Temer sugere que foi “obrigado a trair”, diz colunista do Globo

“Vejo, nas entrelinhas, uma velha estratégia masculina de inverter culpa e sugerir que foi ‘obrigado a trair'”, escreve Flávia Oliveira sobre a carta do vice à presidente Dilma Rousseff; ela questiona ainda: “Se há cinco anos o vice se sente desrespeitado pela presidente, por que aceitou encabeçar com ela a chapa da reeleição?”; para ela, “claramente, o vice abraça a possibilidade de assumir a Presidência”

No Brasil247 

Em uma análise sobre a carta do vice-presidente, Michel Temer, à presidente Dilma Rousseff, “vazada” à imprensa na noite desta segunda-feira, a jornalista Flávia Oliveira, colunista do jornal O Globo e comentarista na Globonews, afirma ver, “nas entrelinhas, uma velha estratégia masculina de inverter culpa e sugerir que foi ‘obrigado a trair'”.

Flávia questiona ainda: “Se há cinco anos o vice se sente desrespeitado pela presidente, por que aceitou encabeçar com ela a chapa da reeleição?”. “E, tendo feito, esperou pela mais grave crise institucional para desembarcar do governo e despejar suas mágoas”, comenta. Para ela, “claramente, o vice abraça a possibilidade de assumir a Presidência”.

Leia abaixo a íntegra do texto, publicado em sua página no Facebook:

REFLEXÕES NA MADRUGADA INSONE

“Sempre tive ciência da absoluta desconfiança da senhora e do seu entorno em relação a mim e ao PMDB”, escreveu Michel Temer na carta à Dilma, revelada pelo craque Jorge Bastos Moreno. E eram confiáveis o vice e seu partido? A carta repleta de mágoas me causou algumas impressões:

 

1) Temer escancarou a importância da distribuição de cargos nesse já carcomido sistema de presidencialismo de coalizão. Há pelo menos três parágrafos com referências a nomeações e distribuição de emendas. Tenho a impressão de que já fomos mais discretos (ou cinicos).

2) O vice ameaça Dilma, apresentando-se como o nome capaz de unificar o país, já que seria o único a dialogar com a oposição. Não é à toa que ele cita DEM, PSB e PV, legendas com colorações ideológicas variadas. Temer se coloca como herói do impeachment, para aglutinar o apoio de quem se sente desconfortável com as manobras de Eduardo Cunha. Vai ser difícil acreditar na imagem legalista que o vice gosta de exibir publicamente.

3) Se há cinco anos o vice se sente desrespeitado pela presidente, por que aceitou encabeçar com ela a chapa da reeleição? E, tendo feito, esperou pela mais grave crise institucional para desembarcar do governo e despejar suas mágoas. Claramente, o vice abraça a possibilidade de assumir a Presidência. Sublinha, inclusive, seu programa econômico, que sugere ter respaldo da sociedade.

3) Vejo, nas entrelinhas, uma velha estratégia masculina de
inverter culpa e sugerir que foi “obrigado a trair”. (Esta é uma observação de gênero. Muitos não entenderão.)

4) Por fim, como se diz nos procedimentos de emergência da aviação: “Em caso de despressurização, máscaras cairão”… No Brasil, agora, está tudo às claras, sem máscaras. É questão de escolher o lado.
‪#‎sigamos‬

+ sobre o tema

Leonardo Boff: Dez lições da crise brasileira

Toda crise acrisola, purifica e faz madurar. Que lições...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

A “selfie” de Obama e o jornalismo apressado

O presidente dos EUA não foi insensível e sua...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

para lembrar

Cigana rouba a cena em posse de ministros

Homens em terno escuro e mulheres usando tailleur se...

Predominantes na classe C, negros movimentaram R$ 760 bilhões em 2012

De cada 100 pessoas que entraram na classe C...

Kanye West é bom apesar das polêmicas que cria

Kanye West entrou para o hall dos encrenqueiros...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=