Guest Post »

Casos de feminicídio na Bahia chamam atenção para como identificar relações patológicas

Mortes por violência domesticas avançam na Bahia.

Do Mídia Bahia 

O ano de 2019 tem início com uma estatística preocupante –  nos primeiros 11 dias de janeiro, 33 mulheres foram vítimas de tentativas de feminicídio, e 16 delas não sobreviveram. Em Salvador, dois casos chamaram a atenção da população. No dia 15, um homem foi preso, suspeito de atropelar a mulher e a filha do casal, de 8 anos, no bairro do Uruguai, em Salvador, crime que teria sido motivado por ciúmes. Já na noite desta quarta-feira, uma mulher de 42 anos foi assassinada a tiros pelo ex-companheiro, que cometeu suicídio em seguida. O aumento dos casos de violência contra a mulher leva ao questionamento sobre o que acontece em uma relação que desencadeia uma tragédia.

Existem quadros de transtornos mentais que podem levar a relações patológicas, destacam especialistas. Segundo a psiquiatra da Holiste, Fabiana Nery, uma das motivações frequentemente apontadas para estes crimes – o ciúme – pode sim ser um quadro patológico.

Fabiana Nery (Imagem retirada do site Mídia Bahia)

“Ciúme não é essencialmente patológico: é um sentimento universal e normal, desencadeado pela ameaça à estabilidade de um relacionamento pelo qual se preza.  Entretanto, em um quadro de ciúme patológico existe um grande desejo de controlar o comportamento e sentimentos do ser amado.  Ocorrem sentimentos exagerados e muitas vezes infundados de desconfiança”, aponta Fabiana.

Ela destaca que, no ciúme patológico observa-se o desejo de controle absoluto sobre os comportamentos do/a companheiro/a, associado a diversos sentimentos perturbadores, desproporcionais e absurdos. Esses sentimentos envolvem um medo desproporcional de perder o ente amado, e uma desconfiança excessiva e infundada, gerando significativo prejuízo no relacionamento do casal. Nesses casos, as dúvidas se transformam em certezas e a pessoa é compelida à verificação compulsória de suas desconfianças.

 A psiquiatra da Holiste Livia Castelo branco salienta que, nos relacionamentos abusivos, na maioria das vezes, a pessoa agredida não percebe que está vivenciando uma relação perigosa e de que existe ali um quadro de dependência emocional envolvido.

“Muitas vezes essas pessoas são funcionais – trabalham, vivem em sociedade normalmente -, mas desenvolvem um quadro de ciúme patológico que se torna um delírio, e então em agressividade, podendo chegar ao assassinato. Também ocorre casos em que a pessoa tem um transtorno de personalidade em que não se tem remorso, então ela faz a outra sofrer e não sente culpa, pode sentir até mesmo prazer nisso”, pontua.

AUMENTO – As mortes de mulheres em decorrência da violência doméstica ou por discriminação ao gênero têm sido cada vez mais frequentes, apontam as estatísticas. Entre 2016 e 2018, o número de processos abertos baseados nessa tipificação aumentou 51% no país.

Juntas, aplicativo de Enfrentamento a Violência contra Mulher – Clique na imagem e acesse o aplicativo JUNTAS

 

Related posts