Sobrevivi a R. Kelly e a violência contra mulheres negras

Ser mulher negra é enfrentar a luta cotidiana, tentar sobreviver e seguir mais adiante.  A dor não vai passar, mas a mulher negra se levanta generosamente para lutar de forma que outras não experimentem o que ela viveu.

− Jurema Werneck

Por Ricardo Corrêa, enviado para o Portal Geledés 

R. Kelly  (Imagem: Lifetime/Divulgação)

Está disponível no catálogo da Netflix a série documental Sobrevivi a R. Kelly (2019) abordando histórias de mulheres negras que acusam o rapper afro-americano R. Kelly, atualmente preso¹, de crimes de abuso sexual e psicológico. A série é dividida em seis episódios, e confesso que durante a exibição fui acometido por vários sentimentos. No primeiro momento, decepção, já que na adolescência as músicas do artista embalaram muitos bailes de black music que eu freqüentava. Depois, revolta e indignação, ao refletir sobre as condições das mulheres negras que são vítimas de inúmeros casos de violências, sendo que se repetem sob a sombra da impunidade e invisibilidade. Até recordei da infância, quando presenciava minha mãe, mulher negra e periférica, sofrendo nas mãos de seu ex-companheiro.

Todos sabem que muitas mulheres não denunciam, ou não abrem mão da relação abusiva, devido a inúmeras razões: natureza psicológica, embaraços familiares, ausência de proteção do Estado, imagem perante a sociedade, condições econômicas etc. Essas dimensões facilitam com que o predador continue a violentá-las, mas podem existir outras razões. A manutenção do sofrimento surge de contextos diversos, e, como homem negro, dotado de um olhar externo, escapa-me maior profundidade na observação da vivência das mulheres negras. Nesse sentido, acrescento a crítica do escritor Benjamim Barber, citada pela intelectual afro-americana bell hooks (2015) 

   O sofrimento não é necessariamente uma experiência fixa e universal que possa ser medida com uma régua única: está relacionado a situações, necessidades e aspirações. Mas deve haver alguns parâmetros históricos e políticos para o uso do termo, para que possam ser estabelecidas prioridades políticas e se possa dar mais atenção a diferentes formas e graus de sofrimento.

 

Com relatos comoventes e dolorosos, no documentário, as consideradas “sobreviventes” denunciam R. Kelly  por agressões físicas, abusos sexuais e torturas psicológicas. Até as composições do artista dialogavam com essa realidade sórdida, numa aparente certeza de impunidade. Algumas dessas sobreviventes começaram a ter relações com R. Kelly quando eram menores de idade e as denúncias contra o artista surgem há duas décadas.

É inacreditável que diante de tantas evidências, R. Kelly escapava de qualquer tipo de punição e continuava fazendo sucesso entre milhares de pessoas. Até compreendo a existência de componentes na subjetividade que dissociam a obra do artista, o capitalismo intrínseco ao mercado fonográfico e a classe artística que pretendia potencializar a fama junto à imagem do artista. Mas, nada disso pode justificar o silêncio diante de graves acusações. Kimberlé Crenshaw, acadêmica e feminista negra interseccional, comentou que “a indústria da música agora está sendo chamada para corrigir um erro interseccional − para reverter seu aparente desrespeito às mulheres e meninas negras.” Por outro lado, acredito que a morosidade da justiça para julgá-lo decorre da raça das mulheres vitimadas, suponho que se fossem mulheres brancas o desenrolar dos processos seria diferente e, possivelmente, o artista não teria ampliado o rol de vítimas.

Sobrevivi a R. Kelly acende um alerta que chacoalha a humanidade de cada um que assiste, principalmente, nós, homens negros, questionando até quando alguns do nosso grupo continuará fazendo parte na violência contra as  mulheres negras; ademais, sofremos racismo igualmente, mas a condição de gênero, ao cruzar com a raça, coloca essas mulheres em patamar de sujeição. Combater os predadores é um dever de todos. O silêncio é cumplicidade. E a luta será necessária, em todos os aspectos sociais, enquanto o discurso de Malcolm X (1962) continuar sendo a leitura exata da realidade “A mulher mais desrespeitada na América é a mulher negra. A pessoa mais desprotegida na América é a mulher negra. A pessoa mais negligenciada na América é a mulher negra”.

 Julgamento do cantor R. Kelly  por abuso sexual é adiado para julho

¹Disponível em: <https://f5.folha.uol.com.br/celebridades/2020/02/julgamento-do-cantor-r-kelly-por-abuso-sexual-e-adiado-para-julho.shtml>. Acesso em: 11 abr.2020


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

HOOKS, Bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. In Rev. Bras. Ciênc. Polít. 2015, n.16 pp. 193-210. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci _arttext&pid=S0103-33522015000200193>. Acesso em: 10 abr. 2020
NETFLIX. Sobrevivi a R. Kelly. Disponível em: <https://www.netflix.com/br/title/81069393>. Acesso em: 12 abr. 2020
WERNECK, Jurema. O racismo nosso de cada dia e a situação da mulher negra brasileira. Disponível em: <https://www.huffpostbrasil.com/jurema-werneck/o-racismo-nosso-de-cada-dia-e-a-situacao-da-mulher-negra- brasile_a_21905772/?utm _hp_ref=br-homepage&guccounter=1>.  Acesso em: 12 abr. 2020

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Brizola e os avanços que o Brasil jogou fora

A efeméride das seis décadas do golpe que impôs...

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba...

Saiba os horários das provas do Concurso Nacional Unificado

Os mais de 2,5 milhões de candidatos inscritos no...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul...

para lembrar

Câmara aprova registro de violência contra a mulher em prontuário médico

Os deputados aprovaram hoje (20) projeto de lei que...

Lutador Ronny Jason é suspeito de agredir a irmã com socos e chutes, diz polícia

Irmã do lutador não registrou boletim de ocorrência, mas...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial chocantes e sua não punição, como nos recentes casos de abuso...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial  e  não punição, como nos recentes casos de abuso de poder...
-+=