“Substituíram a ditadura militar pela ditadura midiática”

“Substituíram a ditadura militar pela ditadura midiática, a dominação pelo consenso”, disse o jornalista e escritor Bernardo Kucinsky, na segunda mesa da Feira Literária Internacional de Paraty neste sábado; irmã e o cunhado de Kucinsky foram presos e mortos pela ditadura e seus corpos continuam desaparecidos; segundo ele, a Comissão Nacional da Verdade não terá resultados concretos, pois os poderosos que apoiaram o Golpe de 64 continuam no poder

Flávia Villela 

“Substituíram a ditadura militar pela ditadura midiática, a dominação pelo consenso”, disse hoje o jornalista e escritor Bernardo Kucinsky, sob aplausos da plateia que participou da segunda mesa da Feira Literária Internacional de Paraty (Flip) neste sábado (2).

A irmã e o cunhado de Kucinsky foram presos e mortos pela ditadura e seus corpos continuam desaparecidos. Segundo ele, a Comissão Nacional da Verdade não terá resultados concretos, pois os poderosos que apoiaram o Golpe de 64 continuam no poder.

“E as Forças Armadas não se reciclaram, não condenaram as atrocidades cometidas no passado. A tentativa de desinformar e a guerra psicológica continua em alguns setores militares, continua, ainda que diminuto,” declarou.

Filho de Rubens Paiva, que foi preso, torturado e morto pelos militares em 1971, o escritor Marcelo Rubens Paiva chorou ao ler um texto sobre o sofrimento da mãe e da família pela incerteza do paradeiro do deputado, cujo corpo continua desaparecido. O pai morreu na noite em que a esposa foi presa. Apenas em 1996, foi feito o registro de óbito de Ruben Paiva.

Marcelo foi aplaudido de pé ao lembrar da coragem e determinação da mãe, Eunice Paiva, na luta contra a ditadura. “Mamãe era uma dondoca. De repente, foi presa e saiu de lá muito magra e sozinha. E então começou a peitar a ditadura”, disse. “Passou a fazer parte de vários movimentos, a ser uma voz quase solitária contra a ditadura”. Posteriormente, Eunice estudou direito e passou a se dedicar às causas indígenas.

A mediadora da mesa e historiadora Lilia M. Schwarcz argumentou que os relatos dos participantes falavam de uma memória de um tempo que não passou e de uma história que ainda incomoda os brasileiros.

Revisitar os fatos e desnudar as verdades são fundamentais nos dias de hoje para os debatedores. “A história é complexa e por isso mesmo requer reflexão, uma boa pesquisa, leitura”, disse o economista Pérsio Arida, preso e torturado quando tinha 18 anos. “Se até pessoas que participaram do período têm essa confusão, imagina os garotos que moram na periferia de grandes cidades, que não têm acesso a essa história nas escolas”, disse Paiva.

“As novas gerações têm muitos poucos pontos de contato com as outras gerações, não tem continuidade. Para eles a ditadura é uma capítulo remoto da história do Brasil. O nível de desconhecimento é impressionante”, disse Kucinsky.

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Oxfam Brasil contrata Coordenador(a) de Captação Institucional

A Oxfam Brasil promove o combate à discriminação de...

Seis países africanos podem erradicar o paludismo até 2020

A Organização Mundial de Saúde (OMS) prevê que até...

Porcentagem de trabalhadores domésticos diminui; formalização aumenta

A participação de trabalhadores domésticos no total de ocupados...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira...

para lembrar

“E preto não sente dor, meu irmão?”

Por:Maíra Zapater (paper apresentando no IX Graduação em Campo, realizado...

Munduruku leva batalha épica por direitos indígenas às Nações Unidas

Em Genebra, Ademir Kaba denuncia falta de consulta e...

Munduruku na ABL: a saga do neto do Apolinário

“E mesmo que toda a gente / fique rindo,...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=