Sozinha eu ando bem, mas com você ando melhor

Mulheres negras e um ilá

Vozes que por vezes ecoou secretamente

Vozes que por vezes ecoou no cochilo da negação

Em tempos de agora

A voz que não se cala

Estende-se ao corpo que também fala

Traz uma geração inteira

Atravessa vários muros e mundos

É o ilá de quem não dorme

******************

Conexões para os Futuros Feministas. Por Emanuelle Goes

A interseccionalidade como ferramenta, este é o primeiro passo para os Futuros Feministas.

Suas dimensões foi a experiência vivida no Fórum AWID, as diversidades de mulheres e suas demandas, assim como as formas e estratégias de lutas foi o maior aprendizado e de quanto estamos conectadas pelas lutas e pela ancestralidade.

Muitas águas corriam nos espaços do Fórum Awid, a ancestralidade se fazia presente, na luta, na resistência e na dança, daí entendi que “A minha ancestralidade dança na revolução”.

A ancestralidade feminina é feminista e nos abarca em todas as nossas diferenças e interseccionalidades, quando vejo o mundo só encontro esse caminho para a realização de sonhos de um mundo menos desigual, livre de todas as formas de opressão, no entendimento que somos diversas com singularidades da corporeidade e do lugar.

Pois é isso para que vejamos o ser humano na sua dimensão integral é preciso ver primeiro o que compõe aquele corpo, Kimberlé Crenshaw diz que a interseccionalidade não é uma visão holística de identidades, mas uma visão das múltiplas fontes de identidade quando se pensa sobre a construção da esfera social e política.

Me abrigo nos braços de minha irmã (Sisterhood) – Para nós, por nós e entre nós

Jurema Werneck no encerramento do Fórum nos apresenta uma demanda e diz: “É preciso fazer conexões, para darmos o próximo passo”, para mim este foi o principal produto/fruto /resultado do fórum, compromisso de fazer conexões com as mulheres no mundo, compromisso de irmanar com as mulheres do mundo a dor que atinge a cada uma. E se a luta é coletiva, a dor, o amor e a cura também são. A irmandade cura a dor da alma e nos salva.  Não estamos sós.

Parto do entendimento que o retrocesso que estamos vivendo na atualidade, sobre a violação de direitos conquistados e os avanços das violências de diversas ordens que nos atinge aqui no Brasil e em outras partes do mundo, tem a ver conosco, e é sobre nós.

O Feminismo é luta coletiva, o Feminismo Negro cabe todo mundo pois é interseccional. Finalizo com um grito, um hino, um desabafo das jovens feministas: “Companheira me ajude que eu não posso andar só, eu sozinha ando bem, mas com você ando melhor!”.

O Forum Awid ampliando as vozes das mulheres no mundo, pois o mais importante na luta feminista negra, sobretudo, é ser ouvida em primeira pessoa.


emmanuellegoesSobre a autora

Emanuelle Goes e uma Feminista Negra, Ativista do Movimento de Mulheres Negras, Blogueira, Enfermeira, Coordenadora do Programa de Saúde das Mulheres Negras – Odara Instituto da Mulher Negra, Doutoranda em Saúde Pública (ISC/UFBA).

+ sobre o tema

Mercado de trabalho ainda é desafio para as transexuais

O dia 9 de setembro de 2020 foi um...

Marcos Coimbra: sobre o aborto e as relações homossexuais…

  Uma novidade importante nas eleições presidenciais deste ano foi...

Crescendo Negra: O assédio de todos os dias

Ilustração feita com exclusividade por Ana Carolina Matsusaki (Nã) por...

PEC das Domésticas ainda aguarda regulamentação

Proposta de Emenda à Constituição que ampliou os direitos...

para lembrar

Mulheres organizam ato para discutir meios de combater o feminicídio no DF

Assembleia está marcada para o próximo sábado (26/10), às...

É imoral que o Brasil não defenda a maternidade voluntária

Um país como o Brasil, que não defende a...

EUA: Negras de cabelo natural têm menos chance no mercado de trabalho 

Mulheres negras com cabelo natural — crespo ou cacheado...

Feminismo à Inglesa?

Sheryl Sandberg, chefe operacional do Facebook, escreveu o livro...
spot_imgspot_img

‘A gente pode vencer e acender os olhos de esperança para pessoas negras’, diz primeira quilombola promotora de Justiça do Brasil

"A gente pode vencer, a gente pode conseguir. É movimentar toda a estrutura da sociedade, acender os olhos de esperança, principalmente para nós, pessoas...

Ana Maria Gonçalves anuncia novos livros 18 anos após lançar ‘Um Defeito de Cor’

Dois novos livros de Ana Maria Gonçalves devem chegar ao público até o fim de 2024. As novas produções literárias tratam da temática racial...

Mulheres recebem 19,4% a menos que os homens, diz relatório do MTE

Dados do 1º Relatório Nacional de Transparência Salarial e de Critérios Remuneratórios mostram que as trabalhadoras mulheres ganham 19,4% a menos que os trabalhadores homens no...
-+=