Rogéria morre aos 74 anos: O adeus da atriz que se intitulava ‘travesti da família brasileira’

Rogéria morre aos 74 anos. Artista estava internada em hospital no Rio de Janeiro e vinha sofrendo com infecção urinária.

Rogéria morre aos 74 anos

Por Diego Iraheta Do Huff post Brasil

Rogéria morre aos 74 anos

A atriz Rogéria, que se intitulava “travesti da família brasileira”, morreu nesta segunda-feira (4). Aos 74 anos, ela estava internada em um hospital do Rio de Janeiro com infecção urinária.

Ela deu entrada no local no início de agosto, mas saiu do CTI no último dia 25. Entretanto, seu quadro piorou nos últimos dias.

Rogéria morre aos 74 anos: O adeus da atriz que se intitulava ‘travesti da família brasileira’

Rogéria foi considerada ícone do transformismo e uma grande defensora das travestis no País.

Ela nasceu Astolfo Barroso Pinto e justamente no ano do golpe militar no Brasil ela se transformou em Rogéria.

Era maquiadora da TV Rio e dos bastidores ganhou os palcos e as telonas.

Nos anos 1960, a diva levou para a sociedade o debate de gênero em plena época de maior repressão política recente na História do Brasil.

Considerava-se transgênero

Nunca abriu mão de sua genitália masculina ao mesmo tempo em que sempre gostava de se montar e ser “extremamente feminina nos detalhes”, como disse ao jornal Estado de Minas.

Dizia-se consciente de sua homossexualidade desde a infância — e de sua força para quebrar barreiras décadas antes de a defesa de LGBT tornar-se pauta permanente na esfera pública.

“Não tenho uma vida de bicha triste para contar. Subia em morro e em árvore, brincava com os garotos, dava porrada neles e protegia as meninas. Até hoje é assim. Nunca sofri bullying. Eu sou o bullying.”

Rogéria participou em mais de 20 produções de TV e mais de dez filmes brasileiros, além de dezenas de peças e musicais.

Neste ano, a atriz foi destaque do documentário Divinas Divas, sobre as travestis na época de ouro da Cinelândia, no Rio de Janeiro — as décadas de 60 e 70. O longa foi a estreia da atriz Leandra Leal na direção.

+ sobre o tema

O casal transgênero em que o pai deu à luz um menino

Diane Rodríguez e Fernando Machado são um dos casais...

Sementes do mal, por Sueli Carneiro

Há tempos vinha me perguntando a que se devia...

Governo lança edital de R$ 8 milhões para pesquisas sobre igualdade de gênero

De acordo com o presidente do CNPq, Glaucius Oliva,...

para lembrar

‘Ela Quer Tudo’, de Spike Lee, é uma série sobre a sexualidade feminina negra. Mas só na teoria

Não precisamos gostar de toda arte negra. Por Zeba Blay, do HuffPost...

“Um negão desse tamanho ser gay?!” Uma conversa sobre racismo e homofobia

Fórum conversou com Hebert Vinícius Miranda, o Jump, poeta...

Mulheres negras estão preparadas para vencer racismo, diz ministra

BRASÍLIA (Agência Brasil) - Ao avaliar a situação...

Entrevista com a ministra Luiza Bairros Sobre o Brasil que temos e o Brasil que queremos

Por: Ana Flávia Magalhães Pinto   A população branca representa cerca de...
spot_imgspot_img

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...
-+=