Superlativa por Flávia Oliveira

Rogéria, autodenominada ‘travesti da família brasileira’, fez crer que país sem LGBTfobia é possível

no O Globo

Estrelíssima foi o adjetivo que Rogéria escolheu para se apresentar numa rede social. Não exagerou. A mulher que habitava o corpo de Astolfo Barrozo Pinto brilhava. No superlativo. Foi maquiadora e atriz e cantora e dançarina. Tinha múltiplos talentos, portanto. E o dom de encarnar o sonho de uma nação livre dos crimes de ódio contra gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais ou transgêneros. Num país que mata uma pessoa LGBT a cada 25 horas, é ato de bravura se autodeclarar “a travesti da família brasileira”. Rogéria jamais se escondeu. Viveu, foi acolhida e morreu sendo o que era. Deixa de herança a verdade.

Crédito: Rogéria – Uma Mulher e Mais um Pouco” / divulgação

Leandra Leal, atriz e diretora de “Divinas divas” — documentário sobre os 50 anos de carreira da primeira geração de artistas travestis do país, Rogeria entre elas — lembrou, na despedida, de uma frase da homenageada: “Eu não tenho bandeira, eu sou a bandeira, ela dizia. E era mesmo, porque sua presença significava muito”. No roteiro de debates em torno do filme, Leandra ouviu de mães brasileiras que a existência de Rogéria as ajudara a compreender — e aceitar — a orientação sexual ou a identidade de gênero dos filhos. “Elas viam a artista, a cidadã, a filha, a irmã e enxergavam a dignidade de seus familiares”, resumiu.

Mundo afora, a população LGBT está entre os grupos que mais sofrem violações de direitos humanos. Há países que autorizam a discriminação por meio de leis. No Brasil, episódios de preconceito e violência se acumulam no século XXI, evidência de uma sociedade que parece retornar ao passado, enquanto o tempo caminha para o futuro. O Grupo Gay da Bahia contabilizou no ano passado 343 homicídios, recorde em quase quatro décadas de mapeamento. O país, segundo a ONG, ocupa o topo do ranking dos crimes contra minorias sexuais. Em 2017, até o início de maio, foram 117 assassinatos.

Em 2016, o Disque 100, serviço do Ministério dos Direitos Humanos, registrou 1.876 ocorrências contra LGBTs: de discriminação a negligência, de tortura a estupro, de violência psicológica e institucional a agressão física. São cinco denúncias por dia, que fazem dos LGTBs o quarto grupo populacional mais exposto a abusos. À frente estão crianças e adolescentes (76.171 ligações), idosos (32.632) e pessoas com deficiência (9.011). A violência contra mulheres é denunciada em outro canal, o Disque 180.

O Brasil ainda deve a gays, lésbicas, bissexuais e trans uma legislação que criminalize a violência de que são vítimas, nos moldes do que já existe para combater agressões domésticas (Lei Maria da Penha, 11.340/2006) e feminicídio (Lei 13.104/2015). Políticas públicas de atenção à saúde, acesso à educação e ao mercado de trabalho são igualmente necessárias para que a igualdade prevista na Constituição Federal se estabeleça.

Do ponto de vista simbólico, o pesar coletivo com a morte de Rogéria alimenta a esperança de um Brasil respeitoso e fraterno. Pelo Teatro João Caetano, onde a artista foi velada antes do sepultamento na cidade natal, Cantagalo (RJ), além de celebridades como Gloria Pires, Isadora Ribeiro, Jorge Omar Iglesias (a drag queen Isabelita dos Patins) e Jane di Castro, passaram anônimos de todas as idades, gênero e cor de pele.

Visivelmente emocionado, estava Bruno Ferreira Oliveira, que ganha a vida como estátua viva no Largo da Carioca. Ele foi se despedir em agradecimento ao dia em que Rogéria, de passagem pelo Centro do Rio, enxergou sua arte e depositou uma nota de R$ 20 na caixinha de contribuições. “Ela me viu e ajudou. Eu nunca esqueci. Por isso, vim”, disse o jovem, que homenageou Rogéria pela humanidade que ela, não só exibia, como jamais deixou de enxergar nos outros. Que esteja em paz.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/superlativa-21795056#ixzz4s07fEBmT

+ sobre o tema

Serena Williams canta em campanha contra câncer de mama

Segurando os seios nus, a tenista entoa a música...

Jogo de cena

Nesta entrevista ao CLAM, o pesquisador Raphael Bispo, doutorando...

Primeiro casamento gay de SP é realizado em Itaquera

O primeiro casamento civil gay da cidade de São...

“Que currículo ótimo, pena que é mulher”

A A. me mandou este relato sobre a mais...

para lembrar

STF permite reconhecer ofensa contra LGBTQIA+ como injúria racial

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 9 votos...

Magno Malta quer revogação de portaria que oficializa aborto

O senador Magno Malta (PR-ES) anunciou em Plenário, nesta...

Em defesa das Mulheres e da Lei Maria da Penha!

As Mulheres da Ruta Pacifica da Colômbia por muito...

Vídeo-manifesto pela liberdade de Rafael Braga viraliza nas redes. Assista

Em forma de poema, o vídeo foi gravado pela...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=