TJ-SP anuncia aposentadoria da desembargadora Kenarik Boujikian

A desembargadora Kenarik Boujikian, do Tribunal de Justiça de São Paulo, vai se aposentar no próximo dia 8 de março. Sua última sessão de julgamento foi nesta segunda-feira (25/2), ocasião na qual recebeu homenagens de diversos colegas de classe.

no Conjur

Dra. Kenarik Boujikian
Imagem- TJ-SP – Com quase 30 anos de carreira, Kenarik Boujikian vai se aposentar do TJ-SP

A desembargadora integra a magistratura desde 1989. Em seu discurso nesta segunda, falou sobre as dificuldades enfrentadas pelas mulheres para ingressar na carreira e sobre como isso mudou ao longo do tempo. “Quando entrei, eram somente 29 mulheres. Hoje, contamos com cerca de 900 e, para que isso ocorresse, houve muita luta. Não falo apenas do Judiciário, mas de todos os setores da sociedade”, declarou.

Relembrando a promulgação da Constituição Federal, a desembargadora disse que pretende, “até o último momento na carreira, que o Poder Judiciário seja um instrumento concretizador das franquias constitucionais”.

Trajetória

Nascida na Síria e neta de sobreviventes do Genocídio Armênio, a desembargadora integra a magistratura desde 1989 e preside a Associações dos Juízes pela Democracia (AJD). Atuou nas comarcas de Piracicaba, São Bernardo do Campo, Pilar do Sul e Cajamar. Foi promovida ao cargo de juíza substituta em 2º grau em 2011 e ao cargo de desembargadora em 2017.

É especialista em Direitos Humanos pela Escola Superior da Procuradoria Geral do de São Paulo. Foi advogada da Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) e procuradora do Estado.

Processo administrativo

Com 28 anos de magistratura, Kenarik foi alvo de processo administrativo movido por um colega no próprio tribunal por ter posto em liberdade réus que estavam em prisão provisória há mais tempo do que o previsto na condenação que nem havia transitado em julgado. Por 10 votos a um, foi absolvida no CNJ, mas chegou a ser censurada pelo TJ por “ofender o princípio da colegialidade”, já que as decisões foram monocráticas.

Mais recentemente, nas eleições de 2018, a desembargadora foi oficiada pelo CNJ para explicar uma foto em que aparece com uma camiseta estampada com #elenão, dizeres de oposição a Bolsonaro. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-SP.

+ sobre o tema

Liderança indígena é assassinada no MS

Cacique da aldeia Guariroká é assassinado em Caarapó ...

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

A lente do comum

Ciclo aborda o tema do comum a partir de...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

para lembrar

Dado racial em documento trabalhista é passo no combate a desigualdades

Em 20 de abril de 2023, o governo federal sancionou...

Essas mulheres: Kenarik Boujikian

“É importante registrar que, de cada três mulheres presas,...

CARE

por Sueli Carneiro Cuidado, carinho, é o que a palavra...
spot_imgspot_img

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...
-+=