Simone Biles, a ginasta impossível

Tetracampeã mundial introduz duas acrobacias incríveis para voltar a se sagrar, pela sexta vez, a melhor dos EUA, já com um olho em Tóquio-2020 e outro na história

Por AMAYA IRÍBAR GONZÁLEZ, do El País 

Foto: Getty Images/ Jamie Squire, Collage: ze.tt

Para Simone Biles, a melhor ginasta do mundo — e talvez da história —, não basta ganhar tudo. Vence quase sem se despentear desde que irrompeu em 2013 no cenário internacional, sagrando-se campeã mundial. Nada resiste a ela desde então, nem seu país, os Estados Unidos, nem fora dele. Ganhou quatro vezes o Mundial (saltou o de 2017 porque fez uma merecida pausa depois da Olimpíada), foi a rainha indiscutível do Rio-2016 e, desde domingo, é a primeira ginasta a somar seis títulos nacionais nos EUA na ginástica moderna.

Mas Biles sempre quer mais, e desde que voltou a competir, no ano passado, parece empenhada em complicar seu programa ao infinito, com mortais impossíveis para qualquer rival e difíceis até de imaginar. No Kansas, onde foi disputado o Campeonato dos EUA no último fim de semana, fez isso duplamente: com um triplo-duplo no solo e um duplo-duplo de saída na barra de equilíbrio, duas acrobacias que ninguém tinha realizado antes.

Os vídeos dos treinos no seu ginásio de Spring (Texas) já vinham dando a dica. A explosiva Biles havia enfiado um giro a mais numa das séries mais complicadas para as mulheres no solo, o duplo mortal com dupla pirueta, que ela dominava com facilidade. Mas foi no primeiro dia de competição no Kansas que a ginasta o fez pela primeira vez perante o público e os juízes, o primeiro passo para que o elemento entre no código de pontuação. E falhou. Saiu ricocheteando do salto mortal e pôs as mãos no chão ao aterrissar. Biles, que além de ser um portento físico não tem papas na língua, declarou-se furiosa depois da competição. No domingo, no último dia de competição, redimiu-se: completou a acrobacia sem problemas (embora com a ajuda de um colchonete extra) e voltou a sorrir.

Leia a matéria completa 

+ sobre o tema

Primeira negra a ganhar ouro olímpico, Alice Coachman morre aos 90 anos

Americana conquistou medalha no salto em altura nas Olimpíadas...

Federação Russa de Atletismo quer naturalizar atletas africanos para melhorar resultados

O presidente da Federação Russa de Atletismo, Valentin Balakhnichev,...

Entrevista a María Lamadrid

Por Viviana Marcela Iriart De acuerdo con...

para lembrar

Iveth MC moçambicana

  Iveth ou simplesmente Veth, MC moçambicana conhecida por ser...

Ocupação Artística Canhoba recebe o evento “Quebrava Viva Móvel” com o Coletivo Noroest

Coletivo Noroest celebra a cultura do hip-hop com evento...

Assombrando o mainstream

Liderada pelo rapper Emicida, gravadora Laboratório Fantasma quer se...

Recessão aumentou abismo econômico entre brancos e negros nos EUA

WASHINGTON - Milhões de americanos perderam riqueza desde...
spot_imgspot_img

‘Bad Boys 5’ já está sendo discutido, afirma produtor

‘Bad Boys: Até o Fim‘ estreou há apenas uma semana, mas um 5ª filme para a franquia estrelada por Will Smith e Martin Lawrence já está sendo discutido. A...

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...

Diaspóricas 2: filme revela mundo futurista a partir do olhar de mulheres negras

Recém-lançado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em Goiás, no último dia 13 de junho, o filme “Diaspóricas 2” traz o protagonismo negro feminino e brasileiro...
-+=