USP aprova cotas sociais e raciais para o vestibular

Metade das vagas será reservada para alunos de escola pública

Prédio da Administração Central da USP – Divulgação

SÃO PAULO -Em uma sessão de mais de seis horas, o Conselho Universitário da Universidade de São Paulo (USP) determinou, nesta terça-feira, a reserva de metade de suas vagas para alunos de escola pública. A proposta foi aprovada com 89 votos favoráveis, um contrário e quatro abstenções. Dentre essas vagas, 37,2% irão para alunos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas.

Aumentando ano a ano, até 2021, segundo a determinação, 50% das vagas da universidade devem estar reservadas para estudantes que cursaram o ensino médio em escolas públicas. Já no próximo vestibular, 37% das oportunidades serão destinadas a esses alunos. A decisão também foi recebida como vitória pelos que propunham adoção de cotas raciais, como o movimento estudantil.

Durante a discussão, o sociólogo André Singer propôs que, das vagas reservadas para alunos de escolas pública, 37,2% sejam de cotas raciais,destinadas a alunos que se autodeclaram pretos, pardos ou indígenas. Essa proposta foi aprovada com 75 votos favoráveis, oito contrários e nove abstenções. O percentual de 37,2% é a proporção da população de São Paulo que se identifica como preta, parda ou indígena.

Mais cedo, um grupo de cerca de 300 professores havia divulgado uma carta cobrando a adoção, também, das cotas étnico-raciais. Para eles, a proposta inicial que reservava cotas apenas para alunos de escola pública era insuficiente.

mudança significativa

A carta foi assinada por pesquisadores como Raquel Rolnik, Jorge Luiz Souto Maior, Lilian Schwarcz, Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer, entre outros, como o ex-vereador Nabil Bonduki.

“As primeiras medidas de cotas em universidades no Brasil já têm mais de 15 anos. Pensamos que essa decisão cabe à sociedade que financia a USP e mesmo assim é excluída dela”, defenderam os professores na carta.

COMO É O INGRESSO HOJE NA USP

Atualmente, 70% das vagas na USP são provenientes do vestibular realizado pela própria universidade. Desde 2016, as vagas restantes são reservadas para ingressantes que participam do Enem. Para elas, a universidade deu a liberdade para cada unidade de ensino definir divisões entre cotas para alunos de escola pública e autodeclarados pretos, pardos ou indígenas. Ao todo, 25 unidades da USP já instituíram cotas sociais e étnico-raciais nas vagas provenientes do Enem.

No entanto, o ingresso pela Fuvest não possui nenhuma reserva de vagas. A única ação afirmativa realizada pela USP é um sistema de bonificação para alunos de escolas públicas ou que se identificam como pretos, pardos ou indígenas. O sistema permite que um estudante tenha até 25% de bônus no vestibular, mas não reserva nenhuma vaga. O programa levou a um aumento no número de estudantes oriundos da escola pública — foram 36% em 2016 —, mas abaixo da meta de 50% definida pelas universidades do estado de São Paulo até 2018.

Com a nova meta, 50% estarão reservadas aos alunos da rede pública em 2021, que continuarão com o bônus, ou seja, o percentual de alunos da rede pública pode aumentar ainda mais.

+ sobre o tema

para lembrar

Professoras de creche no interior de SP são suspeitas de agredir 12 crianças

Caso foi registrado na Delegacia da Mulher de São...

Passeio pela história da comida afro-brasileira

  Vilson Caetano fala sobre as delícias da cozinha afro-brasileira   Fonte:Mundo...

Dicas para lidar com o racismo na sala de aula

Não é fácil abordar a questão do racismo na...
spot_imgspot_img

Geledés publica boletins sobre a Primeira Infância nos estados brasileiros

Geledés Instituto da Mulher Negra está realizando as ações da segunda etapa do projeto “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil, uma...

PL do novo PNE apresenta avanços em equidade e dá primeiro passo em financiamento, mas precisa de melhorias estruturais e traz também retrocessos

O Projeto de Lei (PL) nº 2.614/2024, que prevê um Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2024-2034, apresenta avanços relacionados à...

Jovens cientistas receberão apoio de mais de R$ 21 milhões para pesquisas   

O Instituto Serrapilheira anunciou, nesta quarta-feira (26), os 33 pesquisadores selecionados em dois editais que vão injetar mais de R$ 21 milhões em ciência no Brasil. Uma...
-+=