Atriz Isabèl Zuaa busca papéis em que a mulher negra seja protagonista de suas próprias histórias

Nascida em Lisboa, Isabèl ganhou destaque no cinema nacional

por Fabiana Schiavon e Lara Pires no Folha de São Paulo

Em cartaz nos cinemas com o filme “As Boas Maneiras”, ao lado de Marjorie Estiano, a atriz e dançarina portuguesa Isabèl Zuaa, 31, tem relação estreita com o Brasil. Entre outros projetos, participou de um episódio da série “Sob Pressão” (Globo) e coprotagonizou, com Júlio Machado, o longa “Joaquim” (2017), de Marcelo Gomes. Isabèl conta que criou conexões com a arte ainda na infância.

“Cresci brincando muito, dançando e cantando. Quando me perguntavam o que eu queria ser quando crescesse, respondia sempre coisas diferentes. Eu me imaginava em inúmeras profissões. Decidi, então, ser atriz, de forma que posso viver várias vidas. O mais incrível dessa atividade é poder me conhecer melhor e me surpreender a cada jornada”, reflete a atriz.

Foi há oito anos que ela descobriu o Brasil. “Nasci e cresci em Lisboa, em um bairro que se chama Zambujal, em Loures. Cheguei ao Brasil em 2010, para fazer um intercâmbio de artes cênicas na UniRio [Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro] por cinco meses. Acabei ficando sete anos”, conta Isabèl. ​

Com ascendência africana, a atriz usou seu conhecimento sobre idiomas e sobre a cultura da África no longa “Joaquim”, em que viveu a quilombola Preta, cúmplice do personagem histórico Joaquim (Júlio Machado).

A artista diz buscar trabalhos em que a mulher negra seja a protagonista de suas próprias histórias. A vivência de Isabèl no Brasil já lhe deu uma visão sobre o país. “O que mais me agrada aqui é a diversidade cultural e artística, mas me desagrada a desigualdade social e o racismo institucional.”

O papel de Clara, em “As Boas Maneiras”, rendeu à atriz prêmios em diversos festivais de cinema europeus. “Clara é uma mulher solitária que, por alguns motivos, não consegue terminar o seu curso de enfermagem e responde a um anúncio para ser babá do filho que Ana (Marjorie Estiano) espera. Não se sabe muito sobre o passado dela, é uma mulher misteriosa. Com o tempo, ela mostra a sua afetuosidade, sua humanidade e seu cuidado”, adianta Isabèl.​ No longa, que une fantasia, terror e drama, Ana tem uma gravidez estranha e hábitos noturnos assustadores.

Agora, Isabèl retorna a Lisboa para gravar “Sul”, aguardada série policial de TV, do português Ivo M. Ferreira. A atriz gosta de se dividir entre Portugal e Brasil. “Tenho a sorte de poder ficar parte do ano em cada país. Vou gerindo de acordo com os projetos. Sou grata por ter essa possibilidade.”

+ sobre o tema

15ª Feira Preta: Shows de Emicida, MC Soffia, espaço kids e muito afro-empreendorismo marcam edição comemorativa

Com reconhecimento internacional e consagrada como um dos maiores eventos...

Achados arqueológicos do Cais do Valongo estão abandonados em terreno no Porto

Considerado um dos mais ricos e completos acervos sobre...

O desafio de se tornar negro

Não é só uma questão de pele. É um...

Anielle defende punição mais rígida para crimes de racismo

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, disse, nesta...

para lembrar

Abdias Nascimento, o Leão Africano!

Nos ensina o Griot Abdias Nascimento: "Poucos brasileiros sabem...

Martinho da Vila lança Opera Negra em Paris

Ao contar a epopéia das favelas brasileiras, cantor e...

Holder, primeiro procurador-geral negro, se despede defendendo direitos civis

Washington, 24 abr (EFE).- Eric Holder, o primeiro procurador-geral...

Brasil e África misturam padrões de design, revela pesquisa de dez anos

    PEDRO DINIZ, Memórias enraizadas trocadas de geração em geração entre...
spot_imgspot_img

Brasileiro dirige único teatro negro da Alemanha

"Ainda tenho um milhão de coisas para fazer", diz Wagner Carvalho, diretor artístico do teatro Ballhaus Naunynstrasse em Berlim, poucas horas antes da estreia da noite. Wagner não...

Álbum de Lauryn Hill é considerado melhor da história em lista da Apple Music; veja ranking

Uma lista publicada pela Apple Music elegeu os 100 melhores álbuns de todos os tempos. Em primeiro lugar, a escolha foi para 'The Miseducation...

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...
-+=