Técnicas do Ministério da Saúde revela o tipo de mulher que os aliciadores preferem

A assistente técnica da Saúde da Mulher disse que traficantes de pessoas optam por mulheres negras

Por: MILTON DE OLIVEIRA

As mulheres negras são as preferidas dos aliciadores de redes internacionais de prostituição responsáveis pelo tráfico de pessoas. Embora as causas sejam complexas, os problemas sociais e econômicos são apontados como os principais motivos para o crescimento da atividade. Esses dados foram apresentados, ontem, no 6º Curso de Multiplicador para Atenção Humanizada a Vítimas de Violência Sexual e Doméstica, no auditório da Maternidade Municipal Dr. Moura Tapajóz, Zona Oeste.

De acordo com a assistente técnica da Saúde da Mulher do Ministério da Saúde Cláudia Araújo, os aliciadores acreditam que a negra “é um produto que dura mais”. “Para os aliciadores, as mulheres negras, fisicamente falando, possuem estrutura de corpo mais resistente e são mais resistentes aos sofrimentos físico e psicológico, e são bonitas também”, disse.

Outro fator que incentiva a preferência pelas negras, conforme Cláudia, é a aparência de jovem, apesar da idade que elas possam ter.

Na Região Norte, segundo ela, a fronteira com o Suriname concentra os maiores problemas. “Há locais, nos quais as mulheres atravessam a rua e já estão em outro país”, explicou a técnica do Ministério da Saúde.

Desigualdade

Para Cláudia Araújo, a desigualdade entre mulheres negras e o restante da população começa cedo. “No Brasil, historicamente, a população negra está na situação de desigualdade social e nós não reconhecemos que a maioria da população pobre, desempregada, que passa fome, de pouca escolaridade e com filhos pequenos é negra”, disse.

Ela lembrou também, que mulheres e homens da raça negra, foram os primeiros a experimentar o tráfico de pessoas, quando foram transportados da África para o Brasil. “Pessoas negras estão em maior situação de vulnerabilidade para o tráfico de pessoas, para o trabalho escravo, enfim, para várias situações de exploração e servidão”, destacou, dizendo também, que toda a população pode estar vulnerável, mas “quem é mais desprotegido socialmente” está mais exposto a tal situação.

Dados apresentados pela técnica da Saúde da Mulher, revelaram que 70% das pessoas vítimas do tráfico de pessoas no Brasil, são mulheres adolescentes afrodescendentes, com documentos falsificados e são aliciadas para a exploração sexual ou mão-de-obra escrava.

As informações mostraram também, que, de 2010 a 2012, a Polícia Federal registrou mais de 1,9 mil rotas de tráfico nacional de mulheres e 230 rotas de tráfico internacional.

Crescimento

Outro dado oficial apresentado no curso de ontem indica que exploração sexual de homens representa 20% do total do tráfico de pessoas no Brasil.

 

 

Fonte:  Acritica

+ sobre o tema

OMS decreta emergência sanitária mundial por zika vírus e microcefalia

Para a Organização Mundial da Saúde, disseminação do vírus e...

Feministas indicam desafios para avanço das políticas para as mulheres

Em reunião com a ministra da Secretaria de Políticas...

Zumbi e dengue, por Sueli Carneiro

O dia 20 de novembro, data da morte do...

Graciliana Selestino Wakanã: ‘O que a gente quer é viver bem’

Graciliana Selestino Wakanã, do povo Xucuru Kariri, fala sobre...

para lembrar

Mulheres ganharão tanto quanto homens, mas só daqui a 136 anos

Levantamento mostra disparidade salarial entre gêneros nos EUA No O...

Cerca de 50 mil mulheres morrem por aborto clandestino ao ano

Grupos lutam para que ONU reconheça dia internacional dedicado...

Pergunte a um masculinista

No mundo atual, são poucas as pessoas que desconhecem...
spot_imgspot_img

Seminário promove debate sobre questões estruturais da população de rua em São Paulo, como moradia, trabalho e saúde

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...
-+=