Todo dia é dia

ONU escolheu o 20 de março como a data internacional da felicidade. Ideia é lembrar que bem-estar não é só dinheiro

Por Flávia Oliveira, do O Globo

Foto: Marta Azevedo

A sexta-feira já ia longe quando a ficha caiu. Era Dia Internacional da Felicidade. Se não fui feliz, será que dá tempo? E o pensamento voou. Tudo culpa da ONU. Foi a Organização das Nações Unidas que, três anos atrás, plantou a caraminhola mundo afora. Em 2012, numa reunião com os 193 países-membros, o Butão sugeriu e a data vingou. O pequeno país asiático localizado entre a China e a Índia já se ocupava do tema havia quatro décadas. Foi pioneiro em sobrepor o bem-estar à riqueza financeira. O rei Jigme Singya Wangchuck decidiu, em 1972, que crescimento econômico não deveria ser o único objetivo de uma sociedade. Faltavam à equação variáveis psicológicas, sociais, culturais, ambientais e também espirituais. Nasceu assim o conceito de Felicidade Interna Bruta (FIB), sob as bênçãos do Pnud, agência da ONU para o desenvolvimento. A semelhança com o Produto Interno Bruto (PIB) não é mera coincidência.

Para o Dia da Felicidade, a ONU montou até trilha sonora. O secretário-geral, Ban Ki-moon, escolheu a canção “Signed, sealed, delivered”, de Stevie Wonder, e convidou a humanidade a fazer o mesmo, sob a hashtag #HappySoundsLike (“Como soa a felicidade”, em tradução livre). Djavan, Flávio Venturini, Geraldo Azevedo e Maria Rita foram alguns dos artistas brasileiros que convidaram fãs a aderirem à campanha.

A ONU já lançou duas edições do Relatório Mundial de Felicidade (WHR, na sigla em inglês), a primeira, em 2012. “Ranqueou” 156 países, com base numa pesquisa aplicada pelo Gallup. A Dinamarca encabeça a lista do Relatório 2013; Togo fecha; o Butão entrará na próxima edição. O Brasil aparece em 24ª, na frente da França. É país mais rico que feliz, já que está entre as dez maiores economias do planeta. Tem mais felicidade que desenvolvimento humano. É que o Brasil figura em 79º no IDH, termômetro de bem-estar criado pelo indiano Amartya Sen, Nobel de Economia em 1998. O indicador tem como base estatísticas de renda, escolaridade e esperança de vida.

O FIB é mais ambicioso. Leva em conta, além do padrão financeiro, indicadores de saúde, educação, cultura, meio ambiente, governança, bem-estar psicológico e uso do tempo. Este último nunca fez tanto sentido no Brasil, em particular no eixo Rio-São Paulo. Não dá para ser feliz com tanto engarrafamento e tão pouca qualidade nos transportes de massa.

Dois economistas da FGV-SP, Fabio Gallo Garcia e Wesley Mendes da Silva, trabalham desde 2012 na criação de um índice de bem-estar para o país (WBB, do inglês Well Being Brasil). Na primeira pesquisa, em 2013, consultaram 786 pessoas na capital paulista. A satisfação média com a vida atual, numa escala de um a cinco, ficou em 3,69. Àquela altura, o otimismo era maior com o futuro, que marcava 4,19. A intenção é estender o levantamento a outras regiões.

Conceitos e métricas à parte, felicidade é matéria subjetiva. Varia de irmão para irmão. Os economistas já sabem que, sem uma quantidade mínima de dinheiro, é impossível ser feliz. Mas também confirmaram que todo o dinheiro do mundo não traz felicidade. É meta diária, incessante. A colunista aqui, faz tempo, jurou que viverá tentando. Até a noite derradeira. A ONU estabeleceu o 20 de março como Dia da Felicidade e o 21 como Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial. Caiu ontem. Mas cada amanhecer é pretexto para ser feliz e combater o preconceito. A data é sempre hoje.

 

+ sobre o tema

Marieta Severo fala de papel na novela, racismo e dos ataques que sua família recebe nas redes

Atriz cita retrocessos na sociedade, celebra ressurgimento do feminismo...

DEM: Candidato de R$ 92 mi está preso por estelionato

Por: BRENO COSTA Selmo dos Santos (DEM-SP), dono declarado...

Às agressões humanas, a Terra responde com flores

Mais que no âmago de uma crise de proporções...

Lula chega a 47% na Vox Populi; maioria considera prisão injusta

“A prisão de Lula, da forma como ocorreu, parece...

para lembrar

Não acredito no demônio. Só na intolerância da bancada evangélica – Leonardo Sakamoto

por Leonardo Sakamoto “Índio nasce índio, não tem...

Marielle tem primeira lei sancionada após sua morte

Foi sancionada nesta terça-feira pelo prefeito Marcelo Crivella a...

Gestão Arruda desviou R$ 1 mi do Bolsa Família, afirma CGU

Segundo auditoria, verba para administrar o programa foi usada...

Nina Simone: a arte contra o racismo

O movimento dos direitos civis é um dos momentos...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Militares no alvo

Nada na operação da Polícia Federal ontem chamou mais a atenção que o envolvimento da alta cúpula militar do governo Jair Bolsonaro na trama golpista. As...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=