, o apoio a Israel no massacre contra Palestinos, a severa pena imposta a Chelsea Manning, a perseguição a Edward Snowden e o apoio a insurgências que desmantelaram a Líbia e a Síria estão entre os esqueletos nem um pouco escondidos no armário do Obama.

É preciso, contudo, prestar atenção em duas coisas.

Obama poderia ter tentado fazer mais pelos negros americanos, mas ele não foi um monarca com plenos poderes e precisou negociar com um Congresso majoritariamente branco para governar. Nem o otimismo da Amelie Poulain permite acreditar em mudanças radicais para o povo preto vindas desse parlamento.

A outra questão a levar em consideração é que apesar do carisma e da mística de ser o primeiro negro na Casa Branca, ele foi eleito para defender os interesses dos EUA e dos vários grupos de pressão que o ajudaram a chegar ao poder.

Infelizmente, a agenda do Tio Sam nunca agradou e jamais agradará a todos. Para quem achou que Obama seria um super-herói a serviço da paz mundial e união de todos os povos, recomendo uma temporada da série House of Cards.

Essas limitações e contradições não diminuem a importância da presença inspiradora dos Obama na Casa Branca.

Quantos jovens e crianças negras passaram a acreditar nos próprios sonhos depois de ver um semelhante à frente do cargo mais importante do planeta? Quantas meninas ficaram com mais autoestima ao se ver nas irmãs Sasha e Malia Obama?

Impossível saber, mas certamente são muitas. Assim como os ícones Rosa Parks e Martin Luther abriram caminho para uma geração de líderes, Obama quebrou uma barreira que muitos pensavam ser inexpugnável e assentou mais um degrau para que as próxima lideranças negras continuem na caminhada rumo à igualdade.

Marcos Sacramento, capixaba de Vitória, é jornalista. Goleiro mediano no tempo da faculdade, só piorou desde então. Orgulha-se de não saber bater pandeiro nem palmas para programas de TV ruins.

+ sobre o tema

Brancos, vamos falar de cotas no serviço público?

Em junho expira o prazo da lei de cotas nos...

Em junho, Djavan fará sua estreia na Praia de Copacabana em show gratuito

O projeto TIM Music Rio, um dos mais conhecidos...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

Estado Brasileiro implementa políticas raciais há muito tempo

Neste momento, está em tramitação no Senado Federal o...

para lembrar

EUA precisam analisar seu papel em regimes autoritários na América Latina,diz Obama

O presidente norte-americano, Barack Obama, disse, durante ato de...

Artigo critica posts racistas ligados ao ebola

Texto publicado pelo Diário do Centro do Mundo reproduz...

A reprodução das desigualdades de gênero e raça nos contos de fadas

O presente artigo visa trazer alguns elementos para discussão...

Dexter: “De um tempo para cá, o racismo já não é mais velado no Brasil”

Rapper, que prepara lançamento de novo álbum, afirma em entrevista...
spot_imgspot_img

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por África no coração dos africanos do solo ancestral e na diáspora. Trata-se de uma atitude...

De mal a pior

Todo ano a mesma chuva. Certas como a morte — não raro, trazendo-a — são as tempestades de verão no Rio de Janeiro. E,...

Retrospectiva Negra de 2023

Começamos o ano de 2023 recuperando a esperança em avanços na área de direitos humanos. Depois de quatro anos de conservadorismo opressor, negacionismo científico,...
-+=