“Somos índios, resistimos há 500 anos. Fico preocupado é se os brancos vão resistir”

Há 30 anos, em plena Assembleia Constituinte, pintou o rosto de negro, declarou guerra aos políticos brasileiros e venceu. Ailton Krenak tem agora 65 anos, já viu muito e o que não viu, recorda-se, numa memória que lhe foi legada pelos antepassados. Líder indígena, assume-se e ao seu povo como sobreviventes de um genocídio. Mas teme pelo futuro dos brancos, aqueles que nunca aprenderam a pisar com leveza a “Mãe Terra” e que por isso poderão acabar “enterrados no próprio vómito”

Por Christiana Martins, no Expresso

Foto: Adriana Moura/Divulgação

Quando uma criança krenak nasce, não vai para a creche, fica com a mãe, as avós e as tias. Partilham um quotidiano e um modo de estar na vida. As crianças indígenas não são educadas, mas orientadas. Não aprendem a ser vencedores, porque, para uns vencerem, outros têm de perder. Aprendem a partilhar o lugar onde vivem e o que têm para comer. Têm o exemplo de uma vida onde o indivíduo conta menos do que o coletivo. Este é o mistério indígena, um legado que passa de geração para geração. Ailton carrega no apelido a pertença à sua gente, o povo krenak. E a sua memória mais antiga é muito simples: “Eu não sei viver sozinho.”

Esteve esta semana em Portugal para participar no Fórum Internacional de Festivais de Cinema de Ambiente, em Seia, onde realizadores de mais de 30 países estiveram reunidos e demonstraram preocupação com o rumo político do Brasil e as consequências das eleições presidenciais na preservação da floresta amazónica. Antes de regressar a casa, Ailton Krenak conversou com o Expresso.

Continue lendo aqui

+ sobre o tema

Petrobras divulga edital de concurso com mais de mil vagas e salários de até R$8 mil

No total, serão ofertadas 100 vagas para preenchimento imediato...

O aborto e as conversas na sacristia

Habituados a agir como partidos políticos, os jornais já...

‘Ô meu Deus, onde vim parar’

À espera de documentos, cerca de 1,300 imigrantes...

Estudo no RJ mostra que maioria da população de rua não bebe nem usa drogas

Pesquisa constata ação equivocada de agentes da prefeitura, com...

para lembrar

USP tem 4 suicídios em 2 meses e cria escritório de saúde mental para alunos

Universidade implantará ferramenta unificada de assistência psicológica por Bianka Vieira no...

Acordo prevê ampliar acervo de objetos de religiões afro-brasileiras

O ministro dos Direitos Humanos e Cidadania, Silvio Almeida,...

Serviço de saúde britânico recomenda que gestantes de baixo risco evitem parto em hospitais

Carolina de Assis Novas diretrizes do governo da Grã-Bretanha publicadas...
spot_imgspot_img

Registros de ansiedade entre crianças e jovens superam os de adultos pela 1ª vez no Brasil

Pela primeira vez na história, os registros de ansiedade entre crianças e jovens superam os de adultos, mostra análise da Folha a partir da Rede de Atenção Psicossocial...

Levantamento aponta crescimento da população de rua em São Paulo

Levantamento do Observatório Brasileiro de Políticas Públicas com a População em Situação de Rua revela aumento do número de pessoas vivendo nestas condições na...

Proposta de Geledés para empoderamento da mulher negra é retomada na ONU

Geledés - Instituto da Mulher Negra, em fala conjunta com as organizações Coalizão Negra por Direitos, Criola e Coletivo Danêji, conseguiu obter bons resultados...
-+=