segunda-feira, novembro 23, 2020

    Tag: Interseccionalidade

    Crédito: Getty Images/iStockphoto

    Similaridades e diferenças observadas nas redes de ensino e na interseccionalidade sexo e cor/raça

    O DPE/FCC (Departamento de Pesquisas Educacionais da Fundação Carlos Chagas) divulgou, nesta quarta-feira (23/09), o Informe 2, que destaca as similaridades e diferenças observadas nas redes de ensino e na interseccionalidade sexo e cor/raça. Os resultados são fruto da pesquisa “Educação escolar em tempos de pandemia na visão de professoras/es da Educação Básica”, e mostram que as professoras e os professores das redes públicas e privadas enfrentam desafios análogos, tais como: aumento das atividades da rotina profissional, percepção de uma diminuição da aprendizagem bem como de um aumento da ansiedade dos alunos. A rede municipal apresenta maior dificuldade no atendimento remoto. Os docentes negros – mulheres e homens – sinalizaram as maiores dificuldades para garantir esse atendimento aos seus alunos. As escolas municipais atendem principalmente a educação infantil e o ensino fundamental, e reúnem a maioria das professoras, tanto negras quanto brancas. Os professores negros e brancos estão concentrados nos ...

    Leia mais
    Reprodução/Facebook

    Ferramenta anticolonial poderosa: os 30 anos de interseccionalidade

    Carla Akotirene, autora de Interseccionalidade, pela Coleção Feminismos Plurais, escreve um artigo especial sobre os 30 anos do conceito Por CARLA AKOTIRENE, da Carta Capital  KIMBERLE CRENSHAW, FEMINISTA NEGRA QUE CUNHOU O CONCEITO INTERSECCIONALIDADE. FOTO: MOHAMED BADARNE Há 30 anos a pensadora negra estadunidense Kimberlé Crenshaw não previu o quão longe o seu termo interseccionalidade viajaria nas ciências humanas e pautas identitárias. Ao sistematizar o “conhecimento situado de mulheres negras” como instrumento normativo, propôs a interseccionalidade como uma sensibilidade hermenêutica no campo da teoria crítica feminista de raça, sobre em quais condições jurídicas, estruturais e subjetivas, mulheres negras poderiam ser representadas por si mesmas e compreendidas nos tribunais. Contudo, a interseccionalidade vem atravessando o século XXI disputada no léxico, em escala global por movimentos identitários, grupos acadêmicos, programas de governos, à revelia da capacidade heurística contestar perdas das garantias fundamentais do grupo particular. Usos inadequados liberais revelam justamente ...

    Leia mais
    Thalian Luiza Neves Silva / Arquivo Pessoal

    Participação social : a necessidade de uma perspectiva interseccional

    Participação social : a necessidade de uma perspectiva interseccional¹ Thalian Luiza Neves Silva / Arquivo PessoalThalian Luiza Neves Silva por Thalian Luiza Neves Silva² enviado para o Portal Geledés A Constituição Federal Brasileira de 1988 ampliou os mecanismos de participação social nas tomadas de decisão. Miranda (2014) afirma que a ampliação dos mecanismos de participação social estimulados pela Constituição evidenciou um processo de redefinição do papel do Estado com base na universalização dos direitos de cidadania, descentralização e gestão democrática das políticas públicas. A luta dos outros movimentos sociais no processo da elaboração da Constituição de 1988 garantiu que a participação política nos processos de decisão fosse reconhecida como um direito. Hoje temos instrumentos de democracia direta, como o plebiscito, o referendo e a lei de iniciativa popular; de democracia participativa, como conselhos e conferências de políticas públicas; e de democracia representativa, com o direito ao ...

    Leia mais
    Carla Akotirene - Foto: divulgação / Folha Pe

    O que é Interseccionalidade?

    A coluna Mulheres em Movimento entrevistou Carla Akotirene, bacharela em serviço social, mestra e doutoranda em estudos sobre mulheres, gênero e feminismo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) sobre o livro O que é Interseccionalidade? Por: Carla Batista no Folha Pe Livro O que é InterseccionalidadeFoto- divulgação A coluna Mulheres em Movimento entrevistou Carla Akotirene, bacharela em serviço social, mestra e doutoranda em estudos sobre mulheres, gênero e feminismo pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) sobre o livro O que é Interseccionalidade? A publicação será lançada nos próximos meses com a sua presença, em diversas cidades do país. O livro se encontra em pré venda, através do site da Editora Letramento: Grupo Letramento. Carla Akotirene foi a primeira pessoa da sua família a chegar à universidade graças a conquistas que, nem bem se concretizaram amplamente, se encontram ameaçadas. O livro pode nos ajudar a assimilar a ...

    Leia mais

    Por que compreender a interseccionalidade?

    Aqui está a afirmação inicial: nós não somos iguais. Embora seja um discurso tantas vezes repetido e que possivelmente insistiram pra que você reproduzisse com o intuito de se sentir justa/o, não somos. Por Luádia Mabel enviado para o Portal Geledés Reprodução/ThinkStock Não temos as mesmas origens, as mesmas vivências ou a mesma classe social. Nem os mesmos destinos. Se você for homem não temos a mesma experiência com práticas machistas e se for uma pessoa branca não sentimos o racismo de forma igual. É passada a hora de compreender: nem de longe somos iguais. É da disparidade que partimos para compreender o que é um movimento interseccional, já que diferenças consideráveis se mostram entre discursos generalizados e o que realmente buscamos e precisamos com urgência: a igualdade de direitos. Aos poucos vamos percebendo que esse alinhamento de direitos está justamente pautado na diversidade de vivências. Se não somos todos ...

    Leia mais
    Women laughing together on urban rooftop

    Sozinha eu ando bem, mas com você ando melhor

    Mulheres negras e um ilá Vozes que por vezes ecoou secretamente Vozes que por vezes ecoou no cochilo da negação Em tempos de agora A voz que não se cala Estende-se ao corpo que também fala Traz uma geração inteira Atravessa vários muros e mundos É o ilá de quem não dorme ****************** Conexões para os Futuros Feministas. Por Emanuelle Goes A interseccionalidade como ferramenta, este é o primeiro passo para os Futuros Feministas. Suas dimensões foi a experiência vivida no Fórum AWID, as diversidades de mulheres e suas demandas, assim como as formas e estratégias de lutas foi o maior aprendizado e de quanto estamos conectadas pelas lutas e pela ancestralidade. Muitas águas corriam nos espaços do Fórum Awid, a ancestralidade se fazia presente, na luta, na resistência e na dança, daí entendi que “A minha ancestralidade dança na revolução”. A ancestralidade feminina é feminista e nos abarca em todas ...

    Leia mais

    Interseccionalidade Gênero-Raça e Etnia e a Lei Maria da Penha

    INTERSECCIONALIDADE GÊNERO/RAÇA E ETNIA E A LEI MARIA DA PENHA: DISCURSOS JURÍDICOS BRASILEIROS E ESPANHÓIS E A PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE A violência de gênero contra as mulheres é um fenômeno mundial que tem sido abordado exaustivamente. A maioria dos estudos aponta que se trata de um problema universal, sem distinção de qualquer marcador social. O objetivo geral desta pesquisa foi evidenciar a forma como a interseccionalidade gênero, raça e etnia emerge no discurso jurídico sobre as mulheres que acessam a justiça e como esta articulação caracteriza as relações de poder nas quais estão imersas. O referencial teórico-metodológico foi composto pela análise das práticas discursivas e não discursivas de Michel Foucault; pelo conceito de interseccionalidade; pelo conceito de gênero e pelos marcadores sociais de raça e etnia. Buscou-se realizar uma comparação entre a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006) com a legislação espanhola de Proteção Integral à Violência de Gênero (LO ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist