Vencedor do Pulitzer, Junot Díaz revela que foi estuprado quando criança

Escritor dominicano diz que o episódio quase o destruiu e que o define mais do que sua origem

no Folha de São Paulo

Vencedor do Pulitzer, o escritor Junot Díaz revelou em um artigo na revista New Yorker que foi estuprado por um “adulto no qual ele realmente confiava” quando ele tinha oito anos.

O autor dominicano, que explora o tema de abuso sexual nos seus trabalhos, nunca havia falado publicamente sobre sua própria experiência. No artigo “The Silence” (o silêncio), Díaz conta que, anos atrás, um leitor o questionou, em um evento de autógrafos, se ele próprio já tinha sido abusado sexualmente. Na ocasião, Díaz não respondeu.

“Eu ainda tenho medo —e meu medo é gigantesco—, mas eu vou falar assim mesmo”, escreveu ele. “Sim, aconteceu comigo. Eu fui estuprado quando eu tinha oito anos. Por um adulto no qual eu realmente confiava. Depois de me estuprar, ele me disse que eu deveria voltar no dia seguinte ou estaria encrencado. Como eu estava apavorado, e confuso, voltei no dia seguinte e fui violentado novamente. Nunca contei a ninguém.”

Díaz, que ganhou o Pulitzer por sua obra de estreia “A Fantástica Vida Breve de Oscar Wao”, escreveu que o episódio o colocou completamente fora de órbita, em uma região escura do espaço onde a vida não é possível. “Posso dizer, realmente, que casi me destruyó [quase me destruiu]”, escreveu, usando o espanhol no meio do texto em inglês.

“Não só o estupro, mas todas suas sequelas: a agonia, a amargura, a autorrecriminação, o asco e o desespero pela necessidade de manter isso escondido. Fodeu com minha infância. Fodeu com minha adolescência. Fodeu com minha vida inteira. Mais do que ser dominicano, mais do que ser um imigrante, mais do que ser afrodescendente, meu estupro me define”, continuou

Ele não contou à família e sua infância foi marcada pela depressão e raiva. “Enquanto as outras crianças estavam vivenciando paqueras e o primeiro amor, eu estava lidando com memórias intrusivas do meu estupro que eram tão excruciantes que eu tinha vontade de enterrar minha cabeça na parede.”

Na faculdade, Díaz conseguiu se reinventar, mas continuou mantendo o estupro em segredo, ainda que ele tenha abordado o tema em seu trabalho literário.

O escritor contou que chegou ao “fundo do poço” depois que uma mulher que ele amava descobriu que ele mentia para ele. Ele decidiu, então, fazer terapia. Desde então, contou para os amigos. Até então, ele tinha “medo que o estupro o arruinasse, medo de ser descoberto”. “Afinal, homens dominicanos de verdade não são estuprados.”

+ sobre o tema

Afro-Cubanos

O termo afro-cubano se refere a cubanos de ancestralidade...

‘As mulheres são criadas para achar que o casamento é muito importante’ diz Chimamanda Adichie

Escritora aclamada pela crítica internacional, a nigeriana pertence ao...

Bolsas para graduação no Brasil

Estudantes de 24 países africanos podem tentar uma vaga...

para lembrar

Meninas negras feitas escravas domésticas e sexuais na região central do Brasil

Quando lembramos que o fim da escravidão –  há...

Simone Biles é gigante no compromisso contra cultura de violência sexual

Os Jogos Olímpicos têm resgatado a emoção do brasileiro....

África, não!

Namíbia, fica no sul da África e foi um...
spot_imgspot_img

13 leis sobre proteção à mulher que precisam ser efetivadas em 2024

Se é verdade que, no Brasil, o novo ano só começa depois do Carnaval, ainda é tempo de realizar uma retrospectiva, para divulgar leis...

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Escritor Itamar Vieira Junior é o entrevistado do Trilha de Letras

O segundo programa inédito da nova temporada do Trilha de Letras, produção semanal da TV Brasil, traz uma instigante conversa do escritor Itamar Vieira Junior com...
-+=