quarta-feira, outubro 5, 2022
InícioÁreas de AtuaçãoComunicaçãoTráfico de drogas sob as lentes do jornalismo

Tráfico de drogas sob as lentes do jornalismo

As histórias do tráfico nem sempre são contadas. Jornalistas de peso, o brasileiro Caco Barcellos e o britânico Misha Glenny se reuniram na Tenda dos Autores e reviveram o processo de reportagem para livros seus que trataram do assunto. Respectivamente, Abusado: o dono do Morro Santa Marta e O Dono do Morro, biografia do traficante carioca Nem lançada na Flip. Sob o título “Os olhos da rua”, a mesa atravessou temas cruciais como política de combate às drogas, desigualdade social e desafios da prática jornalística nos dias de hoje.

Do Flip

“Eu estava no Rio quando o Nem foi preso, foi curioso. Eu vi como a metade da cidade o considerava um demônio e outra metade o considerava um herói, um Robin Hood”, lembrou Misha. Caco, por sua vez, contou das críticas que recebeu ao publicar a obra, entre elas a de dar voz a um bandido. “E eu perguntava: ‘então, por que no caso de um governador que desvia grandes quantias de verba você dá voz a esse tipo de pessoa?'”.

 

Para entrevistar Nem, Glenny aprendeu português e instalou-se como morador da Rocinha. “Você tem que experimentar o saneamento a céu aberto, o barulho, o cocô de cachorro por todos os lados. E eu, já um inglês de 50 e poucos anos, não foi fácil”, ironizou. Embora tenha atuado como repórter de guerra – mencionou especialmente sua cobertura na ex-Iuguslávia –, frisou a gravidade do que acontece no Brasil. “Acho que a UPP está colapsando. Na Rocinha, na Maré, no Complexo do Alemão e em outras favelas. Acho que a situação ficará estável até o fim dos jogos olímpicos, mas quando o mundo tirar os olhos, ninguém pode prever o que vai acontecer no Rio de Janeiro.”

 

Ao abordar a questão da descriminalização das drogas, Caco foi enfático. “Eu repetiria aqui um conceito que alguns intelectuais do Rio estão levando à frente, que é: ‘quem proíbe drogas está a favor do tráfico’. Concordo totalmente.” E avançou no argumento: “É muito hipócrita você fazer o combate as drogas tirando dele o álcool, grande responsável pelas morte no Brasil. Acho de uma hipocrisia preocupante”.  O debate foi aplaudido de pé ao final.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench