Sobre talentos e celebridades que apenas a morte santifica

Fonte: O Tempo

por: Fátima de Oliveira

Pense numa pessoa de sorte! É o patriarca José Sarney. Ô, bicho que tem poder! Tem Lula aos seus pés. Não é sorte, é po-der! Mas vai ficar devendo mesmo é a Michael Jackson… São tantos os assuntos instigantes na última semana que não consigo escolher sobre qual palpitar… Se o mais sensato é “passar”, ou seguir o provérbio: “Ao falar, procura que tuas palavras sejam melhores que o silêncio”.

Prometi ao meu eu profundo não falar sobre Michael Jackson, de quem a rigor nunca fui fã. Talvez por ignorância musical pop; por não entender sua arte, o talento e o encanto que fluíam de suas performances. Não resisti. A overdose midiática da morte do pop star empanou a gripe suína, a doença da presidenciável Dilma e o mangue do Senado, onde Sarney está pulando mais do que cancão de fogo. Bendita morte para muita gente!

Até para o morto, que auferiu os benefícios da voz do povo: “todo morto vira santo”; ou a “morte santifica as pessoas”. “Quer virar santo? Então morra!” É que “morreu o bicho, acabou-se a peçonha”. Fazer o que, não é? “Os mortos não voltam mais.” Então, descanse em paz, Peter Pan!

Especula-se que Michael Jackson era portador de lúpus, de vitiligo, que usou hidroquinona para embranquecer… Virou dependente químico (morfina e demerol), hipocondríaco e cheio de excentricidades só explicáveis pela psiquiatria. Narcisista, exibia exuberante quadro psiquiátrico: dismorfia corporal – distorção da imagem pessoal. Há coisas misteriosas sobre a saúde dele que só o dr. Conrad Robert Murray, cardiologista, seu médico pessoal, poderá tornar públicas, caso queira. Muitas coisas ele jamais dirá, pois estão sob o manto do segredo médico.

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR É: QUAL A DIMENSÃO DO TRIBUTO QUE ELE PAGOU AO RACISMO?

Michael Jackson é astro de primeira grandeza, inovador, criativo e multifacetado (poeta, compositor, cantor, dançarino e produtor), um ícone que construiu um legado musical primoroso – um talento que se desmilinguiu na esteira das acusações de pedofilia, das quais se livrou legalmente, mas moralmente não. Uma acusação de pedofilia é uma mancha moral indelével. Deixa para sempre a dúvida no ar, do tipo: “Onde há fumaça, há fogo”.

Falam que fugia de sua negritude e que não assumiu sua homossexualidade – especulações que não sabemos o quanto de verdade encerram. A pergunta que não quer calar é: qual a dimensão do tributo que ele pagou ao racismo? Sua música tem raízes negras, deu status ao break, idealizou o “We are the world” – solidariedade pop à África (1985). Sabe-se por quê? A sua Heal the World Foundation (1992) doou milhões de dólares para crianças vulneráveis por causa de guerras e doenças no mundo.

Suas relações com as mulheres foram curtas e confusas. Pelo menos quanto ao que é público dos dois casamentos. A mãe do seu caçula é uma incógnita até agora (uma suposta barriga de aluguel?). E a posse sobre os três filhos revela uma forma obsessiva de paternidade. Intuo, não sei, que a vida sempre foi um fardo pesado demais para ele. A morte precoce abreviou o seu sofrer.

Disse que apanhava muito do pai na infância. A cantora La Toya, sua irmã, declarou que o pai, Joseph Jackson, abusava sexualmente dos filhos, até dela. A partir de uma psiquiatria de botequim, poderíamos dizer que o rancho Neverland (Terra do Nunca) é uma imagem da infância que ele não teve, pois já era profissional da música aos cinco anos de idade (Jackson Five). Sobre o rancho, ele declarou: “Eu queria ter um lugar onde eu pudesse criar tudo o que eu nunca tive na minha infância”. Merece ser enterrado lá.

Matéria original: Sobre talentos e celebridades que apenas a morte santifica

+ sobre o tema

Minha Casa, Minha Vida: Governo amplia limite de renda para compra da casa própria

Rendimento mensal máximo sobe de R$ 4.900 para R$...

Sobre leite, achocolatado, bananas e vitamina por Marcos Rezende

Antes de eu saber que era meramente comercial,...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

Candidaturas coletivas podem acabar já em 2024; a quem isso interessa?

As candidaturas coletivas podem deixar de existir já a...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

O que é farsa por Bob Fernandes

Mídia acusa, condena e esconde fatos e personagens como...

Racismo institucional e ensino da cultura africana são debatidos entre governo e movimento negro

 A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira (19),...

Prefeito de cidade mineira proíbe funk e rap no carnaval

Decisão foi tomada com apoio da Polícia Militar e...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=