Universidade expulsa alunos suspeitos de agressão no interior de SP

Três alunos de medicina agrediram e ofenderam um homem.

Crime foi em dezembro e eles respondem por racismo.

 

Os três estudantes de medicina suspeitos de agredir um auxiliar de serviços no dia 12 de dezembro de 2009, em Ribeirão Preto, a 313 km de São Paulo, foram desligados do Centro Universitário Barão de Mauá, onde estudavam.

 

O trio é suspeito de atacar o auxiliar de serviços gerais Geraldo Garcia, de 55 anos, com um tapete e ofendê-lo por causa de sua cor. A ação foi vista por várias testemunhas. Uma comissão composta por professores e funcionários decidiu pela expulsão, depois das investigações.

 

Os estudantes respondem na Justiça pelo crime de injúria qualificada por racismo. O advogado dos rapazes, Carlos Roberto Mancini, disse que vai recorrer da decisão, mas que, por enquanto, aguarda manifestação do judiciário para se pronunciar.

 

Em entrevista dias após o caso (veja o vídeo acima), Garcia comentou: “Vieram com um tapete enrolado e acertou bem forte. Deu aquele estralo nas minhas costas. Foi maldade deles. Para mim, quem faz isso tem que ser punido mesmo”. O auxiliar de produção ia para o trabalho de bicicleta na manhã de sexta-feira (11) quando foi atingido com um tapete nas costas. Ele caiu no chão e machucou a mão.

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

Carrefour promete implantar políticas de Ações Afirmativas

Depois do lamentável e criminoso incidente que envolveu Januário...

Cotas na UFAL é ‘discriminação positiva’- diz desembargador.

Por: Arísia Barros     São espaços afirmativos...

Assédio é tão comum no Carnaval quanto confete e serpentina

Do fiu fiu à misoginia: desfilando pelo Carnaval, os...

para lembrar

spot_imgspot_img

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...
-+=