segunda-feira, setembro 21, 2020

    Tag: política

    blank

    Zona leste de SP recebe curso de formação política para mulheres negras

    Realizado no Espaço Adebanke, em Artur Alvim, as inscrições já foram encerradas, mas há vagas exclusivas para leitoras do Nós, mulheres da periferia participarem do próximo encontro Por Daiane Pettine, do NÓS MULHERES DA PERIFERIA “Narrativas de Liberdade”, esse é o nome do processo formativo que propõe trazer a discussão sobre política para o cotidiano de mulheres negras que moram nas periferias de São paulo. Começando pela zona leste, no espaço Espaço Adebanke, cerca de 30 participantes se reuniram no dia 19 de maio para o primeiro encontro do ciclo. E sua segunda edição, o curso foi idealizado pela Marcha das Mulheres Negras de São Paulo e realizada com apoio da Fundação Rosa Luxemburgo. O objetivo é incentivar a troca de conhecimento entre mulheres negras. Andreia Alves é responsável pela coordenação geral, Juliana Gonçalves atua como coordenadora pedagógica e Daiane Ayaba na produção. Os temas abordados são contemporâneos e a condução do diálogo tem o foco de ...

    Leia mais
    blank

    Diretórios regionais são obrigados a apoiar candidaturas femininas, decide TSE

    Todos os diretórios partidários são obrigados a investir o mínimo de 5% do total de recursos do Fundo Partidário para promover a candidatura de mulheres, mesmo que essa proporção já seja obedecida pelo diretório nacional. O entendimento foi firmado nesta quinta-feira (23/5) pelo plenário do Tribunal Superior Eleitoral. Por Gabriela Coelho, Do Conjuntor Jurídico  Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (Lalo de Almeida/Folhapress) A questão foi levantada por uma consulta apresentada pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) nos seguintes termos: "No que tange à criação ou manutenção de programas de promoção e difusão da participação política das mulheres, se o Diretório Nacional de um determinado Partido Político já efetua o repasse global de 5% do total de recursos do Fundo Partidário recebidos, existe a necessidade dos demais diretórios regionais e municipais efetuarem esse repasse?" Prevaleceu o voto do relator, ministro Jorge Mussi. Para ele, tanto o diretório nacional quanto os diretórios regionais ...

    Leia mais
    Reino Unido tem 416 mulheres no Parlamento, mas elas são menos que 30% do total Mark Duffy/EFE

    Número de mulheres congressistas cresce só 6% em 10 anos no mundo

    Apenas três países possuem congressos com participação feminina igual ou superior a proporção de mulheres em suas populações Por Beatriz Sanz, do R7 Reino Unido tem 416 mulheres no Parlamento, mas elas são menos que 30% do totalMark Duffy/EFE A onda feminista que tomou conta das ruas nos últimos anos teve uma resposta nas urnas e, consequentemente, na participação política e legislativa ao redor do mundo. Segundo dados levantados pela União Interparlamentar e analisados pelo Instituto Pew Research, o número de mulheres congressistas subiu de 18% para 24% nos últimos 10 anos. No entanto, esse número não representa nem metade da população feminina no planeta. A América Central foi a região responsável por impulsionar esse crescimento. Entre o fim de 2008 e 2018 a representação feminina nos congressos dessa região subiu 13%, mais que o dobro da média global. Em seguida, aparecem o Oriente Médio e o Norte ...

    Leia mais
    blank

    Porta-voz negra e feminista de Macron quebra códigos da política francesa

    A nova porta-voz do governo francês, a franco-senegalesa Sibeth Ndiaye, 39 anos, uma fiel assessora de comunicação do presidente Emmanuel Macron, foi destaque em todas as revistas e jornais nesta semana. Negra, feminista, mãe de gêmeas de 7 anos e de um menino de 4 anos, fruto de um casamento misto com o francês Patrice Roques, Sibeth ocupa um posto de secretária de Estado e nomeou uma equipe de primeiro escalão composta exclusivamente por mulheres, revela a revista Le Point. Por Adriana Moysés, Do RFI Sibeth Ndiaye, a franco-senegalesa porta-voz do governo Macron. (Foto: Fotomontagem RFI) A nova porta-voz tem personalidade e trajetória peculiares. Filha de um casal que militou pela independência do Senegal na década de 1950, Sibeth chegou à França quando tinha 15 anos e só se naturalizou francesa há três anos, em 2016. Ela terminou seus estudos no Liceu Montaigne, um dos melhores ...

    Leia mais
    A prefeita eleita de Chicago, Lori Lightfoot (centro), celebra a vitória abraçada à filha (de blusa branca) e à mulher (à direita). REUTERS/Joshua Lott

    Chicago elege primeira mulher negra e homossexual para prefeita da cidade

    Pela primeira vez, uma mulher negra e assumidamente homossexual foi eleita prefeita de Chicago, a terceira maior cidade dos Estados Unidos e uma das mais violentas do país. A ex-promotora federal democrata Lori Lightfoot venceu, com 74% dos votos, a adversária do mesmo partido Toni Preckwinckle, que recebeu 26% dos votos. Por Ligia Hougland, da RFI  A prefeita eleita de Chicago, Lori Lightfoot (centro), celebra a vitória abraçada à filha (de blusa branca) e à mulher (à direita). REUTERS/Joshua Lott Independentemente de quem vencesse a eleição para a prefeitura de Chicago, que foi realizada nesta terça-feira (2), essa pessoa faria história como primeira prefeita negra da cidade. Lightfoot, de 56 anos, é a segunda mulher a conquistar a prefeitura da "cidade dos ventos", como Chicago é conhecida, depois de Jane Byrne, que ocupou o cargo de 1979 a 1983. A antiga promotora federal foi indicada para importantes ...

    Leia mais
    Plenário da Câmara votou projeto que muda regras para partidos políticos — Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

    Participação Feminina na Política: Câmara aprova texto que altera regras para partidos políticos

    Uma das mudanças livra de punição partidos que não investiram a verba obrigatória em programas de incentivo à participação feminina na política. Por Fernanda Vivas, do G1 Plenário da Câmara votou projeto que muda regras para partidos políticos — Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados O plenário da Câmara aprovou, nesta quarta-feira (27), o texto-base da proposta que livra de punição partidos políticos que redirecionaram os recursos que deveriam ser investidos em programas de promoção da participação política das mulheres para o financiamento de candidaturas femininas. Pelo texto, partidos nessa situação "não podem ter suas contas rejeitadas ou sofrer qualquer outra penalidade". Os deputados analisam ainda os chamados destaques do texto, que podem alterar a proposta. O projeto muda a Lei de Partidos Políticos, de 1996. A redação atual da norma diz que pelo menos 5% do fundo partidário recebido pelos partidos deve ser destinado para criação ...

    Leia mais
    blank

    Primeira negra trans toma posse como deputada estadual em São Paulo

    Nascida em Pernambuco e vivendo em SP há 16 anos, a educadora Erica Malunguinho recebeu 55.423 votos Do Correio Braziliense (foto: Reprodução/Facebook)   Os deputados estaduais eleitos por São Paulo tomaram posse nesta sexta-feira (15/3). Entre os 94 parlamentares que assumiram a cadeira pelos próximos quatro anos, uma destaca-se pelo ineditismo. Erica Malunguinho (PSOL) é a primeira negra trans a ser empossada, em 185 anos da Casa. Logo após a posse, Erica — que chegou a ter a história contada por jornais internacionais — compartilhou uma notícia que exaltava o efeito, escrevendo na legenda que este "não é um dia comum". "Os livros no futuro irão documentar sobre a importância histórica deste dia 15 de março de 2019 para toda a comunidade negra de São Paulo e país afora", enfatizou. Antes, na semana em que foi eleita, a deputada agradeceu os 55.423 votos recebidos e destacou ter ...

    Leia mais
    Prédio da Assembleia Legislativa de São Paulo — Foto: Fabio Tito/G1

    Número de mulheres na Assembleia de SP passa de 11 para 18; pretos são 5 de 94

    Um terço dos deputados é milionário. Em 2014, apenas 3 pretos foram eleitos. Por Bárbara Muniz, Felipe Néri e Paula Paiva Paulo, G1 Prédio da Assembleia Legislativa de São Paulo — Foto: Fabio Tito/G1 Com as eleições de 2018, a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), formada por 94 deputados estaduais, continua majoritariamente formada por homens (81%) e brancos (88%). Do total, um terço (32%) é milionário e declarou ter patrimônio superior a R$ 1 milhão. Ainda assim, o número de mulheres eleitas teve um avanço, e passou de 11 para 18. Dessas, Analice Fernandes (PSDB), Leci Brandão (PC do B), Márcia Lia (PT), Maria Lucia Amary (PSDB) e Marta Costa (PSDB) foram reeleitas. Adriana Borgo (PROS), Carla Morando (SPDB), Delegada Graciela (PR), Dra. Damaris (PHS), Edna Macedo (PRB), Erica Malunguinho (PSOL), Isa Penna (PSOL), Janaína Paschoal (PSL), Leticia Aguiar (PSL), Marina Helou (REDE), Mônica da ...

    Leia mais
    TRIBUTO À MARIELLE FRANCO, FEITO POR DANIEL ARRHAKIS (FOTO: DANIEL ARRHAKIS/ FLICKR)

    A novas Marielles

    A mãe da socióloga Flávia Pinto, candidata a deputada federal pelo PDT do Rio, entrou para as vergonhosas estatísticas nacionais de feminicídio: foi assassinada pelo marido, seu padrasto, quando ela tinha 10 anos. Nascida na favela da Vila Vintém, em Padre Miguel, zona oeste, Flávia já havia perdido o pai aos 3, também assassinado. Viveu o racismo por si e pela memória da mãe. “Ele era um traficante branco, descendente de italianos, e minha mãe, uma trabalhadora negra. Cresci ouvindo que ela era piranha, mas sobre o bandido, só elogios, ‘bonito, simpático’”, conta Flávia, 42, que conseguiu se formar apenas aos 37, graças a uma bolsa de ação afirmativa, a mesma recebida por Marielle Franco, assassinada em março, para estudar na PUC-Rio. A descoberta da trajetória de Marielle – negra, gay, nascida e criada na favela da Maré – encorajou Flávia a sair candidata em 2018. Mãe de santo desde os 23, ela ...

    Leia mais
    blank

    É hora de negar a “política”

    Ao que tudo indica, o discurso de negação da política dará a tônica dos debates no processo eleitoral deste ano. Diante da impopularidade dos políticos frente à opinião pública, grupos oportunistas aproveitam o momento para rechaçar a política como um todo (!). Apresentam-se como o novo e como a possibilidade de renovação estrutural da esfera pública. Por Veronica Lima Do Brasil247 Foto: Reproduzida/Brasil247 Essa retórica mesquinha de criminalização da política não é senão um modo de manutenção do mesmo. Ela tem como avalista o mercado financeiro e as forças sociais abastadas que pretendem manter seus privilégios. Ou seja, homens, brancos, ricos e conservadores. E é exatamente essa a política que deve ser negada! Explico-me. Chegou a hora e a vez de o campo sócio-identitário ocupar massivamente os espaços de poder. O Congresso brasileiro deve, de fato, representar os cidadãos de nosso país. Precisamos dar ainda mais voz ...

    Leia mais
    Marielle Franco, vereadora eleita pelo Psol, foi a quinta mais votada do Rio (Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo)

    Fundações criam fundo Marielle Franco para incentivar mulheres negras que buscam liderança política

    Em homenagem à vereadora assassinada Marielle Franco, a Fundação Ford, a Open Society Foundations e o Instituto Ibirapitanga anunciaram a criação de um fundo para incentivar e apoiar as mulheres negras que aspiram à liderança política no Brasil. Com a doação de US$ 3 milhões ao Fundo Baobá, instituição dedicada à luta pela igualdade racial no Brasil, a iniciativa se baseia no trabalho da vereadora para ampliar a voz das mulheres negras e seu acesso ao poder no Brasil. - Marielle mostrou que uma mulher negra e bissexual das favelas poderia manter e exercer o poder. Seu assassinato brutal foi uma tentativa de negar essa verdade. Anunciar ao mundo que o Brasil produzirá novas Marielles é crucial - disse Pedro Abramovay, diretor do Programa América Latina da Open Society Foundations. - Esse fundo garante que as mulheres negras das favelas ocupem espaços de poder e que não haja volta aos ...

    Leia mais
    blank

    Mulheres debatem alternativas para a crise política no livro “Tem Saída?”

    Obra reúne ensaios de políticas e intelectuais sobre neoliberalismo, impeachment e a necessidade de uma visão mais plural na discussão política Da Carta Capital  O afastamento de Dilma Rousseff é um dos temas abordados no livro. Na foto, mulher protesta em Brasília contra o impeachment, em maio de 2016 No debate político brasileiro, as mulheres podem falar? Caso falem, elas são ouvidas? E, caso sejam ouvidas, são levadas a sério? Na contramão do mainstream intelectual, que mesmo em ambientes progressistas costuma privilegiar análises masculinas e brancas, o livro Tem Saída? Ensaios críticos sobre o Brasil traz só mulheres como autoras. A obra, publicado pela Editora Zouk em parceria com a Casa da Mãe Joanna, traz para o centro da discussão os diferentes olhares de mulheres ativistas, políticas e intelectuais sobre a mais recente crise política brasileira. Participam da publicação, além das organizadoras Winnie Bueno, Joanna Burigo, Rosana Pinheiro-Machado e Esther Solano, outras 25 mulheres. Entre elas, há mulheres diretamente ...

    Leia mais
    blank

    Arany Santana é anunciada como nova secretária da Cultura da Bahia

    Ela substitui o professor Jorge Portugal, que pediu demissão do cargo; posse será na segunda Do Correio 24 Horas  O governador Rui Costa informou na tarde desta sexta-feira (29) que a Secretaria da Cultura do Estado (Secult) será comandada por Arany Santana, ex diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI). A cerimônia de posse será na próxima segunda-feira (1º), às 14h, no Salão de Atos da Governadoria. Arany ocupa a vaga deixada por Jorge Portugal, que entregou carta ao governador pedindo exoneração do cargo na última quinta (28). Professora, atriz e ex-diretora do Ilê Aiyê, Arany Santana diz que dar continuidade ao trabalho implementado nesta gestão é motivo de honra.  “A cultura teve avanços na Bahia principalmente com o projeto de interiorização, com as Escolas Culturais. Como educadora, acho um dos projetos mais importantes junto às escolas públicas. Vamos continuar garantindo um trabalho de qualidade junto a artistas ...

    Leia mais
    blank

    Economista Elias Sampaio lança livro sobre política, economia e questões raciais

    O lançamento do livro do economista Elias Sampaio acontece em 23 de agosto, a partir das 18h, no Palácio da Aclamação  Enviado para o Portal Geledés  O panorama econômico e social no Brasil, durante os últimos três anos, são retratados na obra Política, Economia e Questões Raciais – a conjuntura e os pontos fora da curva, 2014 a 2016, do economista, professor universitário e pesquisador Elias de Oliveira Sampaio. Perpassando pela instabilidade política do período, o autor faz uma análise das conquistas, retrocessos e perspectivas para a construção de um modelo econômico inclusivo e sustentável. O livro será lançado no dia 23 de agosto, a partir das 18h, no Palácio da Aclamação (Campo Grande).   Depois de assinar vários artigos em periódicos nacionais e estrangeiros e ser coautor em diversos trabalhos publicados nos últimos 20 anos, Elias Sampaio, neste seu primeiro livro “solo”, constrói uma narrativa baseada em sua coluna ...

    Leia mais
    blank

    Da era dos direitos à guerra de todos contra todos

    Entre as grandes transformações regressivas das ultimas décadas no mundo está a passagem da hegemonia de um modelo de bem-estar social à de um modelo liberal de mercado. No primeiro o Estado assumia a garantia de direitos da população, na segunda o Estado se retira e deixa o mercado promover a guerra de todos contra todos. Por EMIR SADER, do Brasil 247  No Brasil, foi a partir de 1930 que o Estado começou a assumir a responsabilidade sobre os direitos da massa da população, antes totalmente excluída da ação do Estado. A criação do Ministério do Trabalho e a criação das políticas que garantem a aposentadoria dos trabalhadores foi o símbolo maior de um governo que rompia com aquele, das oligarquias, para quem “a questão social é questão de policia”, nas palavras de Washington Luis. Foi necessário que, a partir do ressurgimento do liberalismo, sob sua forma neoliberal que, conforme as ...

    Leia mais
    blank

    Para Marcia Tiburi, não podemos nos deixar levar pelo ridículo na política

    Em novo livro, filosofa investiga por que brasileiros preferem a piada ao lidar com a crise atual Por Leonardo Cazes Do O Globo O ridículo está em algum lugar entre o riso e o choro, resumido na expressão “rir para não chorar”. Contudo, na política, o ridículo não tem nada de inocente. Ao contrário, ele interdita a reflexão e impede o debate, e já se transformou em modus operandi de muitos políticos. Essa foi a preocupação que levou a filósofa Marcia Tiburi, autora de “Como conversar com um fascista” (Record), a escrever “Ridículo político: uma investigação sobre o risível, a manipulação da imagem e o esteticamente correto” (Record). Em entrevista ao GLOBO, Marcia explica seu conceito e defende que todos precisam se importar mais com a política. Ela lembra que brigar não é se importar. O que você queria mostrar ao escrever sobre o que chama de “ridículo político”? Quis alertar as pessoas ...

    Leia mais
    blank

    Movimentos criam frente ampla pelas Diretas Já

    Mais de 55 entidades representativas de diferentes setores da sociedade civil, de um amplo espectro político, criaram nesta segunda-feira 5, em Brasília, a "Frente Ampla Nacional pelas Diretas Já"; o movimento, que é suprapartidário, será lançado oficialmente no Congresso em um ato na próxima quarta-feira 7; iniciativa é mais uma demonstração de que a população quer a saída de Michel Temer do poder e escolher o novo presidente da República; pesquisa CUT/Vox Populi divulgada nesta segunda-feira 5 apontou que 85% dos brasileiros querem a cassação de Temer e 89% defendem eleições diretas Do Brasil 247 Mais de 55 entidades representativas de diferentes setores da sociedade civil, de um amplo espectro político, criaram nesta segunda-feira 5, em Brasília, a "Frente Ampla Nacional pelas Diretas Já". O movimento, que é suprapartidário, será lançado oficialmente no Congresso em um ato na próxima quarta-feira 7. A iniciativa é mais uma demonstração de que a população quer a saída ...

    Leia mais
    blank

    Vídeo mostra ataque machista de vereador contra Isa Penna na Câmara de SP

    O ataque machista, inesperado, foi desferido pelo Vereador Camilo Cristófaro (PSB) nessa quinta-feira (16) dentro do elevador e seguiu do lado de fora. As imagens da câmera de segurança liberadas na sexta-feira (17) mostram a agressividade da ofensa verbal. Da Midia Ninja  Imagens da câmera de segurança mostram agressividade do Vereador do PSB contra Isa Penna. Imagens: Divulgação Câmara dos Vereadores de São Paulo "Vagabunda! (..) não se surpreenda se tomar uns tapas na rua". A frase, comum à muitas ruelas da cidade de São Paulo, se passou no local em que as leis são ditadas e a população é representada: a Câmara Legislativa do Município de São Paulo. "Ele me agrediu verbalmente e fisicamente", acusa Penna, em vídeo veiculado nas suas redes sociais, e que deve render um processo sobre o vereador, que pode lhe custar até mesmo o cargo. O acusado se sente confortável, e não procurou se ...

    Leia mais
    blank

    Prometo não tocar no assunto, por Elika Takimoto

    Fui orientada por várias editoras que entraram em contato comigo a não falar de política nas redes sociais caso queira ser uma escritora vendável. Perguntei: e sobre o que posse escrever? Disserte sobre seu trabalho, Educação, ouvi como resposta. Ou sobre os seus filhos, sugeriram. Por Elika Takimoto, do Minha Vida é um Blog Aberto Pois muito bem, trabalho no CEFET há dez anos como professora de física e há um ano como coordenadora. Cheguei lá pouco depois de Lula ter sido eleito presidente. No dia de minha posse, o diretor falou que ali eu não iria encontrar professores infelizes. Achei estranho, pois vinha da rede estadual e da particular onde professor que não reclama nunca havia visto. O tempo passou. De fato, nunca vi ali professor reclamando das condições de trabalho. Vi as salas ganhando projetores multimídia e quase todas serem climatizadas. Tudo o que pedimos para que nosso laboratório ...

    Leia mais
    blank

    Áurea Carolina: “Eu gosto de fazer política. Então eu continuo achando que ela pode ser bonita.”

    "A transformação das práticas das esquerdas para fazer avançar as lutas sociais deve passar pelo reconhecimento das diferenças: de gênero, étnico-raciais, de orientação sexual, geracionais, de território, de origem socioeconômica, porque essas diferenças são condições de existência das pessoas nesse mundo. E o capitalismo associado aos outros sistemas de opressão de gênero, raça, tem uma materialidade nesses corpos." Fonte: Blog da Boitempo Entrevista especial com Áurea Carolina. Áurea Carolina de Freitas e Silva é cientista política e educadora popular com especialização em Gênero e Igualdade na Universidad Autonoma de Barcelona, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Próxima dos movimentos de rua, ela também foi subsecretária de Políticas para as Mulheres do Estado de Minas Gerais e uma das fundadoras do Fórum das Juventudes da Grande BH. Desde sua fundação, ela colabora com a #partidA e participa do movimento “Muitas pela Cidade que Queremos” que discute política sentadas no gramado ...

    Leia mais
    Página 2 de 4 1 2 3 4

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist