SOS Racismo denuncia discriminação racial em grandes empresas da França

Fonte: AFP –

 

PARIS, França — A organização SOS Racismo denunciou nesta quarta-feira na França a discriminação racial por parte de grandes empresas que contratam ou registram seus funcionários de acordo com sua origem étnica.

 

Em um relatório entitulado “O registro étnico-racial: uma ferramenta de discriminação”, entregue ao governo francês, a ONG critica a “falta de colaboração” das autoridades, às quais pediu “um reforço da luta contra o crime de registro étnico-racial para combater as práticas discriminatórias”.

 

“As autoridades se mostraram pouco dispostas a colaborar com a SOS Racismo e a dar uma resposta repressiva às práticas denunciadas”, afirma o documento, que cita os casos da Eurodisney, da montadora Nissan Europa e da companhia aérea Air France.

 

A organização denuncia que a Eurodisney estabelece fichas de caráter étnico-racial para selecionar futuros empregados e que funcionários da empresa Adecco (que presta serviços de manutenção para a Eurodisney) informaram que os trabalhadores do parque de diversões são classificados por origem: “África fora do Magreb”, “África Magreb”, “Antilhas” ou “Europa (oeste)”.

 

“Para a Disney, a maioria da clientela é europeia e por isso a maior parte dos funcionários devem ser europeus”, escreve a SOS Racismo.

Um oficial de justiça foi ao parque para investigar a denúncia das fichas.

 

“O oficial constatou que não temos nenhum documento com esta informação”, indica à AFP a direção da Eurodisney. “Todos os elementos requeridos foram comunicados. Não temos nada a esconder”.

 

A organização denuncia também a montadora japonesa Nissan (associada à francesa Renault), que em seu site pede àqueles que desejam se candidatar a uma vaga que informem seu país de origem (“African, Asian, Carribean, European, Latin…”).

 

Sobre a Air France, a ONG conta que, em 2008, o sindicato CFDT acusou a companhia de praticar uma “tipologia racial” de empregados para “voos especiais e eventos excepcionais”.

 

Na França, o registro étnico-racial é ilegal desde 1987. Quem infringir a lei pode ser condenado a até cinco anos de cadeia ou ao pagamento de 1,5 milhão de euros, no caso de empresas.

Matéria original

+ sobre o tema

Paim anuncia lançamento da campanha Outubro Rosa, contra o câncer de mama

Em discurso no Plenário nesta terça-feira (4), o senador...

Brasil oferece poucas políticas sociais para refugiados, dizem especialistas

Paula Resende Serviços deficientes dificultam o processo de integração...

Baixa representatividade negra na mídia gera menos oportunidades de trabalho e alimenta o preconceito racial

  Meios de comunicação do país ainda não incorporaram negros...

Bayer abre trainee para profissionais negros e com salário de R$ 6,9 mil

A Bayer, empresa química e farmacêutica alemã, abre nesta-sexta-feira,...

para lembrar

Redução da maioridade penal por causa de estupros? Balela

Esse povo não está nem aí para “mulheres estupradas”....

Comunicação deve ser área estratégica para governo Dilma

Por: Bia Barbosa   Em seminário em Brasília, organizado para discutir...

A comunicação como instrumento de transformação

A convicção de que a comunicação deve estar no...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=