Uma mulher foi espancada por 4 horas por um homem que conheceu nas redes sociais

O agressor foi preso em flagrante por tentativa de feminicídio.

por Grasielle Castro no HuffPost

mulher espancada durante 4  horas  por um homem que ela conheceu na iinternet
reprodução:facebook

A paisagista Elaine Perez Caparroz, 55 anos, foi espancada por quase 4 horas por um homem que conheceu nas redes sociais. O caso, divulgado pelo Fantástico, resultou na prisão em flagrante de Vinícius Batistas Serra, 27 anos, por tentativa de feminicídio, e na hospitalização de Elaine. Ela ficou desfigurada e vai precisar de cirurgia reparadora.

De acordo com Rogério Perez, irmão da vítima, Elaine está com uma fratura no nariz, que dificulta a respiração, e outras no globo ocular, na face e no maxilar, além de ter tido os dentes quebrados.

O agressor afirmou aos policiais que dormia com a vítima, acordou e teve um surto. A Polícia entendeu que Vinícius espancou Elaine por ela ser mulher.

Violência sem fim

Segundo Elaine, ela conheceu Vinícius pelas redes sociais, os dois trocavam mensagem há cerca de 8 meses e marcaram um encontro, um jantar na casa dela. No hospital, ela disse que ele perguntou se podia dormir na casa dela, ela disse que sim. “Eu acordei com ele me esmurrando a cara. Ele foi tentar me dar um mata leão, coloquei as mãos para não deixar ele concluir e ele me mordeu.” As agressões continuaram.

Ainda de acordo com a reportagem, os vizinhos ouviram os gritos de Elaine, avisaram ao porteiro, que foi ao apartamento. Quando ele chegou, Vinícius não estava mais, mas os demais funcionários da portaria conseguiram impedir que o rapaz deixasse o prédio.

No Instagram, o lutador Rayron Gracie, filho de Elaine, fez uma homenagem à mãe.

A lutadora Kyra Gracie pediu justiça e lamentou que ainda há pessoas que se perguntam “o que ela deve ter feito para ele fazer isso”. “A sociedade e a Justiça não podem mais permitir que psicopatas como esse permaneçam impunes e em convívio com a sociedade”, disse.

Feminicídio

A cada 6 horas uma mulher é vítima de feminicídio no mundo, segundo relatórioda ONU (Organização das Nações Unidas).

A pesquisa aponta que, em 2017, 87 mil mulheres foram vítimas de feminicídio e mais da metade delas (58%), cerca de 50 mil, foram mortas por conhecidos, companheiros, ex-maridos ou familiares. A conclusão é de que o lar é o ambiente mais violento para as mulheres.

O relatório “Assassinato de gênero de mulheres e meninas” destaca que os assassinatos de mulheres por parte dos seus companheiros faz com que o lar seja o “lugar mais perigoso” e que, sendo assim, ”é frequentemente a culminação de uma violência de longa duração que precisa ser combatida”.

Leia também:

https://www.geledes.org.br/casos-de-feminicidio-na-bahia-chamam-atencao-para-como-identificar-relacoes-patologicas/

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher - Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS
Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher – Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS

+ sobre o tema

O retorno do goleiro Bruno, entre a ressocialização e o cinismo

Atleta condenado pelo assassinato de Eliza Samudio é novamente...

Conectas cobra apuração rígida de mortes provocadas por ação da PM

Operação em Paraisópolis evidencia descaso da segurança pública com...

Pandemia amplia canais para denunciar violência doméstica e buscar ajuda

Entre as consequências mais graves do isolamento social, medida...

para lembrar

Intervir em briga de casal pode salvar vida, diz juíza

A advogada Tatiane Spitzner, 29, foi encontrada morta no...

Uma vida inteira pelo fim da violência contra a mulher: A luta de Jacira Melo

Diretora do Instituto Patrícia Galvão defende acesso à informação...

Justiça do RJ registra mais de 22 mil processos de violência contra a mulher em dois meses

O levantamento contabiliza apenas os primeiros meses de 2019....
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Morte de artista circense Julieta Hernández põe em discussão os direitos da mulher viajante; veja outros casos de violência

O Fantástico deste domingo (14) mostrou como a morte de artista circense Julieta Hernández reacendeu a discussão sobre os direitos da mulher. Jussara Botelho...

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios do que armas ilegais no Distrito Federal. Os dados, levantados pelo Metrópoles, mostram que o...
-+=