Unegro: 30 anos de luta pela igualdade racial, de gênero e de classe

A União de Negros pela Igualdade (UNEGRO) é uma entidade nacional suprapartidária, fundada em 14 de julho de 1988, em Salvador, na Bahia. E completa 30 anos de articulação na luta contra o racismo, sexismo, homofobia, intolerância e racismo religioso, e todas as suas formas correlatas de manifestação, pela luta de classes.

Por Mônica Custódio Do Vermelho

Foto: Reprodução/Vermelho

Seu principal objetivo é de construir consciência de classe, identidade, pertencimento de valores históricos da população negra e do povo brasileiro, bem como a defesa de direitos em acesso e oportunidade, e assim poder transformar um povo escravizado em construtores de uma nova nação, essa que se constitui a segunda maior população negra do mundo, o Brasil.

A Unegro nasce em um momento histórico de nosso país – abertura, redemocratização e Constituinte. Momento do fim da bipolaridade, de resgate do equilíbrio político, econômico, militar e da hegemonia do avanço técnico-científico global. A queda do Muro de Berlim simbolizou a vitória triunfante do capitalismo no mundo, o fortalecimento da ideologia neoliberal e o avanço do imperialismo. E com todo esse cenário, ainda assim a UNEGRO, com a integridade de uma entidade fundada por comunistas, construiu com amplitude e radicalidade um programa altamente avançado, de cunho classista e abertamente marxista.

As consequências do golpe militar, somadas às ações neoliberais impostas inicialmente por Collor, no início dos anos 1990, aprofundou e recrudesceu as relações sociais e de trabalho, com elevação do desemprego, aumentando singularmente a marginalização da população negra. E com fortes resquícios da ditadura, o genocídio da juventude e das crianças negras virou pauta de luta e enfrentamento no Estado de São Paulo. Com a atitude e o protagonismo da UNEGRO, e de outras entidades dos movimentos social e negro, foi lançada a campanha: “Não matem as nossas crianças”.

Compreendendo a necessidade da amplitude nas relações políticas, a entidade participou da criação e da estruturação da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), fundada em São Paulo, tendo como composição política estruturalmente o Soweto (PT) e a UNEGRO (PCdoB). Um outro passo importante em direção aos movimentos sociais foi a construção da primeira comissão de combate ao racismo na estrutura sindical, em 1993, quando da composição da CNCDR/CUT. No movimento sindical, os membros da UNEGRO se portavam como CSC/CUT.

A UNEGRO também teve papel de grande relevância na construção dos 300 anos de imortalidade de Zumbi, em 1995, a Marcha Zumbi Pela Vida, bem como na organização e realização do Congresso Continental dos Povos Negros da América, no Parlatino em São Paulo. Na ocasião, tivemos a oportunidade de ter como palestrante, nada mais, nada menos que o escritor marxista Clóvis Moura e o prêmio Nobel em Geografia, Milton Santos, um dos maiores críticos da globalização neoliberal.

Também fomos de fundamental importância na construção, realização e materialização do II ENEN, realizado no Rio de Janeiro, na UERJ, de onde tiramos o cimento político das ações de resistência ao neoliberalismo de FHC. Em 2000 iniciamos o milênio nos posicionando contra a campanha do Governo Federal, Brasil 500 anos, onde construíamos a campanha Brasil outros 500. A partir daí o movimento social negro e organizado iniciava a pavimentação de suas ações, com o papel de desenvolver e executar sua própria agenda e pauta de reivindicação.

Nos mobilizamos politicamente para as contribuições nos estados, onde se estruturavam os documentos norteadores para a Conferência Nacional e para a III Conferência Mundial Contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Formas Correlatas de Intolerância, realizada em Durban, na África do Sul, em setembro de 2001.

Viramos o ano com a agenda institucional do país, as eleições gerais. E com ela a perspectiva de um novo Projeto Nacional de Desenvolvimento e Inclusão Social. Início da pavimentação que os movimentos sociais construíram, durante décadas, e que se iniciou a partir do resultado eleitoral de 2002, com a vitória nas urnas de Lula e do campo democrático, popular e progressista. No lastro desta vitória, deu-se a construção de ministérios com a cara e a identidade do povo brasileiro, atendendo às reivindicações pautadas em Políticas Públicas, baseadas em Ações Afirmativas, com objetivo de Reparações. É neste contexto que, em março de 2003, a SEPPIR se apresenta.

Congressos

Ainda em meados 2003, realizamos o 2º Congresso da Unegro, em Itaparica, na Bahia. Neste momento a entidade passava por dificuldades e diante da crise e do refluxo nos impostos o caminho foi a luta pelo fortalecimento da entidade em nível nacional, a proposição de sairmos dos 7 estados representativos e ampliarmos substancialmente a nossa representação.

3º Congresso – Movimento Negro: um passo além da proposta

Realizado no Rio de Janeiro, em 2007, com uma de suas maiores delegações, este congresso construiu a virada. A resolução do 2º Congresso foi a mola propulsora. A atitude de construção de uma entidade, grande, forte e de massa foi o parâmetro decisivo para a condição de sermos a maior força política nacional negra.

4º Congresso – Negros e Negras Compartilhando o Poder

Tendo como sede o Distrito Federal, em 2011, este congresso confirma a decisão acertada das resoluções anteriores e a capilaridade impressa na militância nos estados e materializada na política organizativa, estrutural, e orientadora de nossas ações. Esta proposta de um passo adiante constitui um signo daquilo que chamamos de igualdade de oportunidade e de condição. Aqui abrimos espaço efetivamente para as mulheres e reconhecemos o real valor e participação das mulheres dentro da organização.

5º Congresso – Negros e Negras no Poder e em Defesa da Vida.

Este encontro realizado no Maranhão, em 2016, teve como principal objetivo analisar os impactos e manifestações contemporâneas do racismo. Além disso, ele visa traçar estratégias de enfrentamento à sub-representação de negras e negros nos espaços de poder e decisão e estabelecer uma plataforma política e um plano de luta para os próximos quatro anos. É esta conjuntura histórica de golpe e retrocessos de direitos individuais e coletivos que servirá de cenário para o nosso congresso.

Em um Estado social, cultural e historicamente negro, onde a luta contra o coronelismo simboliza nossa luta de classes atual, onde aqueles que derrotamos em 2014 nos impõem um Golpe contra o país e toda a classe trabalhadora. Em um país de terra arrasada, em que dois anos de desgoverno representam 14 anos de retrocesso. Ainda assim, realizamos nosso grandioso congresso, e dele saímos ainda mais fortes, preparadas(os) para o bom combate. Tendo como referência uma jovem negra no comando, Ângela Guimarães, que representa essa entidade com cara de mulher preta, jovem, inteligente, descolada e bonita.

Vida longa à União de Negros Pela Igualdade – UNEGRO

+ sobre o tema

Rede social para negros quer dar visibilidade a políticos e empreendedores

A Black & Black, uma rede social brasileira indicada...

Exposição na Casa França Brasil conta a história do negro no Rio

Mostra reúne 500 peças, como bronzes do Benin, máscaras...

Quilombolas entrarão na justiça por danos morais

Federação Nacional de Associações Quilombolas (FENAQ) entrará com uma...

para lembrar

spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=