Uma crônica sobre o samba na periferia

Embora a vida na periferia tenha inúmeros obstáculos, nós, moradores, sempre procuramos maneiras para nos divertirmos, e o “samba de mesa” que organizamos na comunidade serve como exemplo. Esse evento, aos domingos à tarde, tem ajudado a espantar o clima pesado da “correria” no cotidiano dos moradores, afinal, conseguir o sustento da família, atualmente, está sendo heróico e desgastante.

Por Ricardo Corrêa enviado para o Portal Geledés

Foto: Font Squirrel

Na praça do bairro, montamos barracas, mesas e cadeiras, e os equipamentos de som; depois de tudo organizado, iniciamos a batucada na percussão − pandeiro, tantan, tamborim − junto ao som do cavaco e banjo. Os primeiros acordes contagiam e seduzem os ouvidos mais sensíveis que passam nas proximidades da praça.

Não demora, e começa a aglomeração de homens, mulheres, crianças e casais, muitos batendo na palma da mão e unindo-se ao vocal da roda de samba. O alto astral é indescritível, sendo quase impossível ficar parado. Ainda tem aqueles que arriscam um “miudinho” à la Carlinhos de Jesus, ou muito longe disto, mas o importante é não passar vontade: dance bem ou dance mal.

Em pouco tempo o local fica lotado e os frequentadores distribuem muitas risadas em meio a vários assuntos, dentre eles: baladas, futebol, “pegação”, política, trabalho, ou seja, tem conversa para todos os gostos; apesar de alguns preferirem só observar o movimento ao sabor de aperitivos e petiscos. As crianças se divertem, aproveitando os brinquedos que há na praça: balança, escorregador, gangorra e traves para um jogo de bola.

O samba é tão atrativo que diversas pessoas que assumem gostar de outros gêneros musicais participam do evento. Os “botecos” situados ao redor da praça comemoram o aumento das vendas de comidas e bebidas; a galera que sobrevive de recicláveis também, porque muitas latas vazias são encontradas no local.

É tanta alegria que até parece que os frequentadores não têm problemas, mesmo sendo por algumas horas o ambiente transcende a alma e faz sentirmos muito bem. Nesse clima não tem diferença ser negro ou branco, pobre ou menos pobre, homem ou mulher, jovem ou idoso, estamos todos “juntos e misturados” buscando apenas a curtição.

No repertório da roda de samba tem Beth Carvalho, Candeia, Fundo de Quintal, Zeca Pagodinho, Jovelina Pérola Negra, entre outros artistas. Mas, infelizmente, às horas vão passando e quando está bem à noitinha a galera começa a se dispersar.

Muitos se recolhem para as suas casas, pois no outro dia recomeça a luta por sobrevivência. Assim, com a diminuição do público, e o horário avançado, o samba é encerrado. Às vezes penso que a energia do “samba de mesa” é um fenômeno nacional, um escape que revigora os desafortunados em qualquer lugar que ocorra.

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

 

+ sobre o tema

Lançamento do livro/CD/DVD ‘O Jongo do Tamandaré’

    Saiba Mais:  Jongo Cacuriá AS DANÇAS...

Gal Martins: O movimento que faz a diferença

Como Gal Martins levou a linguagem da dança contemporânea...

Sessão solene pelo centenário do “Sambista Pé Rachado”

O sambista Pé Rachado se vivo completaria 100...

para lembrar

Documentário aborda preconceito contra cantoras negras no Heavy Metal

  Um novo vídeo jornalístico da Global Television foca...

A música política do Rapper Azagaia – por Joseh Silva

Em letras de enorme sucesso, e num estilo que...

Cinema de cabelo duro

"Pelo Malo" traça vasto panorama da sociedade venezuelana...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

“O batuque da caixa estremeceu”: Congado e a relação patrimonial

“Tum, tum-tum”, ouçam, na medida em que leem, o som percussivo que acompanha a seguinte canção congadeira: “Ô embala rei, rainha, eu também quero...
-+=