Um princípio de diversidade humana na novela Lado a lado – por Cidinha da Silva

por Cidinha da Silva

O núcleo negro de vilões de Lado a lado apresenta características diversas e interessantes do ponto de vista humano, dramatúrgico e racial. Caniço (Marcello Melo Junior) começou a novela como um capoeirista sem personalidade, mero interessado em auferir pequenas vantagens em tudo, um desonesto insinuante. Ganhou espaço na trama, passou de cético seguidor de Zé Navalha (Lázaro Ramos) a grande bandido e mau caráter negro da trama, com cartel respeitável de vilanias a serviço dos brancos.
Zenaide (Ana Carbatti) transformou-se de coadjuvante manipulada pelas maldades da irmã, Berenice (Sheron Menezzes), em vilã autoral, protagonista de maus tratos dirigidos a Elias (Afonso Nascimento Neto), o filho raptado de Isabel (Camila Pitanga). O crescimento do espaço ocupado por Zenaide a cada capítulo parece ser decorrente da ótima interpretação de Ana Carbatti que empresta à personagem amargura ímpar. A caracterização de Zenaide é tão fantástica que quando vejo uma fotografia de Ana na vida real, não consigo enxergá-la como Zenaide. Isso, a meu juízo, é construção impecável de personagem.

Berenice, por sua vez, é a vilã-mor e está ganhando mais espaço. Seu papel é fundamental para o sucesso do folhetim. Para que a mocinha brilhe, uma antagonista é necessária. Neste caso, uma mulher linda, tão linda quanto Isabel, mas desfocada, invejosa, maledicente, destruidora, perversa, contraposta a tudo de bom e nobre que a mocinha negra representa. O coração ruim de Berenice, suas frustrações, também nos movem a amar Isabel, para além de suas características altruístas.

A performance de Berenice como quitandeira nas ruas do Rio cenográfico desperta em alguns críticos o sentimento de que os autores escorregarão e estereotiparão a mulher negra, à medida que a bela moça comece a seduzir os homens enquanto trabalha com o tabuleiro de quitutes. Eu sou do time das que não vêem estereotipia nisso pelo fato simples de que a personagem de Berenice comporta esse tipo de atitude, algo que faz parte da diversidade humana de mulheres negras e brancas.

Esse passo se enuncia também importante no enfrentamento do racismo. Somos diversos, não somos apenas Zé Maria, Jurema (Zezéh Barbosa), Afonso (Milton Gonçalvez) e Isabel. Somos também Caniço, Zenaide e Berenice. Somos Joaquim Barbosa e Celso Pitta.

Só não podemos perder o tempo da História e as nuances de tratamento à diversidade humana de brancos e negros. Quando Celso Pitta foi justamente condenado por corrupção, decretou-se sua morte política e pessoal. Os antigos amigos e padrinhos (esse tipo de personagem negro não tem seguidores, ele segue, apenas) o abandonaram na arena dos leões justiceiros, relegaram-no ao ostracismo e à decadência moral, física, por conseguinte, e à morte dolorosa, afinal.

Muita gente boa, tida e havida como gente decente e pensante, foi para os holofotes da mídia vociferar que nunca mais votaria em negros para cargos diretivos. Eram testemunhas participativas do resultado do voto em Pitta. Curioso ou compreensível pelas normas racializadas que nos regem é que os corruptos brancos não mereceram, tampouco merecem tratamento semelhante. Estão aí, em plena atividade, felizes, corados e saltitantes, Collor, Sarney e Renan Calheiros.

 

+ sobre o tema

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança...

para lembrar

Coxinha com doutorado em elitismo

    Adamastor   O Rio de Janeiro se...

O povo está cansado de políticos que agem como imperadores

Eu só vejo vantagens em eleições. Gosto da época...

Dilma diz que se sente cada vez mais paulistana

No Estado em que o PT enfrenta o desafio...

Obama é aprovado por 48%, mas economia preocupa, diz pesquisa

Para 74% dos entrevistados, EUA continuam em recessão. E 50%...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...

Fome extrema aumenta, e mundo fracassa em erradicar crise até 2030

Com 281,6 milhões de pessoas sobrevivendo em uma situação de desnutrição aguda, a ONU alerta que o mundo dificilmente atingirá a meta estabelecida no...
-+=