Um em cada cinco mortos em São Paulo é vítima da Polícia

O aumento da repressão por parte da Polícia Militar em São Paulo não é apenas uma percepção e tampouco esse tipo de abordagem é voltada somente para reprimir movimentos sociais, como o observado no caso do Pinheirinho, da Cracolândia e da USP. Reportagem publicada pela Folha de S. Paulo, nesta sexta-feira (27), informa que, das 1.299 pessoas mortas na capital no ano passado, 290 foram atingidas por PMs — 22,3% do total.

Isso significa que, uma em cada cinco pessoas assassinadas na capital paulista, em 2011, foi morta por um policial militar, estivesse ele em serviço ou não. Essa é a maior média de mortos por PMs desde 2005, proporcionalmente ao total de pessoas assassinadas na cidade.

De acordo com um levantamento feito em 2011 pela Ouvidoria da Polícia de São Paulo, entre 2005 e 2009 a PM do Estado matou mais do que todas as polícias dos EUA juntas. Em 2009 houve um aumento de 41% do número de casos de “resistência seguida de morte” frente a 2008: 524 pessoas foram mortas pela Polícia Militar de São Paulo, contra 397 no ano anterior.

Mães de maio

A imunidade de que gozam estes policiais preocupa. Em maio de 2006 mais de 500 pessoas foram assassinadas, e no mínimo quatro desapareceram no Estado durante os oito dias de confrontos entre a polícia civil e militar e o PCC (Primeiro Comando da Capital).

Somente na cidade de Santos, no litoral paulista, houve mais de 70 mortes, sendo que as investigações desses casos foram falhas e praticamente todos os casos foram arquivados, segundo a associação Mães de Maio. A chacina de maio fez mais vítimas do que a última ditadura militar brasileira no país inteiro nos 25 anos que ela perdurou (1964-1988). As mães lutam até hoje, quase seis anos após os acontecimentos, por verdade e justiça.

Negros são principais vítimas

Cabe ressaltar que essa violência tem ainda um recorte racial. De acordo com o estudo “Mapa da Violência 2012 —os Novos Padrões da Violência Homicida no Brasil”, feita em todo o país e coordenada pelo prof. Julio Jacobo Waiselfisz, em cada três pessoas assassinadas, entre 1998 e 2008, duas eram negras, sendo a maioria de jovens pobres do sexo masculino, entre 15 e 24 anos. Segundo o levantamento, em 2008 morreram 103% mais negros que brancos. Dez anos antes, em 1998, essa diferença já existia, mas era de 20%. O estudo revela ainda que de 2005 para 2008 houve uma queda de 22,7% nos homicídios de pessoas brancas; entre os negros, as taxas subiram 12,1%.

Vítimas da “democracia”

Além disso, outras chacinas ocorridas no país seguem impunes como o Massacre do Carandiru (1992) — o maior masscre carcerário da história do país, até hoje sem o devido julgamento e respectiva responsabilização; a Chacina da Candelária (1993) — dado o simbolismo e a repercussão do extermínio de crianças e adolescentes que dormiam na frente de uma das principais igrejas no centro do Rio de Janeiro; e o Massacre de Eldorado dos Carajás (1996) — a mais violenta matança no campo desta era democrática no Brasil, que também segue impune, mesmo tendo vitimado dezenas de trabalhadores rurais sem-terra que lutavam por seus direitos.

Da Redação do Vermelho,

Vanessa Silva, com informações da Folha de S. Paulo e das Mães de Maio

 

Fonte: Vermelho

+ sobre o tema

Poesia: Ela gritou Mu-lamb-boooo!

Eita pombagira que riscaseu ponto no chãoJoga o corpo...

Geledés participa do I Colóquio Iberoamericano sobre política e gestão educacional

O Colóquio constou da programação do XXXI Simpósio Brasileiro...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no...

para lembrar

spot_imgspot_img

Negros são maioria entre presos por tráfico de drogas em rondas policiais, diz Ipea

Nota do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que negros são mais alvos de prisões por tráfico de drogas em caso flagrantes feitos...

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Caso Marielle: mandante da morte de vereadora teria foro privilegiado; entenda

O acordo de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), não ocorreu do dia...
-+=