Turbante é companheiro das mulheres negras

Turbantes! Quantas discussões religiosas e sociais já circularam sobre ele, heim? Eu olho pelas lentes da moda, da estética e da sociedade: o turbante foi refúgio, casulo e cuidado para os cabelos em processo de transição capilar, de aceitação dos fios! Há 6, 8 anos atrás, muito mais mulheres usavam turbante, qualquer tecido ia para as cabeças e novas amarrações eram assunto empolgantes!

No entanto, o desrespeito da branquitude e a intolerância religiosa estiveram presentes em todo momento. Mas o principal é que ele foi muito importante pra muitas de nós, mulheres pretas e negras, E AINDA É. Mas estamos em outro momento! O turbante ainda é peça requisitada. Mas hoje de outro lugar!

Cabeças, cabelos ainda são cobertos por ele, mas dessa vez muitas vezes com a intenção de proteção, não de omissão, não de escondê-lo!

Os tecidos são mais bem selecionados, ainda bem! Porque se tem algo repetidamente falado e aprendido é que “turbante é coroa” e por isso agora queremos coroas incríveis!

Muitas transições terminaram, muito orgulho dos cabelos crespos e cacheados começaram. Ocultá-lo sob um turbante se tornou uma decisão mais difícil!

E o respeito? Aumentou? Será que mais gente tem consciência da enorme importância cultural dessa peça? A conexão que ela tem com a religiosidade?

Será que a branquitude já se conformou que nem tudo é sobre eles?

Disso eu tenho dúvida, mas carrego uma certeza: o turbante marca e marcou um período histórico, foi e é peça companheira de mulheres pretas, está como sempre esteve nos terreiros de axé. É lindo, protege e conta história!

Nossos passos vêm de longe e pra longe vão, a moda negra não nos deixa esquecer!


Ana Paula Xongani (Foto: Divulgação)

Ana Paula Xongani é multiempresária: no Ateliê Xongani, de moda afro-brasileira, e também na empresa que leve o seu nome, de criação de conteúdo. Apresenta o programa Se Essa Roupa Fosse Minha, no GNT, sobre moda consciente. Fala com leveza e responsabilidade sobre temas sempre importantes para que todo mundo junto construa um mundo mais justo e acolhedor para todos, especialmente para as mulheres pretas. Ativismo afetivo, como costuma dizer.

+ sobre o tema

PL que criminaliza homofobia vai ser arquivado no Senado

Por questões regimentais, o projeto de lei que criminaliza...

Jovem é assassinada pelo ex depois de mudar de cidade

A vítima havia se separada por conta de ter...

Revista dos EUA para negras investe em eventos para aumentar receita

Voltada a mulheres da classe AA, 'Essence' tem 1,05...

para lembrar

Tássia Reis, lacra em comercial da Avon

"Ser a gente mesmo além de delicioso pode ser...

A solidão e falta de esperança do preto gay

Desde cedo, eu nunca tive muitas figuras de preto...

Beth Beli: o pertencimento do tambor

Nascida na Brasilândia, zona norte de São Paulo, Elisabeth...

10 mulheres negras ativistas de destaque no Brasil

Sabemos que existem muitas mulheres negras brasileiras que contribuem...
spot_imgspot_img

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...

Bebê nasce com o DNA dos dois pais no dia do combate à homofobia

Antonella nasceu em uma data simbólica e de resistência, 17 de maio, quando é celebrado o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia....
-+=