sexta-feira, agosto 14, 2020

    Tag: desigualdades

    Gilson Rodrigues, co-fundador do G-10 das Favelas e líder comunitário em Paraisópolis Imagem: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA PARAISÓPOLIS

    Não há ‘novo normal’ para quem não tem nem o normal, diz líder comunitário

    "Não existe Morumbi bom com Paraisópolis ruim. Não existe Cidade Linda com Paraisópolis feia", diz Gilson Rodrigues, líder comunitário dessa região e integrante do G10 das Favelas. "Nós queremos fazer parte do Brasil, das cidades, queremos estar integrados". A fala é um bom resumo do debate "Arquitetura e Saúde - Arquitetos e urbanistas como promotores da saúde pública nas cidades", promovido na noite desta quinta (9) pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU-BR) e transmitido por Ecoa. Como transformar cidades que adoecem em cidades de direitos, inteligentes e saudáveis? Segundo os debatedores - especialistas e lideranças de diversas áreas - o caminho para isso é não deixar ninguém de fora. Mas não no sentido de políticas paliativas e assistenciais, nem de "representatividade alegórica", nas palavras da sanitarista e pesquisadora Karine Santana. "Para pensar em planejamento urbano é preciso pensar em duas coisas importantes: para quem eu vou planejar ...

    Leia mais
    Fabiane Albuquerque/ Foto: Glinka

    O Brasil não conhece o Brasil: o promotor que ganha 24 mil e D. Nicinha

    O Brasil não conhece o Brasil. Nenhum dos dois se conhece. Um Brasil é representado por aquele que se considera cidadão legítimo por natureza e acha que o outro existe para lhe servir. O outro Brasil, o que serve, acredita nisso  e, embora sinta a exploração, tem dificuldades para se rebelar. Ilustro esses dois Brasis através de duas falas que me chamaram a atenção nos últimos tempos. Uma delas se refere a um áudio vazado, no qual um procurador de Minas Gerais chamou de 'miserê' seu salário de 24 mil reais, acrescido de benefícios. Além disso, alegou que sua origem não é humilde e, portanto, não está acostumado com limitações. Intrigante esse Brasil! Em um país onde o salário mínimo é de R$ 1.045,00, o procurador obtém uma renda mensal superior em mais de 20 vezes ao que a maioria recebe para sobreviver. Mas há outro ponto fundamental em sua ...

    Leia mais
    Foto: Getty Images / BBC News Brasil

    Comissão Futuros da Educação recomenda planejamento para reduzir desigualdades após COVID-19

    A crise de saúde causada pela COVID-19 resultou no fechamento de escolas e universidades, afetando mais de 90% dos estudantes do mundo. Distúrbios ainda mais drásticos pairam no horizonte, de acordo com a Comissão Internacional sobre os Futuros da Educação (International Commission on the Futures of Education) – comissão independente indicada pela diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, em setembro de 2019. Mesmo quando as escolas reabrirem, a emergente recessão econômica ameaça exacerbar as desigualdades e pode reverter o progresso obtido na expansão do acesso educacional e na melhoria da qualidade da aprendizagem em todo o mundo, alertou a Comissão durante uma reunião on-line em abril. A crise de saúde causada pela COVID-19 resultou no fechamento de escolas e universidades, afetando mais de 90% dos estudantes do mundo. Distúrbios ainda mais drásticos pairam no horizonte, de acordo com a Comissão Internacional sobre os Futuros da Educação (International Commission on the Futures ...

    Leia mais
    ECONOMISTAS DISCUTEM MODELOS ECONÔMICOS, AJUSTES E SACRIFÍCIOS DE FORMA TOTAL E SE ESQUECEM DAS MAZELAS DO POVO - Foto Carta Capital

    Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    O 1% mais rico da população, no entanto, teve quase 10% de aumento no poder de compra desde o fim de 2014 por Carta Capital ECONOMISTAS DISCUTEM MODELOS ECONÔMICOS, AJUSTES E SACRIFÍCIOS DE FORMA TOTAL E SE ESQUECEM DAS MAZELAS DO POVO - Foto Carta Capital “Nem mesmo em 1989, que constitui o nosso pico histórico de desigualdade brasileira, houve um movimento de concentração de renda por tantos períodos consecutivos.”, diz o texto introdutório do estudo ‘A Escalada da Desigualdade’, publicado nesta quinta-feira 15 pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas, o FGV Social. A análise destaque do estudo diz sobre uma escalada da desigualdade social nos últimos 4 anos. Já são 17 trimestres analisados em que a fatia mais abastada dos brasileiros se distancia cada vez mais da parcela mais carente. Enquanto a renda da metade mais pobre da população caiu cerca de ...

    Leia mais
    Bolsa Família — Foto: Assessoria/Prefeitura de Porto Velho

    Brasil tem 5,2 milhões de crianças na extrema pobreza e 18,2 milhões na pobreza

    Crianças e jovens são os mais afetados pela pobreza no Brasil, segundo o IBGE. Por Daniel Silveira e Luiz Guilherme Gerbelli, G1   Os indicadores sociais revelam uma realidade perversa para crianças e jovens no Brasil. No ano passado, 12,5% da população brasileira de 0 a 14 anos vivia na extrema pobreza e 43,4% na pobreza, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta semana. Em números absolutos, são 5,2 milhões de brasileiros de 0 a 14 anos na extrema pobreza – o equivalente a quase toda a população da Dinamarca – e 18,2 milhões na pobreza – pouco mais do que o número de habitantes do Chile. A pesquisa mostrou um outro dado alarmante: entre todos os grupos etários, o porcentual de pobreza por contingente populacional tem maior concentração nas crianças e jovens. Segundo o IBGE, é considerado em situação de extrema pobreza ...

    Leia mais
    blank

    “O que a gente precisa é construir pontes para superar a desigualdade”

    O diretor executivo da Anistia Internacional Brasil, Atila Roque, afirma que já passou da hora de buscar um pacto contra a violência e alerta para o retrocesso na conquista dos direitos Por Soraia Yoshida Do Epocane Gocios Ao falar sobre direitos humanos, uma das pedras fundamentais da Anistia Internacional, Atila Roque relembra o comentário do jurista Oscar Vilhena Vieira. “Nós estamos vivendo no Brasil recente uma revolução tocquevilleana, que é a revolução da igualdade”, diz. A expressão vem do autor francês Alexis de Tocqueville, cujo livro “A Democracia na América” apontava a “onda irresistível da igualdade” vivida pelos Estados Unidos no século XIX, que iria mudar radicalmente o cenário da sociedade americana. Roque, que é diretor executivo da Anistia no Brasil, enxerga os mesmos paralelos. “Uma vez que você cria o desejo de ter direitos, você pode até retirar esses direitos, mas não vai retirar o desejo. A ideia da igualdade está ...

    Leia mais
    blank

    A flor, a náusea, a “nossa Rafaela” e a desconhecida

    Em artigo recém publicado(1), disse que Drummond não foi convidado para a grandiosa e bela festa de abertura das Olimpíadas. Um amigo me contestou, lembrando que Drummond esteve presente com o trecho da poesia “A Flor e a Náusea”, recitado, em português, pela atriz Fernanda Montenegro, e, em inglês, pela não menos competente atriz britânica Judi Dench. Por Jorge Luiz Souto Maior enviado para o Portal Geledés O trecho em questão foi o seguinte: Uma flor nasceu na rua! Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego. Uma flor ainda desbotada ilude a polícia, rompe o asfalto. Façam completo silêncio, paralisem os negócios, garanto que uma flor nasceu. Sua cor não se percebe. Suas pétalas não se abrem. Seu nome não está nos livros. É feia. Mas é realmente uma flor. Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde e lentamente passo a mão nessa forma insegura. ...

    Leia mais
    blank

    Desesperança é ameaça à democracia, diz presidente da Fundação Ford

    Darren Walker fala no 9º Congresso do GIFE sobre os desafios enfrentados por instituições sociais por Vinícius de Oliveira, do Porvir  Quem esperava uma palestra com números e gráficos projetados em um telão acabou participando de uma conversa mais humana sobre os caminhos da filantropia no mundo. Darren Walker, presidente da Fundação Ford (segunda maior entidade filantrópica dos Estados Unidos, atrás somente da Fundação Bill & Melinda Gates), contou à jornalista jornalista Laura Greenhalgh na conferência especial sobre filantropia e desigualdade do 9º Congresso do GIFE, fórum que reúne os grandes nomes do terceiro setor do país, como coordenar ações em diferentes países direcionadas à justiça social. Nascido em 1959, em um “hospital para negros” no estado da Luisiana, no sul dos EUA, Walker fala abertamente de preconceitos e de como experiências pessoais o fizeram subir a “escada da mobilidade social” até se tornar professor universitário e comandar um orçamento que, só em ...

    Leia mais
    blank

    A festa dos meus privilégios

    Quem são as pessoas de quem a gente se esqueceu? Por Alex Castro enviado Para o Portal Geledes Era um happening cult, de gente bonita e descolada, na cobertura de um amigo, em frente ao parque da cidade. Cheguei, não vi ninguém conhecido e fui para a varanda, apreciar um pouco a vista, quando um moço negro veio falar comigo: — Beleza, Paulo, tudo bem? — Hã... Desculpa, a gente se conhece? — Uma vez. Você não vai lembrar. Na sala de espera da Acme, junho de 2003. Lembrou? — Acho que não... — Era uma entrevista para gerente de atendimento, não lembra mesmo? Você chegou logo que eu estava saindo, a gente fez um gesto assim com a cabeça um pro outro, bom dia, bom dia, pá, pá. — Faz tanto tempo... Desculpa. Realmente não lembro. — Não precisa pedir desculpas, imagina!, que besteira. Aliás, soube que você levou a ...

    Leia mais
    blank

    O Casamento do Ano

    Há muito tempo venho devendo esse texto. Me preocupei com inúmeras outras coisas, compromissos, reuniões, aulas, seriados, vídeos no youtube. Procrastinei o máximo que pude, mas ele precisava ser escrito. Um texto sobe o casamento do ano, sobre uma festa inesquecível. Enviado por Taís de Sousa Pereira via Guest Post para o Portal Geledés  Foto: @DRE0316 Eu particularmente não gosto de casamentos. Minha pouca bagagem de vida impede que eu aprecie essa celebração cultural. Os motivos são muitos, são tantos, que renderiam outro texto apenas sobre casamentos. Este que aconteceu em outubro me marcou principalmente por me mostrar algo que eu já sabia, que eu criticava e critico até hoje: o fato de nós, seres humanos, sermos tão aquém daquilo que idealizamos ser o modelo de evolução do homem. O casamento do ano começou a ser planejado muito tempo antes. A noiva vem de uma família tradicional soteropolitana de classe média alta. Junto com sua mãe, com a ...

    Leia mais
    A maior disparidade entre os rendimentos de brancos e negros observou-se na região metropolitana de Salvador

    O fosso entre brancos e negros no mercado de trabalho

    Em 13 anos, renda de pretos e pardos avançou mais que a dos brancos, mas disparidade ainda é gritante No Carta Capital  O rendimento dos trabalhadores de cor preta ou parda cresceu 52,6% entre 2003 e 2015. Entre os trabalhadores de cor branca, o crescimento foi de 25%. O expressivo crescimento verificado nos últimos 13 anos, período que engloba os governos Lula e Dilma Rousseff, porém, não foi suficiente para reverter o quadro de desigualdade racial. Anunciados nesta quinta-feira 28 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os dados fazem parte da Pesquisa Mensal de Emprego (PME). Os trabalhadores ocupados de cor preta ou parda ganhavam, em média, em 2015, 59,2% do rendimento recebido pelos trabalhadores de cor branca. O IBGE destacou, porém, o fato de que, em 2003, o percentual não chegava à metade (48,4%). Razão da média anual do rendimento médio real do trabalho principal - (preto ou ...

    Leia mais
    280605

    Desigualdades Raciais na Educação

    O índice de analfabetismo entre jovens negros é duas vezes maior que entre brancos, segundo levantamento divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Os negros, no entanto, vêm aumentando a frequência no ensino médio. As matrículas quase duplicaram em 10 anos. Contudo, a distância entre os grupos encurtou nos últimos 10 anos: em 1998, o analfabetismo entre jovens negros era quase três vezes maior do que entre os brancos.No ensino médio, o número de jovens brancos que frequenta a Escola é 44,5% maior em comparação ao de negros. Já no ensino superior, a frequência é cerca de três vezes maior entre os brancos. O Ipea destaca, no entanto, que houve significativa melhora no nível de adequação educacional entre os jovens negros nos últimos anos. Enquanto se observou entre os brancos certa estagnação, entre os negros a melhoria na frequência ao ensino médio é bastante significativa: em 10 anos, ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist