Síndrome do impostor: por que tantas mulheres de sucesso se sentem uma fraude?

Devemos nos questionar sempre o quanto o preconceito de gênero afeta o desenvolvimento da carreira

Marina Brandão *, do CIO 
Foto: Shutterstock Images

Vivemos num mundo de muita desigualdade de gênero, marcado pelo machismo e preconceito. Pouco a pouco, o mercado de trabalho está se transformando para alcançar mais igualdade e diversidade dentro das empresas. Mas, a verdade é que temos um longo caminho a ser trilhado e as consequências dessa segregação causam inseguranças profundas, fazendo muitos profissionais duvidarem de suas capacidades e conquistas.

A síndrome do impostor é um distúrbio psicológico no qual a pessoa desconfia de suas próprias competências e não consegue aceitar e admitir suas conquistas. Descrita pela primeira vez em 1978, pelas psicólogas norte-americanas Pauline Clance e Suzanne Imes, ambas pesquisadoras da Universidade Estadual da Georgia, o trabalho é resultado de cinco anos de pesquisas com 150 mulheres altamente bem-sucedidas. Hoje, sabemos que a síndrome não é um “privilegio” do mundo feminino, mas o contexto de preconceito que a mulher vive no mercado de trabalho explica, e muito, sobre o porquê da desordem ter sido descoberta na observação de profissionais mulheres.

Se pararmos para analisar o mercado de tecnologia, iremos perceber como um ambiente tóxico faz as profissionais duvidarem de suas capacidades. Sem a inteligência e o trabalho de mulheres, a tecnologia e a internet como conhecemos hoje, não existiriam. O primeiro algoritmo da história foi desenvolvido por uma mulher, chamada Ada Lovelace. O protocolo STP, um procedimento que auxilia na melhor performance da rede, é invenção de outra mulher, Radia Perlman.

Ainda que o papel das mulheres seja de extrema relevância para o desenvolvimento desse setor, nossa sociedade insiste em afastá-las das áreas de tecnologia. Segundo dados apresentados no evento Women in Tech, realizado em 2017, na cidade de São Paulo, pela CA Technologies, 74% das meninas demonstram interesse pelas áreas de STEM (sigla em inglês para ciência, tecnologia, engenharia e matemática), mas só 0,4% delas escolhem estudar ciências da computação. O número de cursos de computação cresceu 586% no Brasil nos últimos 24 anos, enquanto o índice de mulheres matriculadas neles caiu de 34,89% para 15,53%.

A baixa representatividade feminina no mercado de TI, infelizmente, é uma consequência residual do preconceito vivido pela mulher na sociedade. Ainda vivemos em uma sociedade que diferencia tratamentos na criação de meninos e meninas, impondo condutas diferentes para cada gênero. Os estereótipos sociais nos colocam em caixinhas e, em algum momento, a tecnologia entrou na caixinha dos homens, possivelmente porque a computação nasce muito relacionada com a matemática, outra característica “tida como masculina”.

Mesmo tendo que conviver desde a infância com a constante provação de suas capacidades, é no banco das universidades que o preconceito de gênero deixa claro que “tecnologia não é lugar para mulheres”. De acordo com o INEP/MEC, as mulheres representam apenas 15% do corpo discente nos cursos relacionados à computação. Constantemente atacadas por colegas, e até mesmo por professores, as mulheres sofrem preconceito e poucas alunas chegam a concluir o ensino superior na área. Outra pesquisa indica ainda que 79% das alunas dos cursos relacionados à TI desistem já no primeiro ano.

Diante de tantos obstáculos e precisando provar constantemente suas competências, não é de se admirar que elas cheguem ao mercado de trabalho inseguras quanto ao que são capazes de realizar. É nesse cenário que a síndrome do impostor se instaura na carreira. Sem confiar na capacidade que tem, a pessoa acredita ser uma fraude, comumente atribuindo seu sucesso à sorte que teve ou à ajuda que recebeu de outras pessoas.

No caso da pesquisa realizada em 1978, e citada no início do texto, as 150 participantes eram de áreas diversas, detentoras de títulos de doutorado, profissionais ou estudantes reconhecidas pelo bom desempenho acadêmico. Apesar das notas máximas, títulos e prêmios recebidos, essas mulheres não se consideram inteligentes ou capazes. Na verdade, de acordo com o estudo, elas acreditavam que todo o sucesso é fruto do acaso, da sorte ou de algum erro no processo.

A insegurança é fruto de um ambiente social opressor. O primeiro passo para mudarmos esse quadro é empoderar as meninas, devolvendo a elas o protagonismo de suas carreiras e incentivando que comemorem suas vitórias. Pode parecer pouco, mas dar apoio, elogiar bons resultados, dar feedback sobre pontos de melhoria e reconhecer o mérito, são grandes propulsores para fortalecer a confiança de nossas profissionais e isso, reforço, precisa vir da educação de base.

Ações de longo prazo, que reconheçam a desigualdade de gênero e o machismo são indispensáveis. Mas, mais importante ainda, é fortalecermos a sororidade, termo que significa a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo. Precisamos, de maneira urgente, desconstruir a ideia de que mulheres são inimigas. A partir disso, criar redes de apoio e incentivar que as meninas, desde cedo, troquem ideias entre si para que elas se fortaleçam no mercado.

Já existem algumas iniciativas que dão força a essa ideia de rede de apoio, como por exemplo, o programa Meninas Digitais. Um projeto da Sociedade Brasileira de Computação (SBC) que tem como objetivo acentuar a inclusão e fomento de mulheres na área de tecnologia da informação. Ainda no mercado de TI, existe o Reprograma.com.br, que busca empoderar e ensinar mulheres por meio de conhecimentos de computação e ferramentas de capacitação profissional. É nosso dever participar e dar força aos movimentos que já existem com o fundamento de aumentar a representatividade das mulheres em todos os setores.

Ainda não é possível dizer quando e se seremos capazes de diminuir o preconceito, mas é nosso dever, enquanto sociedade, lutar para criar ambientes de trabalho menos agressivos para com as mulheres. Enquanto recrutadora, espero ver muitas profissionais sendo protagonistas de suas carreiras, assumindo e se orgulhando de suas conquistas. Nos vemos por aí, desbravando as antigas e novas áreas de tecnologia que surgem todos os dias e aumentando a nossa voz como mulheres e ótimas profissionais que sabemos que somos.

(*) Marina Brandão é headhunter da Yoctoo e tem mais de 7 anos de experiência no recrutamento e seleção para as áreas técnicas. Formada em Administração de Empresas e é pós-graduada em Gestão de Pessoas e Negócios

+ sobre o tema

A mulher e a dificuldade em denunciar…

A mulher ao longo de muitos anos, foi considerada...

Morre jovem homossexual espancado no Rio Vermelho

Morreu na manhã desta segunda-feira (11), o estudante Leonardo...

contra a mulher não é só física, afirma delegada

Vítimas também sofrem agressão psicológica de seus parceiros Por Maira Mendonça...

Onde andará a boa e velha liberdade?

Sempre, sempre, sempre que a gente falava nela, tinha...

para lembrar

Ato na Jamaica para manter lei que proíbe relação homossexual reúne 25 mil pessoas

Protesto teve participação de diversos líderes religiosos e ocorre...

Festival Latinidades celebra mulher negra latino-americana

Considerado o maior festival de mulheres negras da América...

Pesquisa do IBGE mostra queda no número de empregados domésticos

Com a oferta de emprego em alta, muitas domésticas...

Lucy Ramos fala sobre casamento e filhos: ‘Queria ter logo gêmeos’

Aos 32 anos, atriz de ‘I Love Paraisópolis’ fala...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=