Um ato de resistência

Conceição Evaristo revelou que chora ao escrever determinados textos

Escrever é uma maneira de sangrar. A sentença escolhida pela escritora Conceição Evaristo para concluir o conto “A gente combinamos de não morrer”, do livro “Olhos d’Água” (editora Pallas), serviu também para que essa gigante da literatura brasileira —a quem tive a oportunidade de entrevistar no programa Roda Viva, da TV Cultura, que foi ao ar na segunda passada (6)— revelasse que chora ao escrever determinados textos. “É uma dor…”

Quem conhece a obra de Conceição entende bem o porquê. Dedicada à literatura negra, seus livros contêm registros do cotidiano daqueles brasileiros que enfrentam um dia a dia marcado pelo preconceito, pelo desamparo, pela miséria e pela fome. Tudo é relatado a partir do que ela chama de escrevivência.

Talento reconhecido nacional e internacionalmente, com publicações em cinco idiomas (português, inglês, francês, árabe e espanhol), Conceição Evaristo sabe como ninguém que a escrita é um ato de resistência. E entende que, no caso das mulheres negras, a palavra revela uma trajetória da comunidade ligada à diáspora africana que a história como ciência por vezes despreza.

“Vejo a escrita inclusive como ato de nossa fundação como pessoas na nacionalidade brasileira”, disse ela durante o Roda Viva. Nesse contexto, para pretos e pardos, escrever e publicar torna-se um ato político. “Hoje nós negros incomodamos muito mais.”

Faz sentido considerando o silenciamento imposto a vozes negras durante séculos. Sob a perspectiva histórica, pode-se dizer que escrever é tão importante que o primeiro embate entre colonizador e colonizado foi o linguístico, como observou Conceição numa outra ocasião.

O registro por escrito, além de importante, é uma excelente forma de externalizar e lidar com traumas que perpassam gerações e causam danos psicológicos tão profundos quanto as feridas abertas pelos castigos físicos de outrora.

Salve Conceição Evaristo, uma referência e uma inspiração!


Ana Cristina Rosa

Jornalista especializada em comunicação pública e coordenadora da Associação Brasileira de Comunicação Pública (ABCPÚBLICA) – Seção Distrito Federal.

+ sobre o tema

O PL 5069/2013 e suas distorções

Neste momento de aguda contradição entre sociedade civil e...

Leci Brandão: ‘Orgulho de ver tanta representatividade na avenida’

A cantora Leci Brandão, 77, celebrou o retorno do...

Feminismo pra que? Mulheres se unem contra a violência

"Feminismo pra que?" Contestam alguns sobre a relevância da...

A conferência sobre o racismo, por Sueli Carneiro

A ONU decidiu convocar a III Conferência Mundial contra...

para lembrar

Nota de Apoio do Fórum de Homens Capixabas pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Nós, participantes do Fórum de Homens Capixabas pelo Fim...

Racismo e misoginia na USP-RP: Basta!

Mais uma vez mulheres negras e pessoas negras são...

Unesp lança guia contra assédio no ambiente acadêmico

Ao todo, 5 mil exemplares estarão em circulação na instituição Por Letycia...

#AgoraÉQueSãoElas: ‘A gente quer as mesmas leis do mundo dos homens’

#AgoraÉQueSãoElas é uma semana de mulheres ocupando os espaços...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=