STJD investiga homofobia no clássico e pode punir Corinthians e São Paulo

Corintianos e são-paulinos trocaram ofensas no mesmo durante a partida de domingo, no Itaquerão, e colocaram os dois clubes na mira do Tribunal

A Procuradoria do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) solicitou nesta terça-feira a instauração de um inquérito para apurar se houve discriminação homofóbica no clássico entre Corinthians e São Paulo, no domingo, em Itaquera.

As torcidas dos dois times passaram boa parte da partida, que terminou com vitória corintiana por 3 a 2, trocando ofensas homofóbicas. Já no trajeto até a arena, os são-paulinos exibiam camisetas com letras que formavam “Gaivotas da Fiel” – trata-se do nome usado pelo jornalista Felipeh Campos para a criação de uma torcida homossexual alvinegra.

Em Itaquera, a torcida do São Paulo cantou uma paródia composta especialmente para provocar o rival: “Gambá, me diz como se sente/ Por que você gosta de beijar?/ Ronaldo saiu com dois travecos/ O Sheik, selinho ele foi dar/ Vampeta posou pra G/ Dinei desmunhecou/ Na Fazenda de calcinha ele dançou/ Não adianta argumentar/ Todo o mundo já falou/ Que o gavião virou um beija-flor”.

A resposta dos corintianos veio no mesmo tom. Como tradicionalmente ocorre em clássicos com o São Paulo, os locais berraram: “Vai pra cima delas, Timão! Da bicharada!”. E emendaram: “Vamos, Corinthians! Dessas bichas, teremos que ganhar!”.

Helio Suenaga/Gazeta Press Torcida do Corinthians: homofobia?
Helio Suenaga/Gazeta Press
Torcida do Corinthians: homofobia?

Os corintianos ainda contrariaram o manifesto divulgado pelo clube, para coibir gritos de “bicha” nas cobranças de tiro de meta das equipes adversárias. O goleiro Denis escutou a ofensa durante o seu aquecimento e quase sempre que recolocou a bola em jogo.

A intenção do Corinthians com o seu manifesto era justamente antecipar a possibilidade de punição no STJD, que direcionou a sua preocupação para combater o preconceito depois do racismo sofrido pelo goleiro santista Aranha diante do Grêmio, pela Copa do Brasil.

Agora com a homofobia na mira, a Procuradoria do STJD analisará se os cânticos de corintianos e são-paulinos foram meras provocações ou se possuíram cunho discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, enquadrando-se no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (STJD). A pena prevê multa de R$ 100 a R$ 100.000 e até perda de três pontos na competição.

Para o inquérito, a Procuradoria do STJD recomendou os depoimentos do trio de arbitragem, dos presidentes Mário Gobbi e Carlos Miguel Aidar e dos goleiros Cássio e Denis. Um auditor designado por Caio Rocha, presidente do STJD, emitirá um parecer final para indicar se haverá denúncia ou arquivamento do caso.

Além de apurar a homofobia no clássico, a Procuradoria analisa mais problemas registrados em Itaquera, como a briga entre torcedores organizados do Corinthians. “Outros fatos que identificamos como infrações disciplinares previstas no CBJD serão objeto de denúncia a ser apresentada oportunamente”, avisou o procurador geral Paulo Schmitt.

 

 

Foto de capa: Reginaldo Castro

Fonte: iG 

+ sobre o tema

Violência contra a mulher: Duas agressões e 5 ameaças por dia na região de Joinville

Se os boletins de ocorrência registrados na Polícia Civil...

Thorning-Schmidt é nomeada primeira-ministra da Dinamarca

A líder dos social-democratas dinamarqueses, Helle Thorning-Schmidt, foi oficialmente...

Um juiz legaliza parcialmente a poligamia no Estado de Utah

Os mórmons que praticam a poligamia em Utah conquistaram...

As lutas das mulheres negras pela educação para as relações raciais

As lutas das mulheres negras pela educação para as...

para lembrar

PNE e a “ideologia de gênero”

Mais um motivo apareceu para atrasar a votação do Plano...

‘Viagra feminino’: veja 7 perguntas sobre o remédio aprovado nos EUA

Venda de flibanserin foi autorizada nos Estados Unidos nesta...

É inconstitucional trecho de lei de Foz do Iguaçu proibindo ensino de “ideologia de gênero”

O plenário virtual do STF, em decisão unânime, julgou...

Aborto clandestino é drama para mais de meio milhão de mulheres no Brasil

A grande maioria dos brasileiros (59%) se opõe a...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=