Turca mata o marido após ele tentar mandá-la a prostíbulo e vira símbolo em redes sociais

Mulher de 28 anos foi presa pelo assassinato e disse não ter arrependimentos

Do Revista Marie Claire

A turca Çilem Doğan, de 28 anos, colocou seus polegares para cima ao ser presa, acusada da morte de seu marido Hasan Karabulut, de 33 anos. Ela ainda usava uma camiseta com os dizeres: “Caro passado, obrigada por todas as lições. Caro futuro, estou pronta.” Ela teria dito aos investigadores que não se arrependia do que tinha feito.As informações são do jornal local “Hurriyet Daily News”.

Investigadores disseram ao jornal que Doğan havia sido abusada durante todo seu casamento e registrou ocorrências na delegacia. A gota d’água foi quando o marido disse para ela fazer as malas porque estava pensando em levá-la para a cidade de Antalya e transformá-la em prostituta para ganhar dinheiro. Quando ela protestou, ele a atacou.

“Quando me opus, ele me bateu, me empurrou sobre a cama. Foi quando a pistola debaixo do travesseiro veio em minha mente. Atirei repetidamente. Peguei minha filha e deixei a casa”, disse Doğan em depoimento à polícia.

Investigadores disseram ao jornal que Doğan havia sido abusada durante todo seu casamento e registrou ocorrências na delegacia. A gota d’água foi quando o marido disse para ela fazer as malas porque estava pensando em levá-la para a cidade de Antalya e transformá-la em prostituta para ganhar dinheiro. Quando ela protestou, ele a atacou.

“Quando me opus, ele me bateu, me empurrou sobre a cama. Foi quando a pistola debaixo do travesseiro veio em minha mente. Atirei repetidamente. Peguei minha filha e deixei a casa”, disse Doğan em depoimento à polícia.

Ela disse que a violência começou antes de o casamento completar um mês e continuou por anos. Doğan narrou outro episódio, no qual o marido a levou para uma floresta, a espancou e disse que ela teria que virar prostituta. Ela ficou prisioneira até que sua mãe descobriu o que estava acontecendo e ameaçou chamar as autoridades.

Quando ela foi libertada, Doğan disse que planejava deixar o marido, mas descobriu que estava grávida e acabou ficando com ele. Na gravidez, as surras continuaram e ele teria batido nela até no hospital, quando ela estava dando à luz sua filha.

PLP 2.0 – Aplicativo para coibir a violência contra a mulher

Depois que foi presa, na quinta-feira passada, Doğan disse aos investigadores que sentia que havia feito o que deveria fazer. “Será que as mulheres sempre têm que morrer? Deixe alguns homens morrer também. Matei-o pela minha honra”, disse ela.

A história de Doğan logo se espalhou pela web, e, pelo Twitter, mulheres sobreviventes de violência doméstica se manifestaram em favor dela.

+ sobre o tema

Choque de antirracismo

Mário Covas (1930-2001) disse que o Brasil precisava de um...

História da África

Invariavelmente alguns jornais vêm se manifestando contra diferentes medidas...

Morte de Marielle Franco não é melodrama

Há mais de um mês o Exército brasileiro assumiu...

Nós queremos é falar sobre poder!

“No momento em que o excluído assume a própria...

para lembrar

Escrita de Mulheres Negras em quarentena: autocuidado e sobre(vivência)

Reconhecemos a existência de um vasto campo literário produzido...

Nepal introduz pela primeira vez o terceiro gênero no censo; entenda

O Nepal introduziu pela primeira vez o terceiro gênero em seu...

Presidenta Dilma abre a 3ª Conferência Nacional de Políticas para Mulheres

A Presidenta da República, Dilma Rousseff, fez a abertura...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=