Tereza Ferraz: Simone de Beauvoir – Drop 1

As mulheres de hoje estão destronando o mito da feminilidade; começam a afirmar concretamente sua independência; mas não é sem dificuldade que conseguem viver integralmente sua condição de ser humano. Educadas por mulheres, no seio de um mundo feminino, seu destino normal é o casamento que ainda as subordina praticamente ao homem; o prestigio viril está longe de ser apagado: assenta ainda em sólidas bases econômicas e sociais. É pois necessário estudar com cuidado o destino tradicional da mulher. Como a mulher faz o aprendizado de sua condição,  como a sente, em que universo se acha encerrada, que evasões lhe são permitidas, eis o que procurarei descrever. Só então poderemos compreender que problemas se apresentam às mulheres que herdeiras de um pesado passado, se esforçam por forjar um futuro novo.

Quando emprego as palavras “mulher” ou “feminino não me refiro evidentemente a nenhum arquétipo, a nenhum essência imutável; após a maior parte de minhas afirmações cabe subentender: ” no estado atual da educação e dos costumes”.

Não se trata aqui de enunciar verdades eternas, mas de descrever o fundo comum sobre o qual se desenvoilve toda a existência feminina singular.

Texto retirado da Introdução – Beauvoir S – O Segundo Sexo

Tereza Ferraz é psicóloga

+ sobre o tema

As mulheres que chefiavam ‘empresas’ há 4 mil anos

Ahaha havia investido no comércio de longa distância entre...

Brasileira que foi empregada quando criança lidera empresa social em Londres

Mariana Schreiber O trabalho de Rosa Gonçalves como empregada doméstica...

20 ideias de como o mundo seria melhor se não houvesse assédio

Já faz parte da rotina feminina ter que mudar...

Machistas anônimos

acabo de fundar o MA, o Machistas Anônimos, alternativa terapêutica...

para lembrar

Ex-BBB Laércio é preso por estupro de vulnerável em Curitiba

Ex-participante do reality show vem sendo investigado há meses...

O feminismo e a primeira infância

Publicação reúne artigos que destacam a importância da perspectiva...

As indígenas nos mostram 305 novas maneiras (ou mais) de ser mãe

O som estridente das Kayapó corta a poeira e...

A cada 4 horas uma mulher é vítima de violência no Brasil

A cada 4 horas uma mulher é vítima de...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=