Feminismo em cordel

Jornalista desconstrói preconceitos e machismo em versos

Raíssa Lopes
Belo Horizonte (MG)

Jarid Arraes é jornalista, tem 23 anos, e nasceu em Juazeiro do Norte, Ceará. Filha e neta de cordelistas, desde muito pequena escrevia, cercada pela poesia e cultura popular nordestina. “Mas eu também percebia que a maioria das histórias que lia em cordel eram cheias de estereótipos, machismo, racismo, homofobia e deboche contra grupos marginalizados. Isso acontece porque o cordel é escrito por pessoas comuns e todos esses tipos de discriminação são altamente disseminados e aceitos na nossa sociedade”, afirma Jarid.

Foi a partir dessa crítica à realidade que a cearense decidiu criar a literatura de cordel feminista, com temáticas que abordam, por exemplo, questões de gênero, transfobia, preconceito racial e abuso sexual.

Hoje, Jarid tem dez livros publicados. As histórias – como manda a tradição cordelista – são todas baseadas em situações verídicas. Um dos títulos é “Dora: a negra e feminista”, que narra o processo de compreensão do feminismo por uma negra a partir da ajuda de outras mulheres, e a necessidade de cotas raciais em universidades. Outro, “A menina que não queria ser princesa”, é destinado às crianças e procura desconstruir o que chamamos de “coisas de menino” e “coisas de menina”. “As meninas são relacionadas ao ambiente doméstico e assuntos de beleza, enquanto os meninos podem brincar com tudo que é do mundo exterior. Isso é nocivo, naturaliza o machismo e impede que as crianças sejam quem elas têm potencial real para ser”, declara a escritora.

Mesmo que não direcionadas a alguém real, as rimas presentes nos livros retratam o cotidiano da mulher em uma sociedade machista. “Grande parte das coisas que me incomodavam no mundo partem de pressupostos que desvalorizam e trazem imposições ao comportamento feminino. Enxergar isso me trouxe empoderamento e eu decidi militar, porque quero levar essa conscientização para mais pessoas”, diz Jarid.

Para conhecer e adquirir os livros da jornalista, acesse o site www.jaridarraes.com.

 

 

 

Fonte: Brasil de Fato

+ sobre o tema

Mulheres marcham contra o machismo em Paris

Aproximadamente 100 mulheres participaram neste sábado (1º), em Paris,...

Helle Thorning-Schmidt – Berlusconi admira sem dissimular primeira-ministra da Dinamarca

Os meios de comunicação italianos destacam, esta quarta-feira, o...

Mães pela Igualdade – Carta às mães e pais brasileiros

Nós, Mães pela Igualdade, gostaríamos de pedir dois minutos...

Europa: cresce o tráfico de mulheres

Estudo sugere que prostituição forçada avançou 50% em cinco...

para lembrar

TJSP nega 83% dos habeas corpus pedidos para mulheres acusadas de aborto

Nos Habeas Corpus negados, há duas mulheres acusadas pelo...

Amantes de padres católicos pedem fim de celibato em carta aberta

 Em carta a Bento XVI, mulheres defendem que celibato...

Fabrício Boliveira: “O machismo é uma escravidão”

Capa da GQ de setembro ao lado de Emilio...

Projeto de admissão tácita de paternidade, da ex-deputada Iara Bernardi é aprovado pelo Senado

Foi aprovado na quarta-feira 04/08/2010, pelo Plenário do Senado,...
spot_imgspot_img

Medo de gênero afeta de conservadores a feministas, afirma Judith Butler

A primeira coisa que fiz ao ler o novo livro de Judith Butler, "Quem Tem Medo de Gênero?", foi procurar a palavra "fantasma", que aparece 41...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...
-+=