Um mapa aponta os lugares mais perigosos para as mulheres no Brasil

Pela internet, campanha incentiva a denúncia dos casos de assédio sexual e cantadas em lugares públicos

Enquanto algumas mulheres fazem um esforço para vencer o medo e prestar queixa de assédio sexual em casa, nas ruas ou no trabalho, e, principalmente depois que os casos de “encoxamento” no transporte público brasileiro vieram à tona, o que surge agora é um mapa virtual mostrando os lugares mais perigosos para as mulheres no quesito assédio.

A iniciativa é o think tank Think Olga, um coletivo comandado por mulheres que, no ano passado, lançou a campanha “chega de fiu-fiu“. Por meio de uma pesquisa de alcance nacional, a campanha denunciou o quanto as mulheres simplesmente não gostam, não acham legal e não querem ser incomodadas nas ruas com as cantadas dos homens que, muitas vezes, são verdadeiros casos de assédio sexual.

Lançado neste mês, o mapa é um segundo passo dessa pesquisa que “luta contra o assédio sexual em locais públicos”. Depois de constatar o quanto as mulheres se incomodam nas ruas, agora elas podem apontar em quais cidades e regiões os ataques são mais comuns e tipificar o assédio.

É preciso entrar no site e usar as seguintes categorias para classificar o tipo de assédio: assédio verbal, assédio físico, ameaça, intimidação, atentado ao pudor (masturbação em público), estupro, violência doméstica e exploração sexual. Além disso, é possível incluir as categorias de crime como racismo, homofobia e transfobia para compartilhar sua história ou mesmo denunciar algo que viu. Por meio do Google maps, os mapas do Google, é possível apontar exatamente onde o crime ocorreu.

Além de fazer uma denúncia, também é possível consultar uma cidade brasileira e saber o quão insegura ela é para as mulheres de acordo com a quantidade de depoimentos.

O mapa embora seja uma iniciativa inédita no Brasil, é uma ideia difundida em outros lugares no mundo, como nos Estados Unidos, por meio da Hollaback, por exemplo, entidade que luta contra o assédio às mulheres nas ruas por meio de campanhas e pesquisas parecidas com as do Think Olga.

Chega de fiu-fiu

A pesquisa “Chega de fiu-fiu”, realizada em agosto do ano passado com mais de 7.000 mulheres brasileiras constatou, entre outros dados, que 83% das mulheres não acham a cantada algo legal, 33% delas já receberam cantadas no trabalho, 81% já deixaram de fazer algo como, por exemplo, passar na frente de uma obra, por medo de assédio, 90% já trocaram de roupa antes de ir a algum lugar pensando no medo do assédio, apenas 27% responderam aos assédios que ouviram na rua e 68% já foram xingadas porque disseram não às cantadas de alguém. “Mal comida” e “gorda” foram alguns dos xingamentos recebidos.

Os números, embora preocupantes, ficam pequenos quando se aproximam dos depoimentos que podem ser lidos no mesmo site. Agora, por meio do mapa, será possível um olhar mais real para cobrar por uma solução.

Fonte: El Pais

+ sobre o tema

No dia da Mulher Negra, queremos projetos que ponham a vida em 1º lugar

Neste dia da mulher negra latino americana e caribenha,...

Mulheres saúdam sanção da Lei do Estupro: Lufada de esperança

Nas duas últimas semanas a presidenta Dilma Rousseff  tomou...

Homem negro sente dor? — Masculinidade negra, emoções e o cuidado de si.

Sim. Homem negro sente dor. Homem negro sente medo....

Salvador registrou 234 casos de abusos em 234 dias do ano

A Bahia lidera o ranking de denúncias de violência...

para lembrar

Adele sobre amamentação: ‘A pressão em cima de nós é absolutamente ridícula’

No show que aconteceu na última terça-feira (22) na...

Na pandemia, aumentam denúncias de empregadas domésticas mantidas em cárcere privado

Na última quarta-feira (13), a Polícia Civil do Rio...

A luta das mulheres não acontece só no sudeste – Por: Jarid Arraes

Apesar de haver muitas correntes e vertentes ideológicas feministas,...

Em nome da liberdade, homens são proibidos em vilarejo do Quênia

Cansadas de serem violentadas, mulheres se fecham em uma...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=