Tiradentes? E Lucas Dantas, Manuel Faustino, Luiz Gonzaga e João de Deus?

Domingo passado seria feriado, 21 de abril. A data celebra a Inconfidência Mineira. Todos se lembram de Tiradentes, lider deste movimento que defendia a independência do Brasil e, por isto, foi enforcado. O mártir da independência. Chegou a virar símbolo da resistência política e o lema do seu movimento hoje é a bandeira de um dos mais importantes estados da União, Minas Gerais. A representação social deste movimento é tão interessante que se buscou criar semelhanças entre Tiradentes e Jesus Cristo – a imagem desenhada de um e outro se assemelham, assim como a história da “traição” de Joaquim Silvério dos Reis lembra a de Judas. Há, assim, uma quase que “santificação” da figura de Tiradentes.tiradentes

na Revista Fórum

Agora, alguém se lembra ou sabe da INCONFIDÊNCIA BAIANA de 1798, movimento também chamado de Guerra dos Alfaiates, por conta da grande participação de negros e descendentes alfaiates, portanto um movimento de base popular e tinha como bandeira central, além da independência do Brasil, o fim da escravidão? Poucos se lembram, inclusive que o programa político dele era muito mais avançado que o do movimento mineiro. Principalmente que, enquanto a revolta mineira tinha origem em estratos médios e intelectuais, a baiana era de base popular e negra.

Os quatro líderes deste movimento foram enforcados em 8 de novembro de 1799 – Lucas Dantas (soldado), Manuel Faustino (aprendiz de alfaiate), Luiz Gonzaga das Virgens (soldado) e João de Deus (mestre alfaiate) – foram esquartejados e suas cabeças expostas ao público e as três gerações de familiares seguintes com a memória amaldiçoada publicamente. Antes da execução, os quatro jovens recusaram a extrema-unção do sacerdote católico por considerarem que a igreja não estava do lado deles.

conjuração baiana

Os quatro jovens, negros e, por isto, esquecidos pela história oficial do Brasil. Como muitos outros heróis e heroínas negros e negras, das periferias, que ainda hoje lutam por um país mais justo.

+ sobre o tema

John Gabriel Stedman e um escravo, após a captura da aldeia de Gado Saby

John Gabriel Stedman e um escravo, após a captura...

Heroísmo e discriminação: No passado, as duas faces do militarismo

Embora a história ao longo dos tempos nos tenha...

Escravidão, liberdade e racialização no Amazonas Imperial

por Padre Daniel Pedro Marques de Oliveira A história de africanos...

Escravidão foi berço do tráfico para exploração sexual

Livro traça panorama sobre delito presente em todos os...

para lembrar

O comércio de escravos um novo negócio(1444)

Agosto,08-A partilha de escravos na vila de Lagos As viagens...

Santa Catarina no Atlântico Negro – Por Beatriz Gallotti Mamigonian

Protagonismo e transformações culturais marcam a presença africana no...

Do Brasil africano à África brasileira

Em 1963, Alberto da Costa e Silva assistiu a...

“Não consigo entrar no Museu do Amanhã”

Ronilso Pacheco, interlocutor social da ONG Viva Rio, publicou...
spot_imgspot_img

Trabalho escravizado no Brasil mostra a cara de um país sombrio e violento

"Achei que tinha que viver isso por ser pobre". A frase é de um homem de 51 anos, Marinaldo Soares Santos, natural do estado...

Número de resgatados da escravidão dispara em 2023 e é o maior em 14 anos

O Brasil encontrou 3.190 trabalhadores em condições análogas às de escravo em 2023. O número é o maior desde os 3.765 resgatados em 2009. Foram...

Suíça defendeu escravidão no Brasil, revela documento; tema é tabu no país

Documentos oficiais revelam que o governo da Suíça sabia da existência de cidadãos do país que eram donos de escravos no Brasil e que...
-+=